Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de Anne Frank

«Vagueio de quarto em quarto, subo e desço as escadas e sinto-me como um pássaro cujas asas foram arrancadas e que insiste em se lançar contra as grades da sua gaiola escura. "Deixem-me sair, para onde haja ar fresco e risos!", grita uma voz dentro de mim. Já nem sequer me dou ao trabalho de responder, e deito-me no divã. O sono faz com que o silêncio e o medo terrível passem mais depressa, ajuda a passar o tempo, uma vez que é impossível matá-lo.»