Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Biblioteca da Daniela

A Biblioteca da Daniela

Wishlist: Novembro de 2021 (Livros em inglês)

26.11.21, Daniela S.

Surpreendentemente, esta lista de novembro não conta com muitos lançamentos em inglês. Apenas quatro livros despertaram o meu interesse. São poucos, mas bons!

 

Em primeiro lugar, temos Skin of the Sea, de Natasha Bowen. Esta é a história de um grande amor, um amor que irá ameaçar mundos e enfurecer Deuses. Esta é uma história que mudará a História.

Simidele é uma das Mami Wata, sereias que têm o dever de apanhar as almas daqueles que morreram no mar e abençoar as suas viagens de volta a casa, ao Supremo Criador.

No entanto, quando um rapaz vivo é atirado de um barco de escravos, Simi salva a sua vida, indo contra um decreto antigo e trazendo um terrível perigo para as Mami Wata.

Agora, Simi deve fazer uma viagem até ao Supremo Criador para fazer as pazes, uma viagem de deuses vingativos, terras traiçoeiras e criaturas lendárias. Se ela falhar, ela arrisca não apenas o destino de Mami Wata, mas também do mundo tal como ela o conhece.

 

O livro foi lançado a 2 de novembro pela Random House Books for Young Readers.

 

Skin of the SeaBertrand;
Wook;
Blackwell's;
Book Depository.

 

A seguir, temos um romance YA contemporâneo com uma dose de magia. Em You've Reached Sam, de Dustin Thao, Julie, uma rapariga de 17 anos, tinha todo o seu futuro planeado. Ela iria sair da sua pequena cidade com o seu namorado Sam, ir para a universidade e passar o verão no Japão. Mas Sam morre e tudo muda. Desesperada para ouvir a voz dele mais uma vez, Julie liga para o telemóvel dele para ouvir apenas o seu voicemail. E Sam atende. O que farias se tivesses uma segunda oportunidade para dizeres adeus? 

 

Foi publicado pela Wednesday Books a 9 de novembro.

 

You've Reached SamBertrand;
Wook;
Blackwell's;
Book Depository.

 

A próxima novidade é A Snake Falls to Earth, de Darcie Little Badger. A protagonista, Nina, é uma rapariga Lipan no nosso mundo. Ela sempre sentiu que havia algo mais por aí. Ela ainda acredita nas velhas histórias.

Oli é uma criança cottonmouth, da terra dos espíritos e monstros. Como todos os cottonmouths, ele foi expulso de casa. Ele encontrou uma nova casa nas margens do lago sem fundo.

Nina e Oli não sabem que o outro existe, mas um evento catastrófico na Terra e uma doença estranha que o melhor amigo de Oli apanhou irá juntar os seus mundos. Contudo, alguns estão dispostos a matar para manter os dois separados.

 

Levine Querido lançou este livro a 9 de novembro.

 

A Snake Falls to EarthBertrand;
Wook;
Blackwell's;
Book Depository.

 

Por fim, temos The Art of Running Away, de Sabrina Kleckner. Neste infantojuvenil, Maisie tem doze anos e é uma artista. Quando ela está à frente do seu caderno ou a apreciar Glenna's Portraits, a loja de arte da família fundada pela avó, o mundo faz sentido. Ela não pensa em Calum, o seu irmão que misteriosamente deixou a casa e cortou relações com a família há seis anos, nem na insistência dos seus pais em "abrir os seus horizontes" e tentar algo novo, algo que não seja arte.

Mas quando Glenna's Portraits passa por tempos difíceis, os planos de Maisie para ficar com a loja quando for mais velha e tornar-se numa artista começam a desmoronar. Desesperada, Maisie foge para Londres para reencontar o irmão adulto e espera que ele seja a chave para salvar a loja. No entanto, à medida que Maisie descobre o passado da família com Calum, ela começa a repensar sobre tudo o que ela sempre soube. Maisie deve decidir não só se vale a pena salvar a loja da família, como também se ela consegue perdoar os pais pelos erros que cometeram.

 

Foi publicado pela Jolly Fish Press a 16 de novembro.

 

Art of Running AwayBlackwell's;
Book Depository.

 

 

 

O que acham destas novidades dos EUA?

 

 

 

Wishlist: Novembro de 2021 (Portugal) - Parte 2

25.11.21, Daniela S.

Aqui estão os mais recentes lançamentos de novembro do mercado editorial português que estão na minha wishlist!

 

Primeiro, temos o terceiro volume de uma coleção infantojuvenil portuguesa. Estou a falar de Matilde e As Horas Roubadas, de Patrícia Furtado. "Desta vez a Matilde quase se perde no tempo, mas graças à amizade e à sua coragem, consegue salvar-se!

Não é que a Matilde não consiga afastar-se dos sarilhos. Os sarilhos é que a encontram, a pequena bruxa não tem propriamente culpa. A verdade é que há muitos mistérios em Torres Altas, mistérios e segredos que ninguém parece querer desvendar. E Matilde não aceita meias explicações, ela quer ir até ao fundo de todas as questões. Porque é que de repente todos começam a chegar atrasados a todo o lado? E porque é que os relógios estão a andar mais depressa? O tempo está a encurtar? Mas para onde vai? E por que razão algumas pessoas foram esquecidas para sempre? Tantas perguntas, tantas possibilidades. E é por isso que a Matilde não pode descansar até descobrir tudo."

 

Foi publicado a 16 de novembro pela Nuvem de Letras.

 

Bertrand.pt - Matilde e as Horas RoubadasBertrand;
Wook.

