Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Batalha das Capas: Os Jogos da Fome

Prontos para a segunda Batalha das Capas? O livro selecionado para hoje é Os Jogos da Fome, o primeiro volume da trilogia de Suzanne Collins. Escolhi este título, pois hoje é o dia do lançamento da prequela, The Ballad of Songbirds and Snakes. Irá focar-se num Presidente Snow mais jovem e nos 10.º Jogos da Fome.


Em primeiro lugar, mostro-vos a edição portuguesa, mas antes de a Editorial Presença ter começado a usar um cartaz da adaptação cinematográfica como capa:


O Jogos Da Fome. Livro I (Portuguese Edition): Suzanne Collins ...


Comentários: É uma capa muito simples e as cores podem não ser as melhores se a capa estiver  num mar de capas coloridas. No entanto, é intrigante. Quem ainda não leu poderá pensar: "O que é este pássaro amarelo? Está a segurar uma flecha? Mas porquê? E o que é o círculo à sua volta?". O próprio título também deixa o leitor curioso. É depois da leitura que percebemos que a capa, afinal, é muito simbólica e representa muito bem o livro. Há uns anos, depois de ler o livro, pensei: "Bem, o mimo-gaio, isto é, o pássaro, simboliza as pessoas dos distritos, que se sentem presas e oprimidas devido ao governo do Capitólio, estando, por isso, preso dentro de um círculo. Segura a flecha, que, com um arco, passa a ser uma arma e, por isso, representa a luta". No entanto, a capa ganha um valor mais profundo apenas após a leitura, podendo não captar muito a atenção de quem ainda não leu o livro.

Conclusão: Simples, mas muito simbólico após a leitura. Apesar disso, pode não ser muito atrativa para quem desconhece a história.


De seguida, temos uma das capas das várias edições dos EUA:


23607381


Comentários: É o oposto da capa anterior. Cores alegre e berrantes. É uma capa em neon. Como foi feita depois da capa original (igual à capa portuguesa), ela tem o símbolo icónico do mimo-gaio e é idêntico ao que vemos na primeira capa. Contudo, isto não tem nada a ver com a essência da história, se bem que esta capa é capaz de deixar o leitor curioso. Além disso, ao estar exposto numa mesa cheia de capas coloridas ou muito escuras, irá destacar-se, pois é mesmo muito berrante. Quando a editora Scholastic Press divulgou esta imagem nas redes sociais, a maioria odiou-a (eu fui uma das pessoas que não gostou muito), mas algumas gostaram e deram um significado à capa. Há quem diga que esta capa faz lembrar o modo de vida do Capitólio, a capital de Panem, uma cidade rica, colorida e repleta de vida. De facto, para o leitor que sabe como o Capitólio é, isso é verdade. Quase todos os habitantes do Capitólio adoram moda e roupas e objetos estranhos. Nesse sentido, a capa faz sentido. Apesar disso, não sei se foi uma boa ideia fazerem uma capa como esta.

Conclusão: Não tem nada a ver com a capa original, sendo o oposto dela. De facto, é muito colorida e pode facilmente captar a atenção do leitor, mas não tem muito a ver com a história. De qualquer forma, a editora deve ter tido algum lucro graças a ela, uma vez que há muitos leitores que adoram colecionar edições diferentes de um mesmo livro.


Por fim, temos a edição de ACT, uma editora russa:


7769068


Comentários: É uma das capas mais feias que já vi. Ao ver esta, até passei a gostar mais da capa cor-de-rosa e verde. Como é que esta editora pensou que era boa ideia destacar o elemento romântico do livro? Os amores de Katniss não são o grande assunto do livro, mas sim temas políticos e sociais, como a luta contra o sistema opressivo, as diferenças de classes, a esperança por um país melhor, as consequências das guerras e da ganância, etc. Além disso, estamos a falar de uma distopia, um ramo da Ficção Científica. Esta capa não "grita" Ficção Científica. Dá a entender que o livro é um romance contemporâneo YA cheio de clichés e situações lamechas, o que não é verdade. E para que servem as gotas da chuva? E o rapaz de tronco nu? Isto resultaria mais se estivéssemos a falar de capas do Crepúsculo, a história sobre o amor de uma humana por um vampiro. Não serve, portanto, para representar um livro que contém descrições de mortes, da pobreza de muitas personagens, da fome, etc. 

Conclusão: É um grande não. Não há mais nada a dizer.


O grande vencedor: A primeira capa. É mais sóbria, mas é a que representa melhor o livro como uma história de Ficção Científica. 



Por agora, é tudo. O que acham destas capas?