Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Biblioteca da Daniela

A Biblioteca da Daniela

Opinião: A vida no campo, de Joel Neto

30.07.16, Daniela S.


A vida no campo é, sem dúvida, um "pequeno grande" diário de Joel Neto. Pequeno pela sua dimensão, mas grande por estar recheado de reflexões muito interessantes, de memórias fascinantes, de experiências gratificantes e de pessoas inesquecíveis. O autor olha para o exterior com uma curiosidade enorme, sem deixar de parte o seu próprio interior, que engrandece esta obra. Estamos perante um magnífico livro que é, sem dúvida alguma, uma homenagem à Natureza, às ilhas açorianas (principalmente à querida ilha do escritor, Terceira) e aos açorianos que, mesmo quando estão longe das suas terras, sempre as terão nos seus corações.


A escrita do autor flui, prende a nossa atenção e toca profundamente na nossa alma. É o tipo de escrita ideal para quando queremos mostrar o nosso amor por algo que nos é tão importante. O estilo de Neto reflete essa tal "vida no campo", ou seja, é simples e belo. Tudo é dito de forma muito sincera, carinhosa. É tudo muito apaziguador e natural. 


Gostei imenso das memórias e vivências partilhadas pelo escritor. Umas mais profundas, outras mais engraçadas. Há um pouco de tudo: sabedoria, simplicidade, alegria, saudade, tristeza, esperança. Neste livro, embora tenha sido escrito por uma só pessoa, sentimos a presença de todos os terceirenses e, consequentemente, de todos os açorianos


Em conclusão, A vida no campo é um livro autêntico. Para os açorianos, mostra o quanto orgulhosos deveríamos sentir por vivermos nestas lindas ilhas. Para os que não vivem nos Açores, mostra a essência de um ilhéu. É um belo tributo à Natureza, que não tem a atenção que merece atualmente.. Recomendo, portanto, a leitura deste livro que embeleza a Terceira de uma forma tão modesta e tão genuína.


Classificação: 5/5 estrelas (a partir de agora, a classificação será feita a partir de 0 a 5 estrelas).



Novos habitantes na estante!

30.07.16, Daniela S.
No dia 26, a minha mãe comprou dois livros para mim, porque ambos tinham bons descontos na Feira do Livro do hipermercado Continente. Ontem, fui à Bertrand e comprei um livro que tinha 50% desconto, mas para o cartão da livraria! Estou a falar d'As Serviçais, de Kathryn Stockett.


Era suposto ter encomendado a edição inglesa deste livro, mas tive mesmo que aproveitar esta promoção de 20% a 50% de desconto em cartão, na Bertrand, que começou no dia 28 e termina hoje.
Este romance já foi adaptado para o grande ecrã, mas só vi algumas partes do filme, pois queria ler o livro primeiro. Portanto, espero poder lê-lo em breve para poder ver finalmente o filme todo.


Sinopse retirada do site da Bertrand:

Skeeter tem vinte e dois anos e acabou de regressar da universidade a Jackson, Mississippi. Mas estamos em 1962, e a sua mãe só irá descansar quando a filha tiver uma aliança no dedo. 
Aibileen é uma criada negra, uma mulher sábia que viu crescer dezassete crianças. Quando o seu próprio filho morre num acidente, algo se quebra dentro dela. Minny, a melhor amiga de Aibileen, é provavelmente a mulher com a língua mais afiada do Mississippi. Cozinha divinamente, mas tem sérias dificuldades em manter o emprego… até ao momento em que encontra uma senhora nova na cidade. 
Estas três personagens extraordinárias irão cruzar-se e iniciar um projecto que mudará a sua cidade e as vidas de todas as mulheres, criadas e senhoras, que habitam Jackson. São as suas vozes que nos contam esta história inesquecível cheia de humor, esperança e tristeza. 
Uma história que conquistou a América e está a conquistar o mundo.

_________________________________________________________________________


Na passada quinta-feira, recebi um dos livros que tinha encomendado no início de julho.
Cress, de Marissa Meyer, é o terceiro volume das Crónicas Lunares (título original: The Lunar Chronicles) e foi editado, em Portugal, em 2015. Ainda não li os dois primeiros livros, mas como já li várias opiniões positivas sobre esta coleção, decidi encomendá-la toda. Winter, o quarto volume, é a última encomenda de julho e espero que não esteja perdida por aí.