 

A seguir, apresento-vos o primeiro livro de Rick Riordan que não tem nada a ver com mitologias, sendo, aliás, um reconto d'As Vinte Mil Léguas Submarinas, de Jules Verne. Em A Filha das Profundezas, "Ana Dakkar é aluna na Academia Harding-Pencroft, uma escola secundária que forma os melhores cientistas marinhos, guerreiros navais, navegadores e exploradores subaquáticos do mundo. Gerações de Dakkars frequentaram a Harding-Pencroft e Ana espera estar à altura do desafio. Todos os receios se dissipam quando, durante uma visita de estudo, os alunos assistem a uma tragédia que mudará para sempre as suas vidas. Ao que parece, a Harding-Pencroft e a sua escola rival, o Land Institute, travam uma guerra fria há cento e cinquenta anos - e, com esta tragédia, a guerra acabou de aquecer.

Perseguida pelos inimigos, Ana descobre que os laços da sua família com Harding-Pencroft vão mais longe do que jamais imaginou - recuam até ao seu antepassado não tão fictício, o lendário Capitão Nemo.
O Land Institute não vai desistir enquanto não puser as mãos nos segredos do génio tecnológico de Nemo. Ana e os colegas de turma terão de lutar sozinhos contra os inimigos mortais. E com eles aparentemente sempre um passo à frente, poderá Ana confiar em mais alguém além de si mesma...?"

 

Foi também lançado a 16 de novembro pela Nuvem de Letras.

 

Bertrand.pt - A Filha das ProfundezasBertrand;
Wook.

 

A próxima novidade é um livro de não-ficção de Michaela Coel, criadora e protagonista da série premiada I May Destroy You. "Um inadaptado é alguém que encara a vida de um modo diferente. Mas há muitas pessoas que se tornam inadaptadas porque a vida olha para elas de forma diferente.


Michaela Coel, criadora e protagonista de Chewing Gum e de I May Destroy You, a melhor série de 2020, traz-nos um testemunho apaixonante sobre o poder de quem está à margem, o poder de dizer «não» e o poder de não nos adaptarmos. A Palestra MacTaggart de Michaela Coel sensibilizou muitas pessoas graças às suas revelações acerca de questões de raça, classe e género. Mas a pessoa mais afetada foi a própria Michaela, a quem a experiência e as reflexões desse dia transformaram enquanto pessoa e enquanto criadora.

Inadaptados expande essa palestra, submergindo os leitores na sua visão através de alegorias poderosas e episódios pessoais impactantes - desde a infância passada no East End, à sua descoberta do teatro e à paixão por contar histórias. Com humor e discernimento inspiradores, Michaela fala-nos de como lidou com o trauma e com as metamorfoses da vida e de como se tornou uma ativista pela transparência total e pela inclusão. Quando lemos a sua história, somos convidados a refletir sobre a nossa. Aceitarmos aquilo em que somos diferentes, diz-nos, tem um poder transformador nas nossas vidas.

Michaela Coel usa o percurso criativo como um emblema da necessidade de nos tratarmos com cuidado, respeito e, sempre, transparência. Inadaptados é um apelo à honestidade, à empatia e à inclusão. Este livro foi escrito para todos os que já se perguntaram se pertenciam e para qualquer pessoa que se preocupa com «encaixar»."

 

A Bertrand Editora publicou este livro a 18 de novembro.

 

Bertrand.pt - InadaptadosBertrand;
Wook.

 

De seguida, temos Os Gestos, de Djaimilia Pereira de Almeida. "Os Gestos reúne notas de regresso a casa sob a forma de migalhas deixadas no caminho.
Anotações biográficas, ficções curtas, ensaios mínimos, fixações, sinais, lembretes, bilhetes, notas de leitura, acenos: memorabilia das mãos que nos dão a mão quando caímos."

 

A Relógio d'Água lançou este livro a 18 de novembro.

 

Bertrand.pt - Os GestosBertrand;
Wook.

 

O próximo título é, na realidade, a leitura em dezembro do Read with Daniela, o meu clube literário! Em Princesa em Teoria, de Alyssa Cole, "entre a pós-graduação e os seus vários empregos, Naledi Smith não tem tempo para contos de fadas… ou paciência para os e-mails que anda a receber que dizem que ela é a noiva prometida de um príncipe africano. Tendo sido adotada em pequena, cedo aprendeu que as únicas coisas com que podia contar eram ela própria e a ciência, e uns e-mails disparatados não irão convencê-la do contrário.

O Príncipe Thabiso é o único herdeiro do reino de Thesolo, pelo que o seu casamento está no topo da lista de prioridades dos pais e do seu povo. Sempre obediente e cumpridor, Thabiso consegue localizar em Nova Iorque a sua noiva desaparecida há anos, e está determinado a levá-la de volta para Thesolo. Ao abordá-la, porém, Naledi confunde-o com um simples empregado, e Thabiso não resiste à oportunidade de experimentar a vida, e o amor, sem o peso da sua coroa. A química entre ambos é instantânea e irresistível, e uma amizade com um pequeno flirt à mistura depressa evolui para noites apaixonadas. Mas, quando a verdade é revelada, poderá uma princesa em teoria tornar-se uma princesa real e viver feliz para sempre?"

 

Foi publicado pela Topseller a 22 de novembro.

 

Bertrand.pt - Princesa em TeoriaBertrand;
Wook.

 

A 23 de novembro, foi publicado Histórias de Adormecer para Raparigas Rebeldes - 100 Mulheres Negras que Mudaram o Mundo, editado por Lilly Workneh. "Neste novo volume da coleção Raparigas Rebeldes, lêem-se histórias de cem mulheres negras incríveis que tentaram tornar o mundo melhor para si e para as pessoas à sua volta.

Escrito e ilustrado inteiramente por mulheres ou pessoas não binárias negras, este volume inclui nomes atuais, como a poeta Amanda Gorman, mas também figuras históricas, como a jornalista Ida B. Wells ou a cantora Aretha Franklin.

