Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contra a COVID-19: Iniciativas e campanhas literárias

Infelizmente, devido ao novo coronavírus, o setor livreiro, tal como os restantes setores, está a sofrer imenso, verificando-se uma queda nas vendas que ronda os 80%. Durante e após esta pandemia, muitas livrarias e editoras (principalmente as pequenas e as independentes) poderão fechar. Para tentar lutar contra isso, já foram criadas iniciativas para ajudar livrarias e editoras a obter algum lucro apesar da situação.


Por exemplo, foi criada a RELI, Rede de Livrarias Independentes. Esta rede "é uma associação livre de apoio mútuo composta por livrarias de todo o território português sem ligação a redes e cadeias dos grandes grupos editoriais e livreiros". Já escreveram uma carta aberta ao Presidente da República, à Ministra da Cultura, entre outras pessoas, afirmando que, "com muito conhecimento acumulado, com uma importância crescente no panorama editorial e cultural português, os livreiros das livrarias independentes — as novas como as outras — têm um papel fundamental a desempenhar na promoção dos autores e na difusão do livro e da leitura" e, por isso, "compete-nos a nós procurar soluções alternativas, é certo, e por isso constituímos esta rede livreira. Mas se não pudermos contar com o apoio e a colaboração dos poderes públicos, os nossos esforços individuais dificilmente conseguirão atingir os objetivos imediatos que todos deveremos pretender: sobreviver com o mínimo de dignidade e de danos colaterais". A RELI, na mesma carta, fez propostas de como o governo poderia ajudar um setor que, já de si, era muito frágil muito antes de o vírus ter chegado a Portugal.


Em vez de estarem à espera das respostas do Ministério da Cultura, este grupo de livreiros organizou campanhas muito giras, digamos assim, como a Livraria às Cegas e Fique em casa, mas não fique sem livros. A primeira campanha consiste na escolha de um livreiro, ou seja, não é o leitor que escolhe o livro que irá encomendar. O livreiro é que irá escolher o livro e, assim, surpreender o cliente. A encomenda, o pagamento e a possibilidade de troca devem ser discutidos com o livreiro que a pessoa escolheu. O pagamento é igual ou superior a 15€.



Logótipo da campanha e as livrarias aderentes.
Fonte.


A outra campanha é muito simples: a partir da lista dos livreiros aderentes, a pessoa escolhe um e, a partir dele, faz as suas encomendas literárias. É importante que o cliente saiba as condições que cada livreiro tem.

Ambas as campanhas ainda estão a decorrer. Até agora, não vi datas do fim das mesmas.

Lista dos livreiros que fazem parte da campanha Fique em casa, mas não fique sem livros.
Fonte.


A Casa Fernando Pessoa também está a ajudar livreiros independentes. A Casa fica no Campo de Ourique e, nessa zona, há muitas livrarias, como a Livraria Ler, Snob, Distopia, Poesia Incompleta e Palavra de Viajante. Sempre que alguém encomendar um livro através destes livreiros, a Casa Fernando Pessoa oferece um livro de poemas. As ofertas consistem em pequenas publicações com poemas lidos em eventos da Casa.



Nenhuma descrição de foto disponível.
Ofertas da Casa Fernando Pessoa sempre que alguém comprar um livro das livrarias mencionadas.
Fonte.


Gostaria, também, de falar sobre uma iniciativa que, infelizmente, já terminou, mas pretendo mencioná-la na mesma, pois, a partir dela, podem conhecer outras livrarias. Além disso, até podem não conhecer as editoras que organizaram o projeto. Chama-se Adopta uma Livraria - 10 Dias, 10 Livrarias e foi criada pelas editoras Antígona e Orfeu Negro. Começou no dia 14 de abril e acabou no Dia do Livro, 23 de abril. O objetivo era dar 30% das vendas online de cada uma das editoras a uma livraria (aliás, duas, pois são duas editoras). Em cada dia, as duas editoras escolhiam duas livrarias.
Acho que muitas editoras (como as grandes) poderiam seguir o exemplo da Antígona e do Orfeu Negro.


Nenhuma descrição de foto disponível.
Exemplo: A Antígona apoiou estas dez livrarias.
Fonte.


Não conhecendo mais campanhas, chegou o momento de falar especificamente sobre duas livrarias.


A Livraria Letras Lavadas é uma livraria micaelense que, apesar de estar fechada, continua a aceitar encomendas. Os portes são grátis nos Açores. Podem encomendar os livros do catálogo da editora Letras Lavadas através do seu site. Se quiserem algo da livraria, basta enviarem um email para livraria@letraslavadas.pt. Os livros podem demorar algum tempo a chegar a casa, pois enviam as encomendas uma vez por semana via CTT.


Nenhuma descrição de foto disponível.
O exterior da livraria Letras Lavadas.
Fonte da imagem.


A seguir, temos o Book Gang. A Helena Magalhães, a partir do seu clube de leituras, praticamente conseguiu criar uma livraria online. A partir do seu site, podem encomendar os livros que são escolhidos mensalmente, bem como livros de meses anteriores e favoritos da própria Helena. Além disso, já no próximo mês, o Book Gang terá uma book box, ou seja, uma caixa literária. Nela, estarão incluídas as três leituras do mês e algumas ofertas. Irá custar 54,90€.


IMG_3178_edited.jpg
O visual do novo projeto do Book Gang.
Fonte

Relativamente a editoras, a Editorial Presença tem tido campanhas com descontos muito bons. Aliás, até ao dia 5 de maio, haverá descontos até aos 50% nos livros selecionados. A 2020 Editora, principalmente a chancela Topseller, anda a investir muito nos ebooks, pois antes não tinham muitos e notaram que as pessoas estavam a comprar muitos ebooks desde que o confinamento social começou. Também devem estar atentos à Feira do Livro em Casa da Cultura Editora. Todos os livros têm 40% de desconto e têm sempre os Livros do Dia, que são os que têm 50% de desconto. A Feira termina esta semana! A Alma dos Livros também tem descontos até 50% e os portes são grátis em encomendas a partir de 25€. A Saída da Emergência tem descontos de 20% e, na compra de três livros, oferecem o mais barato. A Porto Editora não tem este tipo de campanhas, mas já doou EPIs (equipamento de proteção individual) a hospitais e lares, disponibilizam, gratuitamente, a Escola Virtual e estão a apoiar a Telescola #EstudoEmCasa. A Leya também tornou gratuito o acesso aos seus conteúdos digitais educativos.


Por agora, é tudo. Se puderem, apoiem uma destas livrarias e editoras!



7 comentários

Comentar post