Sinopse da edição portuguesa retirada do site da Bertrand:

Terceiro livro da série Crónicas Lunares, best-seller do New York Times. Em Cinder, o primeiro livro, recontava-se a história da Cinderela. No segundo, Scarlet, ficámos a conhecer a história futurista do clássico Capuchinho Vermelho. Este terceiro livro é baseado na história de Rapunzel.

Em Cress temos três histórias paralelas: a continuação das aventuras de Cinder e Scarlet que se cruzam com Cress, uma jovem presa num satélite desde a infância.
Cinder e o capitão Thorne estão escondidos com Scarlet e Wolf. Juntos, conspiram para derrubar a rainha Levana e impedir o seu exército de invadir a Terra.
A sua melhor esperança é Cress, uma jovem presa num satélite desde a infância e que apenas tem os netscreens como companhia. Todo este tempo passado a olhar para os ecrãs fez dela uma excelente hacker. Mas infelizmente, é obrigada a trabalhar para a rainha Levana, e recebeu ordens para localizar Cinder e o seu bonito cúmplice.
Quando o ousado resgate de Cress corre mal, o grupo desmembra-se. Cress obtém por fim a liberdade, mas com um preço mais elevado do que jamais pensou. Entretanto, a rainha Levana não vai deixar nada impedir o seu casamento com o imperador Kai. 
Cress, Scarlet, e Cinder podem não ter sido designadas para salvar o mundo, mas são a única esperança do mundo.


Capa da edição portuguesa.
_________________________________________________________________________

Como podem ver, julho foi um mês sensacional para comprar e encomendar livros! O mesmo não se pode dizer quanto às leituras.... No entanto, em breve, publicarei uma opinião sobre o último livro lido!




Mais livrinhos para mim!

27.07.16, Daniela S.
Ontem, dia 26 de julho, a minha mãe quis ir ao hipermercado Continente e, como o meu pai me tinha dito que já tinha começado a habitual Feira do Livro, eu também quis ir! 
Fiquei muito contente ao ver bons descontos, que vão até aos 50% de desconto imediato! As obras mais recentes têm descontos até 20% e a literatura lusófona tem, no máximo, 40% de desconto. Outros livros, que já foram editados há mais de 18 meses, penso eu, também têm até 40%. Em relação aos livros com 50% de desconto, não reparei muito neles, pois a maior parte não me interessa, mas há muitos deles também!

No meio de tantos livros com excelentes preços, acabei por pedir à minha mãe para me comprar dois (ficou combinado que, depois, eu pagaria apenas um; obrigada, mãe!). Um deles tinha 40% de desconto, uma vez que foi editado em 2014. Estou a falar de Um, Dó, Li, Tá, de M. J. Alridge.
Apesar de ainda não ter lido muitos thrillers, decidi que deveria ter este na minha estante, porque já vi séries televisivas que têm episódios com histórias semelhantes a este livro  e, portanto, tive mesmo que o comprar. Além disso, servirá para enriquecer o meu repertório de thrillers psicológicos, que são extremamente fascinantes (fiquei curiosa com este tipo de livro graças ao Em Parte Incerta, de Gillian Flynn).




Sinopse retirada do site da Bertrand:

Uma jovem rapariga surge dos bosques após sobreviver a um rapto aterrador. Cada mórbido pormenor da sua história é verdadeiro, apesar de incrível. Dias mais tarde é descoberta outra vítima que sobreviveu a um rapto semelhante. 
As investigações conduzem a um padrão: há alguém a raptar pares de pessoas que depois são encarcerados e confrontados com uma escolha terrível: matar para sobreviver, ou ser morto. 
À medida que mais situações vão surgindo, a detetive encarregada deste caso, Helen Grace, percebe que a chave para capturar este monstro imparável está nos sobreviventes. Mas a não ser que descubra rapidamente o assassino, mais inocentes irão morrer…
Um jogo perigoso e mortal num romance de estreia arrebatador e de arrasar os nervos, que lembra filmes como Saw — Enigma Mortal e A Conspiração da Aranha.