Com prefácio de CaShawn Thompson, criadora do movimento #blackgirlmagic."

 

Nuvem de Tinta é a editora.

 

Bertrand.pt - Histórias de Adormecer para Raparigas RebeldesBertrand;
Wook.

 

Por fim, temos Castas - As Origens do Nosso Descontentamento. "Isabel Wilkerson, jornalista vencedora de Pulitzer, redefine a compreensão das estruturas sociais em que nos inserimos, preferindo o uso do termo castismo ao habitual racismo.
Nesta obra, a autora associa aqueles que considera os três principais sistemas de castas, o do Estados Unidos, o da Índia e o da Alemanha nazi, às respetivas influências culturais, políticas e legais, remontando a pesquisa ao tráfico negreiro e até à diáspora lusitana, da qual, à chegada à Índia, resultou o aparecimento da palavra portuguesa casta, para raça, linhagem.
Com uma impressionante lista de referências a notícias, estudos, documentos, declarações, decisões administrativas e judiciais de vários países e épocas, Wilkerson estabelece um perturbador elo entre os castismos mundiais através de oito pilares estritamente delimitados.

A colonização dos Estados Unidos pelos povos europeus e o que dela resultou para os protocolos de casta e para os contornos políticos atuais em todo o mundo, é revista pela autora num intenso e perturbador desfile de histórias individualizadas de escravatura e insensibilidade, apresentadas com vívido e estonteante detalhe.
Ninguém, onde quer que viva ou que cor tenha na pele, pode dar-se ao luxo de desconhecer uma história do mundo contada assim."

 

Será publicado hoje, 25 de novembro, pela Cultura Editora.

 

Bertrand.pt - CastasBertrand;
Wook.

 

 

Se ainda não leram a primeira parte da Wishlist de novembro de 2021 (Portugal), cliquem aqui.

 

O que acham destas novidades?

 

 

 

Clube Literário Read with Daniela: Leituras de dezembro

10.11.21, Daniela S.

Decidi divulgar mais cedo as leituras de dezembro, uma vez que os correios vão estar caóticos nos próximos tempos por causa do Natal. Assim, têm mais uns dias para ver se as coisas correm bem se tiverem de encomendar estes livros. Além disso, o Natal está quase aí, portanto, achei que seria uma ótima ideia anunciar as escolhas um pouco mais cedo!

 

A leitura em português é uma grande novidade em Portugal. Pela primeira vez, temos um livro desta autora muito conhecida e aclamada nos EUA e noutros países. É um romance contemporâneo Adulto e será lançado a 22 de novembro pela Topseller, chancela da 20|20 Editora. Estou a falar de Princesa em Teoria, de Alyssa Cole.

Sinopse: Entre a pós-graduação e os seus vários empregos, Naledi Smith não tem tempo para contos de fadas… ou paciência para os e-mails que anda a receber que dizem que ela é a noiva prometida de um príncipe africano. Tendo sido adotada em pequena, cedo aprendeu que as únicas coisas com que podia contar eram ela própria e a ciência, e uns e-mails disparatados não irão convencê-la do contrário.

O Príncipe Thabiso é o único herdeiro do reino de Thesolo, pelo que o seu casamento está no topo da lista de prioridades dos pais e do seu povo. Sempre obediente e cumpridor, Thabiso consegue localizar em Nova Iorque a sua noiva desaparecida há anos, e está determinado a levá-la de volta para Thesolo. Ao abordá-la, porém, Naledi confunde-o com um simples empregado, e Thabiso não resiste à oportunidade de experimentar a vida, e o amor, sem o peso da sua coroa. A química entre ambos é instantânea e irresistível, e uma amizade com um pequeno flirt à mistura depressa evolui para noites apaixonadas. Mas, quando a verdade é revelada, poderá uma princesa em teoria tornar-se uma princesa real e viver feliz para sempre?

 

Gatillhos/Trigger Warnings/Avisos de conteúdo: Abandono; morte de um animal (menção breve); tentativa de homícidio; acidente de carro (passado); doença (mencionada); morte de um parente (passado); cenas sexuais.

 

 

Bertrand.pt - Princesa em TeoriaBertrand;
Wook;
20|20 Editora;
Almedina;
RELI.

 

 

E a leitura em inglês de dezembro é...um infantojuvenil da coleção Rick Riordan Presents! Em The Last Fallen Star, de Graci Kim, "seguimos uma rapariga coreano-americana adotada que descobre a sua herança e a sua magia numa viagem perigosa para salvar a sua família, que é um clã de bruxas.

Riley Oh não pode esperar ver a irmã ser iniciada no Clã Gom, uma linhagem poderosa de bruxas curadoras coreanas à qual a sua família pertence há gerações. A sua irmã, Hattie, irá obter a sua pulseira Gi e, finalmente, ser capaz de fazer feitiços sem supervisão adulta. Apesar de Riley estar desesperada em seguir os passos da irmã quando fizer 13 anos, ela é uma saram, uma pessoa sem magia. Riley foi adotada e, embora tenha decorado todos os feitiços de cura, ela muitas vezes sente-se como uma estranha na família e na comunidade prendada.

Depois, a Hattie tem uma ideia: e se as duas fizessem um feitiço que possibilitasse a partilha da magia de Hattie com Riley? A investigação delas revela um encantamento promissor no livro de feitiços antigos da família e as irmãs decidem realizá-lo na cerimónia de iniciação de Hattie. No entanto, quando elas tentam quebrar as leis do Godrealm, a vida de Hattie corre perigo e, para salvá-la, Riley deve concretizar uma tarefa impossível: encontrar a última estrela caída. Mas o que é essa estrela e como deve ela encontrá-la? Durante a viagem na procura da estrela, Riley encontra criaturas fantásticas e colabora com os seus piores inimigos. Quando ela descobre segredos que desafiam tudo o que ela aprendeu a acreditar, Riley deve decidir o que significa ser bruxa, o que significa ser uma família e o que realmente significa pertencer."

