Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Divulgação: A Tapeçaria - Livro 1 - O Guardião de Rowan, de Henry Neff


Sinopse retirada do site da Bertrand: A vida sossegada de Max McDaniels está prestes a nunca mais voltar a ser como dantes. Durante uma visita com o pai ao Instituto de Arte de Chicago, uma velha tapeçaria celta ganha vida à sua frente e, pouco depois, Max recebe um enigmático convite para ingressar na Academia de Rowan. Aí aguardam-no criaturas fantásticas, um currículo exigente e colegas com capacidades extraordinárias, mas também uma batalha ancestral entre as forças da luz e das trevas. Neste romance de estreia, o autor e ilustrador Henry H. Neff combina elementos de fantasia, ficção científica e mitologia para criar uma história emocionante que nos conquista do início ao fim.

Opinião: Se Eu Ficar, de Gayle Forman


Sinopse retirada do site da Bertrand: Naquela manhã de Fevereiro, quando Mia, uma adolescente de dezassete anos, acorda, as suas preocupações giram à volta de decisões normais para uma rapariga da sua idade. É então que ela e a família resolvem ir dar um passeio de carro depois do pequeno-almoço e, numa questão de segundos, um grave acidente rouba-lhe todas as escolhas. Nas vinte e quatro horas que se seguem, Mia, em estado de coma, relembra a sua vida, pesa o que é verdadeiramente importante e, confrontada com o que faz com que valha mesmo a pena viver, tem de tomar a decisão mais difícil de todas.

P.S- Esta é a nova capa do livro, uma vez que foi adaptado para o grande ecrã. A sua estreia em Portugal está marcada para 28 de agosto.

Opinião: Se Eu Ficar é umlivro pequeno, mas com uma história gigante e bonita, capaz de cativar ocoração de qualquer leitor. E foi isso que me aconteceu. Senti-me,imediatamente, ligada à Mia (a personagem principal), à família inspiradora quetem e ao namorado Adam que é um querido. Este livro fala-nos de um assuntomuito complicado e doloroso: a morte. Haverá vida depois da morte? Será queficamos a vaguear por aí como fantasmas confusos? Ou será que há algo que nospode prender cá? Algo que nos dê forças e que diga: ainda não está na hora?Este é um livro pequeno, mas que nos faz refletir muito. Fala-nos da dor, daesperança, do poder do amor. Do poder da família, dos amigos. Fala-nos, ainda,da importância do futuro, um futuro incerto e misterioso. Mas também fala-nos deum passado que passou a ser um conjunto de memórias e lições. Resumindo,fala-nos, realmente, do significado da vida, mas o significado que cada pessoatem acerca da vida e de como a vida é um aglomerado de memórias valiosas, demomentos sensacionais. A vida é uma dádiva; ora aí está uma coisa que concluíquando acabei de ler esta história maravilhosa.´
Portanto, digo que sim se me perguntarem se gostei dahistória. Digo que, aliás, adorei esta história esplêndida por ter uma escritatão simples, como se fosse um diário de alguém que nos confidenciou um pouco dasua vida. É um livro que nos faz refletir e que nos ensina.
É claro que houve coisas que achei um pouco descabidas, ouque, simplesmente, não faziam sentido para mim. Contudo, não são coisas muito significativasem comparação à profundidade desta história.
Gostei muito de Mia falar das suas memórias. Eu própriasenti que, como ela estava entre a vida e a morte, ela acabou por dar valor acoisas tão simples e pequenas, ou então também senti que houve momentos dosquais ela não refletiu muito, mas naquela fase complicada, ela tentouperceber. Ela acabou por valorizar a sua vida. E é isso que devemos fazer: anossa vida não está garantida. Nós é que temos que dar tudo por tudo parasentirmos que estamos vivos e que isso é o pensamento mais importante quedevemos ter. A vida é uma incerteza. Não devemos deixá-la passar por coisasfúteis. Temos é que vivê-la como se o amanhã não existisse e como se o ontemnão tivesse acontecido. Devemos viver o hoje. Aproveitar o presente.
Em suma, aconselho vivamente a leitura deste livro. Não serpor ser uma fonte de sabedoria, mas também pelo facto de a autora transmitiruma história colossal através de uma escrita fluída e acessível que nos fazprender à história.

Classificação: 9.5/10

Opinião: A Muralha de Gelo, de George R.R. Martin


Sinopse retirada do site da Bertrand: Estes são tempos negros para Robert Baratheon, rei dos Sete Reinos. Do outro lado do mar, uma imensa horda de selvagens organizou-se para invadir o seu reino. À frente deles está Daenerys Targaryen, a última herdeira da dinastia que Robert massacrou para conquistar o trono. E os Targaryen são famosos pelo seu rancor e crueldade... Mais perto, para lá da muralha de gelo que se estende a norte, uma força misteriosa manifesta-se de maneira sobrenatural. E quem vive à sombra da muralha não tem dúvidas: os Outros vêm aí e o que trazem é bem pior do que a própria morte... Ainda mais perto, na Corte, as conspirações continuam. O ódio entre as várias Casas aumenta e desta vez o sangue vai jorrar. E quando parece que nada pode piorar, o rei é ferido mortalmente numa caçada. Terá sido um acidente ou um assassinato? Seja como for, uma coisa é certa: a guerra civil vem aí! 