_________________________________________________________________________




O outro livro que foi parar à minha estante tinha apenas 20% , mas acabou por ser uma compra fantástica, porque, por vezes, pensamos que 20% não é muito, mas compensa! É um romance que foi reeditado no mês passado, pois foi adaptado ao cinema. Estou a falar de Viver Depois de Ti, de Jojo Moyes.
Vi o trailer da adaptação cinematográfica mal ele foi lançado e disse logo que queria ler o livro antes de o filme chegar a Portugal. Já agora, estará disponível nas salas de cinema portuguesas a partir do dia 11 de agosto!


Sinopse retirada do site da Bertrand:

Louisa Clark é uma jovem com uma vida banal - um namorado estável, trabalhador e uma família unida - que nunca saiu da aldeia onde sempre viveu. Quando fica desempregada, vê-se obrigada a aceitar um emprego em casa de Will Traynor, que vive preso a uma cadeira de rodas, depois de um acidente. Ele sempre tinha vivido de um modo trepidante - grandes negócios, desportos radicais, viajante incansável - agora tudo isso ficou para trás. 

Will é mordaz, temperamental e autoritário, mas Lou recusa tratá-lo com complacência e em breve a felicidade e o bem-estar dele tornam-se muito mais importantes do que ela esperaria. No entanto, quando Lou descobre que Will tem planos inconfessáveis para a sua vida, ela luta para lhe mostrar que ainda assim vale a pena viver. 

Em Viver depois de ti, Jojo Moyes aborda um tema difícil e controverso, com sensibilidade, obrigando-nos a refletir sobre o direito à liberdade de escolha e as suas consequências.


_________________________________________________________________________

Se quiserem aproveitar estes descontos fabulosos, têm até 14 de agosto para visitarem o hipermercado Continente!

Para aqueles que ficaram interessados no filme baseado no romance de Jojo Moyes, aqui está o trailer oficial com legendas em português (Portugal):







Opinião: O Império Final (#1), de Brandon Sanderson

26.07.16, Daniela S.


O Império Final, de Brandon Sanderson, é o primeiro livro de uma coleção de Fantasia, Saga Mistborn-Nascida nas Brumas, composta por 6 livros, até ao momento. Ainda não se sabe quando chegará o sétimo e último volume, mas o sexto capítulo da saga foi publicado em janeiro de 2016 e foi muito bem recebido pelos fãs do autor. É importante realçar que esta saga está dividida em duas partes, uma vez que a ação dos quatro últimos livros da coleção é posterior à história contada nos primeiros três volumes, que já foram editados em Portugal.


O primeiro volume narra uma revolução liderada por um Alomante (pessoa capaz de obter capacidades mágicas a partir de metais) carismático, Kelsier, que sofreu nas mãos do Senhor Soberano, um "Deus" que governa todo o Império Final. Para destronar o Senhor Soberano, Kelsier faz planos arrojados em conjunto com o seu bando, composto por homens que são capazes de usar metais específicos, ao contrário de Kelsier, que pode usar qualquer metal. É no início da elaboração da revolução que Kelsier conhece uma Alomante, Vin, uma skaa (os skaa são o povo escravizado do Império Final) orfã que consegue usar metais por ser mestiça, isto é, não só é skaa, como também é filha de um nobre importante. Os skaa não podem ser Alomantes, a não ser que tenham sangue nobre. Vin acaba por se juntar ao grupo, pois Kelsier promete-lhe que irá ensinar-lhe tudo sobre o uso dos metais, pois todos têm poderes diferentes, enquanto ela desempenha um papel fundamental na revolução: a jovem deverá fingir ser uma nobre, a menina Valette Renoux, de modo a desencadear desavenças entre as grandes famílias da nobreza, para enfraquecer o sistema político do Império. No entanto, há dificuldades pelo caminho e o bando passará por momentos bastante negros, mas mantém-se sempre o desejo de melhorar o Império Final. Portanto, será que eles vão conseguir concretizar o sonho de ver um Império governado por pessoas justas, ou será impossível derrubar o Senhor Soberano?