 

Não encontrei listas de gatilhos relativamente a este livro.

 

 

The Last Fallen StarBertrand;
Wook;
Blackwell's;
Book Depository.

 

 

 

As opções que deixo nas legendas das imagens são apenas isso mesmo: opções. Podem ler os livros noutro formato ou adquiri-los através de outros sítios.

 

O que acham destas escolhas? Irão ler um deles ou os dois?

 

 

 

Wishlist: Novembro de 2021 (Portugal) - Parte 1

08.11.21, Daniela S.

Parece que a indústria editorial portuguesa anda a abastecer-se bem de novidades para todos os gostos antes do Natal! Novembro está cheio de lançamentos fascinantes! Como há muitos livros novos, haverá, daqui a uns dias, uma segunda parte desta lista.

 

Em primeiro lugar, temos O Segredo da Boticária, de Sarah Penner. "Escondida nas entranhas de Londres do século XVIII, uma botica secreta serve uma clientela pouco usual. Entre as mulheres londrinas, fala-se sobre uma mulher misteriosa chamada Nella que vende venenos bem disfarçados de remédios àquelas que precisem deles para os usar contra os homens que as maltratam. Contudo, o destino desta boticária fica comprometido quando a sua nova protegida, uma rapariga precoce de 12 anos, comete um erro fatal que terá consequências cujo eco se manterá durante séculos.

Na atualidade, uma aspirante a historiadora chamada Caroline Parcewell passa o seu décimo aniversário de casamento sozinha, enfrentando os seus próprios demónios. Então, encontrará uma pista para resolver os assassinatos misteriosos que fizeram Londres tremer há mais de duzentos anos. A sua vida misturar-se-á com a da boticária numa reviravolta surpreendente do destino. E nem todos sobreviverão.

O Segredo da Boticária é uma estreia subversiva e viciante, cheia de suspense, com personagens inesquecíveis e uma profundidade aguda. Cheia de segredos, vingança e de formas singulares como as duas mulheres podem salvar-se uma à outra, apesar da barreira do tempo."

 

Foi lançado pela HarperCollins a 2 de novembro.

 

Bertrand.pt - O Segredo da BoticáriaBertrand;
Wook.

 

O próximo livro é um thriller muito conhecido lá fora e que estava na lista de desejos de muitos fãs portugueses deste tipo de histórias. Em A Última Festa, de Lucy Foley, "todos são amigos. Um deles é um assassino.

Durante as férias de Natal, um grupo de amigos reúne-se para passar a passagem de ano juntos. Uma tradição que começou há dez anos, quando eram estudantes e se conheceram na universidade em Oxford. Este ano o local escolhido é uma propriedade de caça idílica e isolada, perdida nas Terras Altas Escocesas.

A viagem começa de forma perfeita: os amigos admiram a paisagem deslumbrante, bebem e relembram episódios divertidos do passado. Ainda acreditam que são os mesmos, mas para eles o tempo mudou. E cedo as tensões fazem-se sentir: o grupo já não tem mais nada em comum, além de um passado de convivência, feridas que nunca cicatrizaram e o peso dos segredos que carregam. É então que na noite da passagem de ano, o ténue fio que os mantém unidos rebenta.

No dia seguinte, um deles é encontrado morto e uma forte tempestade de neve impede que a equipa de resgate chegue. Ninguém pode entrar. Ninguém pode sair.
Nem mesmo o assassino.

Lucy Foley, autora best-seller do The New York Times traz-nos um thriller arrepiante, com um ritmo perfeito, na tradição de Agatha Christie, que mostra que as velhas amizades nem sempre são as melhores.

Não fique de fora. Junte-se à festa."

 

Também foi publicado a 2 de novembro, mas pela Editorial Planeta.

 

Bertrand.pt - A Última FestaBertrand;
Wook.

 

A seguir, temos um romance YA. Em Todo Este Tempo, de Mikki Daughtry e Rachael Lippincott, "Kyle e Kimberly sempre foram o par perfeito… até à noite do baile de finalistas. Kimberly termina tudo com Kyle, e o mundo dele desaba, literalmente. Têm um acidente de carro, Kimberly morre e Kyle, apesar de sobreviver, sofre de uma lesão cerebral. Não há mesmo ninguém que possa compreender o que é viver tudo isto.

Até ao dia em que surge Marley. Marley também está a lidar com uma perda que julga ser culpa sua. E, quando os seus caminhos se cruzam, Kyle vê em Marley tudo o que sente e não consegue dizer.

Kyle e Marley apoiam-se, tentam ultrapassar as suas perdas, e é então que o que sentem um pelo outro começa a mudar, a crescer e a ficar cada vez mais forte. Mas Kyle não consegue parar de pensar que, a qualquer momento, tudo pode desabar outra vez. E a verdade é que pode… e vai acontecer."

 

A Editorial Presença lançou este livro a 3 de novembro.

 

Bertrand.pt - Todo Este TempoBertrand;
Wook.

 

Ainda quanto a novidades para os mais jovens, temos Heartstopper: Volume 3 - Uma Viagem a Paris, de Alice Oseman. "Charlie não achava que Nick pudesse gostar dele, mas agora são oficialmente namorados! Nick até teve coragem de se assumir à sua mãe.
Mas dar este passo não é algo que se faça apenas uma vez: há o irmão mais velho de Nick, uma viagem a Paris, sem mencionar todos os amigos e familiares... e a vida pode ser difícil, mesmo com alguém que te ama ao teu lado. À medida que os seus sentimentos vão crescendo, Charlie e Nick precisarão um do outro mais do que nunca.