George R. R. Martin prova porque é o maior escritor de fantasia da actualidade. Com uma imaginação poderosa, escrita inteligente e personagens cativantes, volta a deixar o leitor rendido e a ansiar por mais. Se gosta de um romance histórico épico, de um thriller arrepiante, de uma aventura emocionante, de uma fantasia credível e, em suma, de uma grande leitura... então este livro é para si.

Opinião: Posso ter demorado um pouco a ler este livro, mas acredito que os livros deste autor fantástico devem ser lidos lentamente para os saborearmos por completo. E foi o que eu fiz!
Vemos a ação a desenrolar-se de forma rica e sensacional graças às palavras fluídas e brilhantes do autor. As suas descrições são muito pormenorizadas e bem feitas, o que nos permite criar cenários luxuosos e belos nas nossas mentes. Permite-nos, também, ver a ação a decorrer como se nós fôssemos parte da ação. É simplesmente incrível o talento deste excelentíssimo George R.R. Martin! Não me admira que exista uma série televisiva baseada nos livros. Aliás, como disse, as suas descrições são pormenorizadas e bem feitas, na medida em que nos permitem criar excelentes imagens nas nossas mentes à medida que lemos esta fabulosa história. As suas personagens são complexas e, o melhor nelas, é que têm a mistura do bem e do mal, não existindo, apenas uma simples distinção dos bons e dos maus. Vemos personagens firmes e distintas que defendem as suas vidas e os seus próprios ideais.
Gostaria de dizer mais acerca deste livro brilhante, mas faltam-me palavras sempre que tento descrever o talento fantástico e delicioso que se verifica nos livros deste autor.
Aconselho, vivamente, a qualquer leitor, a ler os livros dele. Não se vão arrepender!

Classificação: 10/10 estrelas

Divulgação: A Bela Americana, de Jess Walter


Sinopse retirada do site da Bertrand: Pasquale é um italiano sonhador. Tem 20 anos, vive numa aldeia costeira no mar da Ligúria, é dono do hotel local. Está na praia no dia em que uma inesperada hóspede chega de barco. É uma americana alta, frágil, de uma beleza aparentemente banal. Vai caminhando hesitante pelo cais, aproxima-se, até que se vira e o olha de frente. E o seu rosto, visto no ângulo certo, é o rosto perfeito. E o momento, aquele momento - perceberá Pasquale mais tarde -, vai durar uma vida inteira. Desde a primeira página, percebemos que A Bela Americana é um romance invulgar. Porque nos dá a ler um diário perdido, de cortar o coração. Porque nos fala de um músico vergado ao álcool e desesperado por se reencontrar. Porque nos revela um Richard Burton torturado pelo amor de Elisabeth Taylor nas filmagens de Cleópatra. E porque todas essas personagens, tão imperfeitas, tão impossivelmente românticas, estão misteriosamente ligadas umas às outras. E todas elas existem apenas porque, um dia, a bela americana desapareceu sem deixar rasto. E porque um italiano sonhador, passado meio século, cruzou o Atlântico na esperança de a reencontrar. Jess Walter assina aqui o seu melhor romance até à data. Traduzido em 28 países, A Bela Americana foi incluído na selecção de Melhores Livros do Ano.

Divulgação: Paranormalidade, de Kiersten White


Sinopse retirada do site da Bertrand: Por mais estranho que seja trabalhar para a Agência Internacional de Contenção Paranormal, Evie sempre pensou ser uma rapariga normal. Sim, a sua melhor amiga é uma sereia, o seu ex-namorado é um homem--fada, está a apaixonar-se por um rapaz que muda de forma e é a única pessoa que consegue ver através dos disfarces dos paranormais, mas ainda assim... Normal. Só que agora os paranormais andam a morrer e os sonhos de Evie estão repletos de vozes inquietantes e profecias misteriosas. Depressa se apercebe que poderá existir uma ligação entre as suas capacidades e a súbita vaga de mortes. E não apenas isso, pois poderá muito bem encontrar-se também no centro de uma profecia sinistra das fadas, que promete destruição para todas as criaturas paranormais. Lá se vai a normalidade……

Divulgação: Os Apanhadores de Conchas, de Rosamunde Pilcher


Sinopse retirada do site da Bertrand: O Livro " Os Apanhadores de Conchas" é um romance de laços e ligações: de uma família, das suas paixões, das mágoas e desgostos por ela vividos durante três gerações. Um romance de pessoas reais - mães e filhas, maridos e amantes -, inspirado em valores e ideias tangíveis que tocam verdadeiramente todos os leitores. Um romance mágico, daqueles que surgem uma vez a cada cinquenta anos e que nos faz querer regressar sempre às suas páginas. «Quando um autor diz que se sentiu morrer no instante em que acabou de escrever determinado livro, devemos olhá-lo com espanto e admiração. Foi o que aconteceu com Rosamunde Pilcher com este seu romance. A não perder.»

Pág. 3/3