Kredik Shaw from Brandon Sanderson's Mistborn...:
Fanart: Kredik Shaw, o palácio do Senhor Soberano



Como podem constatar, estamos perante um enredo bastante interessante, apesar de não ser algo novo na Literatura Fantástica. Ainda assim, destaca-se por ser simples e por mudar certos aspetos tradicionais da Fantasia, como a magia. Normalmente, associamos a magia a varinhas ou aos gestos que as personagens fazem com as mãos, mas, neste livro, a magia só é possível pela ingestão de metais. Cada metal tem um poder único; por exemplo, o latão permite acalmar as pessoas, o ferro permite, através de linhas azuis, encontrar fontes de metal próximas, entre outros poderes incríveis. Deste modo, a ação, apesar de não ser totalmente original, acaba por captar a atenção do leitor graças aos detalhes criados pelo autor, que inovam, de certa forma, o mundo da Fantasia. Também tal como muitas obras da Literatura Fantástica, a primeira parte do livro desenvolve-se de forma lenta e com algum detalhe, mas é normal, pois o leitor está perante um mundo completamente novo. A segunda parte acaba por ter mais ação devido a alguns contratempos (e alguns de extrema importância) que o bando sofre, mas o final foi o melhor de toda a obra, pois as reviravoltas foram mesmo surpreendentes.

São as personagens que conferem complexidade ao enredo, pois são todas completamente diferentes. Temos, por um lado, Kelsier, que é fascinante, rebelde e ambicioso, e , por outro, temos Vin, uma jovem fraca, mas que, ao ser devidamente preparada, torna-se numa grande espia e numa Alomante muito talentosa. Kelsier é, sem dúvida alguma, uma das personagens mais cativantes da obra, mas não teve a atenção que merecia, na minha opinião. Temos pequenos vislumbres sobre o seu passado e entendemos as razões da sua vingança e dos seus desejos em levar a cabo uma revolução; contudo, apenas sabemos que é hábil na arte da Alomância. O contrário aconteceu com Vin, que foi a personagem que mais desenvolveu, principalmente a nível psicológico. O leitor sente imediatamente empatia por ela, nomeadamente nos seus momentos de fraqueza. No entanto, penso que houve algumas discrepâncias na formação da personalidade dela, o que é algo diferente se falarmos em desenvolvimento como personagem. Por exemplo, antes de conhecer o bando, Vin era muito cuidadosa e séria, mas, durante a preparação da revolução, havia momentos em que ela era demasiado ingénua. Ainda assim, Sanderson criou um elenco variado, apesar de ter sido pouco explorado, tendo como exceção as duas personagens anteriormente referidas.

Mistborn, digital illustration. Based on “The Final Empire” from the Mistborn trilogy by Brandon Sanderson.:
Fanart: Vin e Kelsier com os seus mantos de Alomantes.


Ainda assim, gostaria de falar de outras duas personagens que captaram a minha atenção, embora também não tenham sido muito desenvolvidas: Elend e Sazed. Embora a ação central seja a preparação da revolução e o culminar da mesma, também há uma ação secundária que poderá cativar os corações mais moles, ou seja, uma "possível" relação amorosa. Falo, então, de uma relação engraçada e, de certa forma, adorável entre Vin e Elend. Elend pertence a uma das Grandes Casas da nobreza, mas, ao contrário dos outros nobres, que não querem saber da pobreza e do sofrimento dos skaas e só querem dançar e vestir as melhores roupas, Elend é um rebelde idealista. Sonha num Império harmonioso onde pode reinar a justiça e a igualdade de direitos. Por isso, fica fascinado e muda um pouco a sua maneira de ser ao conhecer Vin, apesar de conhecer inicialmente a versão aristocrática dela. Deixa de ser apenas um idealista e passa a ser um jovem corajoso, a ponto de arriscar a sua vida por Vin e por uma vida melhor para os skaa.
Sazed prendeu-me por ser muito culto, sereno e bondoso, sem nunca perder a paciência com Kelsier e com Vin, que têm personalidades tempestuosas. Acaba por ser crucial para o desenrolar da ação e nunca perde a esperança nos planos de Kelsier.