Este é o terceiro volume de Heartstopper, a banda desenhada premiada (Goodreads Choice Awards) de Alice Oseman."

 

A Cultura Editora publicou esta novela gráfica a 4 de novembro.

 

Bertrand.pt - Heartstopper: Volume 3Bertrand;
Wook.

 

O próximo livro a ser mencionado é uma das maiores novidades internacionais do ano. Em Mundo Belo, Onde Estás, de Sally Rooney, "Alice, uma jovem romancista, conhece Felix, que trabalha num armazém, e pede-lhe que viaje com ela para Roma, aonde vai promover o seu mais recente livro. Entretanto, em Dublin, a sua melhor amiga, Eileen, está a ultrapassar uma crise amorosa e envolve-se novamente com Simon, que conhece desde criança. Enquanto o verão se aproxima, as duas amigas trocam emails, pondo-se em dia com as suas vidas. Falam da sua amizade, das relações que mantêm, de arte, literatura e de um futuro cada vez mais incerto. Querem encontrar-se logo que possível, mas ignoram o que irá acontecer quando isso suceder.

Alice, Felix, Eileen e Simon são ainda jovens, mas aproximam-se já dos trinta anos. Juntam-se, separam-se, desejam-se e mentem uns aos outros. Fazem sexo, sofrem por amor, pelas amizades e pelo mundo em que vivem. Procuram um mundo belo, mas têm dúvidas sobre a sua existência."

 

É lançado hoje, 8 de novembro, pela Relógio d'Água.

 

Bertrand.pt - Mundo Belo, onde EstásBertrand;
Wook.

 

Há mais um livro que é publicado hoje. Em O Comprometido, de Viet Thanh Nguyen, "Vo Danh, ou Anónimo, antigo espião tornado refugiado, simpatizante comunista que sobreviveu a um campo de reeducação, filho de uma mãe vietnamita pobre e de um pai francês ausente, chega a Paris no início dos anos 80, para começar mais uma vida nova. Na Cidade das Luzes, aguarda-o o Patrão, a quem prestará serviço como passador de droga, e uma «tia» editora que lhe dará guarida, estímulo intelectual e incentivo à escrita. Carregando consigo os fantasmas da guerra e dos seus crimes, e a sua herança euro-asiática, as centenas de páginas da sua confissão procuram responder à mais importante questão do século XX: «O que fazer?». Nesta sua última descida ao Inferno, Vo Danh enceta uma busca conturbada pela sua identidade, enquanto tenta integrar-se à força numa cultura ocidental dominante que o perturba e seduz.

O Comprometido é um thriller literário brilhante e existencialista que retrata com virulência a opressão e a alteridade, o compromisso e a traição, tendo como pano de fundo a Guerra do Vietname e as consequências nefastas das ideologias."

 

É publicado pela Elsinore, do grupo 20|20 Editora.

 

Bertrand.pt - O ComprometidoBertrand;
Wook.

 

Por fim, temos Os Profetas, de Robert Jones Jr. É "um fulgurante e subversivo romance sobre a relação proibida entre dois homens - escravos numa plantação no sul profundo dos EUA -, o alento que encontram nos pequenos atos de bondade humana, e a traição que ameaça a vida de ambos. Isaías pertence a Samuel e Samuel pertence a Isaías. Na plantação da família Halifax, os dois jovens dedicam-se ao trabalho mas também um ao outro, criando naquele lugar hostil um refúgio em que resiste a intimidade e a esperança. Mas quando um escravo mais velho tenta escapar à crueldade dos seus proprietários através da manipulação dos outros escravos, o crescente clima de vigilância abala a frágil harmonia da plantação. O amor de Isaías e Samuel, outrora tão simples, passa a ser encarado como uma ameaça capaz de destruir a comunidade.

Com uma escrita delicada e única, Robert Jones, Jr. invoca as vozes dos escravos, desde Isaías e Samuel a todos aqueles que carregaram a alma das plantações americanas sobre os ombros, e devolve-lhes a dignidade de amar. Pois o ser humano ama sempre. Mesmo quando sabe que esse amor está condenado.
Com a energia vital de James Baldwin e a linguagem lírica de Toni Morrison, Os Profetas é um dos livros mais aguardados do ano."

Será lançado amanhã, 9 de novembro, pela Asa, do grupo Leya.

 

Bertrand.pt - Os ProfetasBertrand;
Wook.

 

 

O que acham desta primeira parte da lista de lançamentos de novembro em território nacional?

 

 

Opinião: Within These Wicked Walls, de Lauren Blackwood

05.11.21, Daniela S.

Within These Wicked Walls by Lauren Blackwood
Bertrand;
Wook;
Book Depository.

 

Within These Wicked Walls, de Lauren Blackwood, é um romance de Fantasia inspirado na Etiópia e em Jane Eyre, o clássico de Charlotte Brontë. A sua protagonista, Andromeda, é uma debtera, uma exorcista contratada para limpar casas do Mau Olhado. Quando um jovem herdeiro bonito, Magnus Rochester, contrata-a, ela rapidamente percebe que não será um trabalho qualquer, com manifestações horríveis em cada esquina, e que Magnus está a esconder algo que vai para além dos treinos de Andromeda. A morte é o resultado mais provável se ela ficar, mas deixar Magnus a viver com a sua maldição sozinho não é uma opção. A maldade poderá andar pelos corredores do castelo, bem como um desejo ardente.

Gatilhos/Trigger Warnings do livro (segundo o website da autora): Sangue; "gore"; morte; imagens perturbadoras; horror corporal; abuso físico/emocional de uma figura paternal; aranhas; referências ao suicídio/ideação suicida.