Alex Allen: Character concept for Sazed from the Mistborn series:
Fanart: Sazed


O ponto forte deste livro é a escrita simples de Brandon Sanderson. Muitos leitores têm receio em ler Fantasia por causa da escrita complexa e detalhada, que se verifica, muitas vezes, em obras  como as de Tolkien e as de George R.R. Martin. Todavia, n' O Império Final, a escrita não tem grandes floreados e o autor consegue ser muito concreto. O uso da alomância pode ser, por vezes, confuso, mas faz despoletar ansiedade e curiosidade no leitor.


Concluindo, recomendo O Império Final a leitores principiantes no vasto mundo da Literatura Fantástica. A escrita é acessível, o enredo é envolvente e, embora não seja completamente inovador, apresenta elementos originais. Talvez o problema maior seja o desenrolar lento da ação, mas as personagens não deixam o leitor cair no aborrecimento. Vale a pena ler este livro e espero ler o segundo volume, O Poço das Ascensão, em breve.


Classificação: 8/10 estrelas




Vamos falar de encomendas literárias, meu querido Watson!

20.07.16, Daniela S.
Começo por pedir desculpas pela minha ausência no blogue. Tenho andado um bocado aborrecida e isso tem afetado as minhas leituras (ainda não terminei as duas últimas leituras de junho) e a minha criatividade em relação às publicações no meu blogue. No entanto, já me sinto melhor, o que significa que virão novos posts em breve. Por exemplo, hoje vou falar sobre uns livros que chegaram à minha casa na passada segunda-feira, dia 18.



No dia 7 de julho, perguntei ao meu pai se ele iria tratar, em breve, das minhas prendas por ter tido boas notas. Como insisti imenso (quando se fala em livros, eu sou uma pessoa muito séria), o meu pai acabou por encomendar as obras que eu queria. Também acabei por comprar outros com o meu próprio dinheiro, pois seria melhor aproveitar o facto de haver a possibilidade de chegarem todos ao mesmo tempo ou, pelo menos, com uma pequena diferença temporal entre eles. Assim sendo, no total, foram encomendados 5 livros, já que três deles são edições bastante baratas (cada um custou 3, 4 euros). 

Passados 11 dias, os três livros baratos chegaram a casa. A manhã do dia 18 foi engraçada, porque o meu pai acordou-me e ele e a minha irmã mostraram-me os três pacotes. Saí logo da minha cama!





Agora, é o momento da revelação: Os três livros foram todos escritos por Sir Arthur Conan Doyle. Sim, o famoso criador de uma das personagens mais conhecidas no mundo literário, Sherlock Holmes. E sim, os livros encomendados estão relacionados com ele.

Os livros que serão apresentados, para além de terem custado pouco, têm boa qualidade e há dois livros num só, como irão ver nas seguintes imagens:




No caso deste livro, temos os dois primeiros romances relacionadas com Sherlock Holmes, num só livro. Um Estudo em Vermelho (há edições portuguesas que traduziram o título literalmente, Um Estudo em Escarlate) foi publicado, pela primeira vez, em 1887. O Signo dos Quatro foi publicado em 1890.


_________________________________________________________________________





Aqui, temos os últimos romances sobre Sherlock Holmes. Contudo, há ainda 56 contos sobre as aventuras desta personagem tão peculiar. O Cão dos Baskervilles foi publicado em 1902, mas O Vale Terror só foi publicado em 1915. Neste grande intervalo, foram editados os contos anteriormente referidos.



_________________________________________________________________________






Por fim, neste livro, encontram-se As Aventuras de Sherlock Holmes, que foi publicado em 1892, e As Memórias de Sherlock Holmes, que foi editado dois anos mais tarde. Neste único volume, há 23 contos.

_________________________________________________________________________

Para saberem mais sobre cada romance, ou sobre cada conjunto de contos, poderão aceder às sinopses das edições portuguesas, clicando nos títulos mencionados ao longo da publicação.

Fiquei muito contente por receber estes livros (em ótimas condições) e mal posso espera por ter os outros dois livros encomendados!






Book Haul de junho

02.07.16, Daniela S.
Comecemos com um pequeno aparte: Book haul é um termo muito usado nas redes sociais quando os leitores falam sobre as suas aquisições literárias. Os bloggers e os booktubers (pessoas que usam o Youtube como forma de transmitir a sua opinião sobre um determinado livro) normalmente usam este termo nas suas publicações mensais.

Explicado o termo, passemos aos novos habitantes da minha humilde estante. Em junho, tive 5 livros, sendo que dois foram comprados por mim, dois oferecidos pela minha mãe e um dado pelo Book Depository, pois o exemplar que eu recebi tinha estragos.


  1. A Court of Mist and Fury, de Sarah J. Maas: Como já tinha referido antes, enviei um email aos funcionários do Book Depository, pois recebi um exemplar estragado. Recebi rapidamente uma resposta, onde me disseram que iriam enviar-me uma nova cópia. Recebi-a no início do mês de junho e fiquei muito contente com a eficácia da livraria online. Irei dar o outro exemplar a uma amiga minha. Este livro é a sequela de A Court of Thorns and Roses, que foi lido em janeiro. Podem ler a opinião aqui.
  2. A Vidente e O Homem da Areia, de Lars Kepler: São o terceiro e o quarto volume da coleção Joona Linna e, como ambos tinham 40% de desconto, pedi à minha mãe para os comprar. Mais uma vez, obrigada, mãe!
  3. A vida no campo e Arquipélago, de Joel Neto: Fiquei interessada por este autor quando li notícias sobre o sucesso estrondoso do romance Arquipélago. No entanto, tinha outros livros para ler, a universidade, entretanto, tinha começado e decidi que iria comprar o romance noutra altura. No início das minhas férias de verão, soube da vinda do autor a São Miguel para o lançamento de A vida no campo. Aí, o interesse voltou e comprei os dois mais recentes livros do escritor.




Como podem ver, foi um mês fantástico para encher a estante! Já não posso dizer o mesmo em relação às leituras, que foram escassas... Mas falarei sobre isso em breve!




Lançamento de A vida no campo, de Joel Neto

01.07.16, Daniela S.
Na passada quarta-feira, dia 29 de junho, uma amiga e eu fomos ao lançamento do mais recente livro de Joel Neto, escritor e cronista açoriano, natural da Terceira. A sessão teve lugar na livraria SolMar e contou com a presença do professor da Universidade dos Açores e crítico literário, Vamberto Freitas, que também é terceirense. 


Joel Neto recebeu uma garrafa de laranjada, logo no início do evento!


O evento começou com a apresentação do professor Vamberto Freitas, que falou sobre o crescimento da literatura açoriana, que tem vindo a ser muito reconhecida em todo o país nos últimos tempos. É importante dar a conhecer os autores que tanto amam as suas pequenas terras e que mostram esse carinho através da escrita, realçando os costumes, os valores e o ambiente das ilhas. Em relação às duas últimas obras de Joel Neto (Arquipélago e A vida no campo), o professor caracteriza-as como sendo uma fusão de originalidade com familiaridade, na medida em que (principalmente) os açorianos irão ver o seu reflexo nos livros do cronista.

Após uma apresentação calorosa, Joel Neto procedeu à leitura de excertos de A vida no campo, que é como um diário pessoal do escritor. O convidado escolheu passagens que continham breves alusões a São Miguel.




Antes da sessão de autógrafos, o autor leu alguns excertos de A vida no campo.





Terminadas as leituras, houve a sessão de autógrafos, onde os leitores puderam falar um pouco com o autor. Quando chegou a minha vez, disse-lhe que tinha adorado a sessão e que tem sido uma ótima experiência ler A vida no campo, até porque tinha lido apenas 90 páginas até ao evento. Falamos, ainda, sobre as origens dos Arrifes, pois o autor revelou que uma das suas avós era natural desta grande freguesia micaelense. 








Concluindo, gostei muito de conhecer e de falar com Joel Neto, cujos livros têm sido um grande sucesso de vendas em todo o país. Este evento veio, ainda, reforçar a minha curiosidade em relação à literatura açoriana, uma vez que, até agora, só li um ou dois livros escritos por açorianos.

É sempre com muito gosto que assisto a este tipo de eventos literários e espero conhecer mais autores portugueses em breve!