 

Obrigada, Wednesday Books/St.Martin's Press e NetGalley, pelo eARC deste livro para, em troca, providenciar uma opinião honesta. Este livro foi lançado a 19 de outubro e eu deveria ter publicado a minha opinião um pouco antes dessa data, mas não foi possível. No entanto, finalmente, aqui está ela!

 

Tendo em conta o que a sinopse prometia, estava à espera de um romance obscuro, gótico e repleto de perigo e algo semelhante a magia, mas desiludiu-me um pouco devido ao foco extremo na relação amorosa entre Andromeda e Magnus.

O início foi bom. O livro começa logo com ação, mistério e a apresentação do universo de Fantasia criado pela autora. As explicações relativamente ao que debteras fazem e ao Mau Olhado deixaram-me fascinada e curiosa. No entanto, no momento em que é apresentado o interesse amoroso da protagonista, percebi logo que o livro iria afastar-se mais dessas partes interessantes. Infelizmente.

As Manifestações, ou seja, atos malvados e assombrosos provocados pelo Mau Olhado, foram sempre das melhores partes do livro. A escrita da autora brilhava nesses momentos, dando-nos imagens assustadoras, mas incríveis. Estava à espera de mais situações como as Manifestações, mas, sempre que aconteciam, surgiam e desapareciam rapidamente. Pareciam servir apenas para dar uma sensação mágica e gótica ao livro. Estes momentos apareciam para encher a história e não para fazer realmente parte da história. Não sei bem explicar. Só sei que é uma pena a autora ter dado mais atenção a uma relação amorosa estranha e que nasceu de forma rápida e sem grandes bases em detrimento do que a algo tão diferente e interessante como as Manifestações e o trabalho de debteras. Aliás, a apresentação e o desenvolvimento desse mundo de debteras e do Mau Olhado acabou por ficar pelo caminho. A certa altura, fiquei confusa quanto ao modo como as coisas funcionavam. Certas descrições de atos de debteras eram mesmo confusas e fiquei com a sensação de que havia mais por mostrar e desvendar quanto ao modo como surgiram os debteras e como essas pessoas trabalham, mas tudo foi pelo cano abaixo para dar espaço a Magnus, o interesse amoroso, e Jember, o mentor de Andromeda.

 

Imagem

Andromeda, a protagonista. Arte de Arthur Shahverdyan.
Fonte da imagem.

 

O estilo de escrita não me agarrou. Não me pareceu nada de especial, exceto nos momentos mais góticos, isto é, nas Manifestações do Mau Olhado. Aí, era uma escrita atmosférica e maravilhosa. Adorei as passagens sobre as paredes sangrentas que serviam como prisão e morte das vítimas do Mau Olhado. Sem dúvida alguma que é uma escrita suficientemente boa para nos entreter. Contudo, não me aqueceu, nem me arrefeceu.

As personagens foram pouco desenvolvidas, apesar de o elenco ser bastante pequeno. O "flirt" entre Andromeda e Magnus, por vezes, era engraçado, mas o livro ganhava mais se fosse um "flirt" amigável e não algo forçado e pouco encantador. Lá no fundo, a química não era assim tão boa. Mal se conheciam, o que me levou a estranhar as razões de certas ações, como a vontade dela em salvá-lo. Seria mesmo amor? Pena? E a vida dela? Tudo por um jovem rico mimado que acabou de a contratar para serviços extremamente perigosos e que a fazia sentir-se mal consigo mesma?
Não sei se gostei da figura paterna de Andromeda, Jember. Há muito trauma nela provocado por ele e pela sua violência, mas, ao mesmo tempo, ela gostava dele e mostrava isso. Sei que a autora provavelmente queria mostrar que todas as relações são complicadas e têm as suas nuances, mas... o homem era mesmo física e psicologicamente mau com ela. Ela gostava dele porque ele ensinou-a a ser debtera e, até certo ponto, ajudou-a nas fases complicadas da vida dela. Não será essa mensagem um pouco perigosa? "O teu parente pode ser mau e cruel, mas está tudo bem se ele te der umas coisas, for simpático contigo de vez em quando e tiver um passado complicado e triste". Eu até posso ter percebido mal as verdadeiras intenções da autora, mas foi esta a interpretação que criei em relação a estas duas personagens. Claro que, entretanto, foram apresentadas outras facetas de Jember que parecem servir para que o leitor sinta empatia e pena por ele, mas, sinceramente, eu pensava mais no seu lado mau. Acho que a maneira de ser dele e a sua história de vida não podem ser desculpas para a sua maldade. Podem ser explicações e razões, mas nunca deveriam ser desculpas. Embora ele tenha tido uma vida difícil, não consigo ignorar o mal que fez a Andromeda. Digo quase o mesmo quanto a Magnus, o interesse amoroso. Como mencionei anteriormente, não só o amor entre ambos acontece de forma muito rápida e sem bases, mas também é uma relação um pouco problemática. Magnus faz Andromeda sentir-se culpada de coisas das quais ela não tem culpa nenhuma. Ele é manipulador e julga-a imenso por querer manter uma relação paterna com Jember, mas não vê que ele próprio tem problemas para resolver quanto a outras relações que tem na sua vida. Parece que usa o "flirt", a maldição e o seu passado para manter Andromeda presa a ele.
Como veem, não gostei muito das personagens, a não ser de Andromeda e Saba, uma personagem fascinante e carinhosa, embora ela própria fizesse parte da maldição. Não posso dizer mais quanto a esta personagem para não dar spoilers, mas é uma pessoa simpática e altruísta apesar das circunstâncias. Andromeda e Saba são as únicas personagens que realmente são interessantes. As restantes, como Jember e Magnus, são mesquinhas e manipuladoras, havendo outras que, ao serem assim também, foram muito mal desenvolvidas. Não só aparecem pouco, como também mal vemos alguma coisa das suas personalidades, como é o caso do advogado de Magnus e a irmã dele, que ama Magnus e maltrata Andromeda porque a vê como um obstáculo para uma possível relação entre ela e um rapaz pouco interessante. Já nem me lembro dos seus nomes.

 

ImagemMagnus Rochester. Arte de Ciel Pierlot.
Fonte da imagem.

 

Concluindo, a sinopse de Within These Wicked Walls prometia uma história gótica com um romance avassalador, mas não foi o que eu esperava. Teria sido um livro mais interessante se fosse mais sobre o Mau Olhado e as suas Manifestações e não sobre a relação amorosa sem fundamento, pouco genuína e pouco saudável de Andromeda e Magnus. A escrita da autora não é das mais fabulosas, mas entretém e ganha vida e força nos momentos das Manifestações. As personagens têm pouco sumo e não gostei de como é dado a entender que certas relações são boas quando, na realidade, não são. Portanto, não é daqueles livros que irei aconselhar a toda a gente. Ainda assim, vou estar atenta ao que a autora irá publicar a seguir.

 

 

Classificação: 2/5 estrelas.

 

 

 

Young Adult: Literatura Juvenil (Portugal) vs. Literatura Young Adult (EUA) (quarto capítulo)

03.11.21, Daniela S.

Os EUA têm o Young Adult para se referirem aos livros para adolescentes. Em Portugal, o conceito é outro e tem objetivos diferentes. Fala-se, então, de Literatura Juvenil.

A Literatura Juvenil em Portugal desenvolveu-se após a Revolução dos Cravos, adaptando-se ao que já acontecia na restante Europa desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Os escritores portugueses, tal como escritores de vários países europeus, passaram a escrever sobre o multiculturalismo e o respeito para lutar contra o preconceito e o ódio que causaram a Segunda Guerra Mundial. No entanto, ainda nos anos 70, acreditava-se que, para os jovens, bastava a leitura dos clássicos, como Alexandre Herculano e Fernão Lopes, até porque as suas obras continham não só aventuras, mas também lições históricas.

Nos anos 80, a literatura juvenil ganhou forças e começaram a surgir, principalmente, narrativas realistas, as que não continham qualquer tipo de elementos sobrenaturais ou mágicos. Escritores exemplares deste tipo de narrativas são Alice Vieira, que, em 1979, publicou Rosa, minha irmã Rosa, um grande sucesso de vendas, e António Mota. Associada a estas histórias focadas num cenário realista, há a "formula fiction". Esta expressão “abrange as narrativas que seguem um padrão repetitivo, ditado por uma moda, como por exemplo os relatos de aventuras, mistérios ou namoros, entre os quais as aventuras são a forma mais popular” (Blockeel, 2006: 148-149). Os jovens adoram “formula fiction” por se sentirem seguros ao lerem estes livros. Não há surpresas, não há desapontamentos. Sabem que a história segue um determinado padrão e é previsível, na medida em que já sabem que estão a ler algo do seu agrado. Contudo, há o problema de o leitor não ser “forçado” a usar o seu pensamento crítico e tirar conclusões críticas e morais a partir de histórias que parecem semelhantes de livro para livro. Uma das coleções portuguesas que ilustra isso é a da dupla Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada, Uma Aventura. Os leitores, em todos os livros, esperam seguir as aventuras de um grupo de amigos que adora desvendar mistérios e experiencia os típicos obstáculos da adolescência. Esta coleção é muito recomendada aos mais jovens também por conter várias informações históricas e dados sobre Portugal. São livros escritos por professoras de Língua Portuguesa e de História e, quando os pais sabem disso, não hesitam em comprar estes livros para os filhos.

 

Uma Aventura (TV Series 2000–2007) - IMDbAté os canais televisivos nacionais costumavam estar atentos aos sucessos literários juvenis. A coleção Uma Aventura foi adaptada como série pela SIC, tendo durado sete anos (2000-2007).
Fonte da imagem.

 

Seguindo o ramo realista, nos anos 90, as editoras começam a publicar "chick lit", livros praticamente escritos para raparigas e que se concentram em temas considerados femininos, como namoros, compras, a beleza física, entre outros. Estes livros são vistos de forma negativa por terem maus ensinamentos para as raparigas, como a competição quase animalesca entre duas raparigas por causa de um rapaz, a dependência que a rapariga sente por um rapaz e a ideia de que o “final feliz” só é possível se a rapariga, no final, se casar com o “homem ideal”. É muito criticado por feministas e perpetua a ideia de que a felicidade da mulher reside apenas em encontrar o “príncipe perfeito”. Além disso, no "chick lit", é muito comum as protagonistas não serem dependentes, não terem capacidade de pensar para além da relação e de darem muita importância à inveja, à mesquinhez e à vingança. São vistos como um retrocesso nas lutas feministas.

Depois do aparecimento de tantos livros realistas, o público jovem português passou a ansiar por livros de caráter fantástico. O sucesso de coleções de Fantasia estrangeiras deram origem a livros portugueses sobre vampiros, livros fantásticos inspirados na Idade Média, mitos, mistérios, magia, etc. Também começaram a escrever livros de Ficção Científica, principalmente com cenários como o espaço, outros planetas e mundos paralelos. Autores portugueses como Luísa Fontes da Cunha (As Aventuras de Teodora) perceberam que a Fantasia era um bom meio de explorar os processos de amadurecimento das personagens através de aventuras e perigos proporcionados por cenários fantásticos, bem como a dualidade do Bem e do Mal.

 

Após uma breve explicação do que é a literatura juvenil portuguesa, pode-se dizer que há semelhanças quanto ao YA. Por exemplo, também em Portugal, a literatura juvenil “[…] é vista pela academia como “menor” ou “inferior” à produzida para adultos. Isso, devido há anos, ser associada à ideia de ensino, atrelada ao pedagógico e ao utilitário, comprometendo a uma produção de qualidade” (Matsuda, 2018: 19). O YA e a literatura juvenil partilham as mesmas responsabilidades, como educar os jovens em relação ao respeito pela diferença, fazer com que o jovem perceba que é um indivíduo que faz parte da sociedade e fazê-lo ver como a literatura tem benefícios. Nos dois países, acredita-se que a literatura para os mais jovens é capaz de desenvolver o pensamento crítico do público-alvo e de os ajudar a tornarem-se nos adultos do amanhã, capazes de serem melhores do que os adultos de hoje. Um outro aspeto em comum é a criação de chancelas ou de listas focadas na literatura para jovens adultos. Nos EUA, há chancelas como TorTeen (Macmillan), Hot Key Books (Bonnier Publishing) e Littel, Brown and Company Teen (Hatchett Book Group). Em Portugal, nos sites das editoras, já aparece, nas listas, a nomenclatura Young Adult. Também temos o caso da Topseller#Bliss, por exemplo. Não sendo uma chancela, é uma lista especial feita pela Topseller, que é a chancela da 20|20 Editora. Todos os livros YA que publicam, em vez de terem o símbolo da chancela, têm o símbolo da Topseller#Bliss, como se pode ver nas capas dos livros. Também todos os livros têm um texto inicial que explica o propósito desse título. Têm frases como “Topseller#Bliss é para ti, porque és jovem, irreverente, apaixonado e apaixonante!”. A Topseller também tem um grande contacto com leitores jovens através das redes sociais (principalmente no Instagram). Recentemente, a Cultura Editora anunciou a criação de uma nova chancela, a Desrotina Editora. Perante as sugestões de imensos jovens leitores portugueses relativamente a mudanças necessárias dentro do mercado editorial português quanto à representatividade e diversidade, a editora criou uma chancela que irá focar-se na literatura YA e NA (New Adult). A chancela já está a mostrar o que pretende fazer e como pretende fazer. Há uns dias, divulgou o título da primeira obra do seu catálogo, Ace of Spades. Essa divulgação foi feita tendo como base uma grande estratégia de marketing que já fez os leitores acreditarem no potencial desta nova chancela. Isto prova que, aos poucos, o mercado editorial português está a seguir a pisadas dos EUA, bem como os desejos do seu próprio público.

 

Nenhuma descrição de foto disponível.Logótipo da nova chancela da Cultura Editora, Desrotina Editora.
Fonte da imagem.

 

No entanto, há mais diferenças do que semelhanças. A literatura juvenil não tem limites de idade tão definidos como o YA. Apesar de o YA também ter problemas nesse sentido, em Portugal, mistura-se erradamente a literatura juvenil com a literatura infantil, levando ao termo “literatura infantojuvenil”. Os EUA têm uma palavra para designar esse tipo de livros, isto é, para as crianças quase a chegar à fase da adolescência, que é o "Middle Grade" (MG), livros escritos para os estudantes do 5.º ao 6.º ou 7.º ano escolar. Pensa-se que essa união que é feita em Portugal leva a um preconceito quanto aos livros escritos para os adolescentes. Uma outra diferença é o modo como veem quem não corresponde ao padrão branco, cis, heterossexual, etc.. Em Portugal, as pessoas que não são O padrão aparecem como personagens que, muitas vezes, existem apenas para darem lições de moral ou partilhar informações acerca de culturas e povos diferentes. Fala-se muito na existência positiva de personagens diferentes relativamente à raça, à cor da pele, à condição física e/ou mental, entre outras características diferenciais. No entanto, elas quase não têm personalidades propriamente ditas e não são tão desenvolvidas como as personagens principais, que, quase sempre, são brancas e de nacionalidade portuguesa. Já nos EUA, a personagem negra já não serve apenas como personagem secundária que ajuda o amigo branco, podendo também ser o protagonista. A pessoa muçulmana já não aparece tanto como o terrorista. A pessoa asiática deixa de ser considerada “exótica”, se bem que este adjetivo ainda aparece muitas vezes associado à Ásia. Além disso, em Portugal, quando os livros juvenis são sobre a História portuguesa, não se fala muito acerca das consequências negativas das ações dos portugueses noutros países, falando-se apenas dos momentos gloriosos. Já nos EUA, artistas marginalizados usam a literatura para falarem das suas experiências como pessoas oprimidas, não só na atualidade, mas também em séculos anteriores, e não suavizam as ações dos seus opressores. Também mostram que, mesmo sendo oprimidos, tiveram momentos notáveis.

 

 

Fonte da imagem.

 

Em suma, a literatura juvenil portuguesa teve um percurso muito parecido com o Young Adult americano. Ambas as categorias visam educar o jovem e fazê-lo sentir-se refletido na literatura. No entanto, há muitas diferenças mesmo quanto aos objetivos que partilham e, de certo modo, elas fazem com que o público português prefira consumir os livros YA estrangeiros e não tanto os livros juvenis portugueses. O investimento em livros YA dos EUA por parte das editoras portuguesas deveria ser uma luz verde para as editoras fazerem o mesmo com os autores portugueses que escrevem para os jovens adultos. Está na altura de Portugal começar a apostar mais no que é seu e levar a literatura juvenil para um patamar mais semelhante ao do YA.

 

O que acham deste quarto capítulo sobre Young Adult?
 
Links dos capítulos anteriores: