Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Opinião: Cinderel - Da Cinza ao Cristal, de R. C. Montenegro

https://m.media-amazon.com/images/I/41FOQSq1xhL.jpg

 

P.S.: A autora enviou-me gratuitamente um documento PDF de Cinderel em troca de uma opinião honesta e divulgação.

 

Em Cinderel - Da Cinza ao Cristal, de R. C. Montenegro, "Cinderel, alcunhado Borralho, é maltratado pela madastra e os seus filhos e procura nas festas e nas máscaras um escape do seu dia-a-dia entre as cinzas das lareiras. Apenas não imaginou que chamaria a atenção do facilmente espicaçável Bernardo, e muito menos que, ao troçá-lo, troçava o seu príncipe".

 

Este reconto queer da história da Cinderela pode ter apenas 82 páginas, mas são páginas recheadas de amor, sensualidade e resiliência, já para não falar das bonitas descrições cinematográficas dos cenários.

 

Adoro como o enredo tem características do filme da Disney, como a beleza dos cenários e a sumptuosidade dos eventos sociais, bem como a importância dada ao vestuário e, claro, aos sapatos especiais. Mas Cinderel também tem uma certa dose de violência como na história terrível, mas original, da Cinderela, onde as irmãs são severamente castigadas, por exemplo. E mais não digo, pois têm de ler este livro para verem como é que os irmãos, neste caso, sofrem as consequências dos seus atos, bem como a madrasta.
Ao contrário do filme da Disney, que é muito fraco em relação à demonstração dos sentimentos amorosos, esta história tem imensos momentos amorosos, incluindo cenas sexuais, que mostram claramente a paixão, o amor e o carinho que ambos sentem um pelo outro.
Um outro aspeto positivo relativamente ao enredo é o facto de ser, realmente, um reconto da Cinderela, mas a autora soube enriquecer a sua própria história ao acrescentar cenas e personagens que não existem nem na versão da Disney, nem na versão original. Por isso, à medida que lemos, não sentimos aborrecimento ou ficamos a pensar como esta pequena história é uma cópia dessas famosas versões. Não, não tem nada a ver com elas e, de facto, tornou a história mais forte e completa.

 

A escrita de Montenegro é simples e eficaz, principalmente quanto às descrições, que não são nem muito detalhadas, nem pobres em elementos. Têm a dose certa para que possamos visualizar os cenários e as festas. Além disso, transmite muito bem os sentimentos e as opiniões das personagens, não perdendo tempo com longos monólogos e coisas do género. Em termos de edição, existem algumas falhas, mas não estragam o talento da autora.

 

Por fim, em relação às personagens, penso que Cinderel é a personagem mais completa e interessante da história. A sua triste história de vida, a sua resiliência e, claro, o seu atrevimento fazem com que queiramos apoiá-lo até ao fim. Bernardo não me pareceu ser tão bem desenvolvido, mas a química entre ele e Cinderel é palpável e autêntica. Teria sido interessante ver mais da madrasta e dos seus filhos. Uma presença maior destas figuras poderia tornar a história ainda mais rica. Ainda assim, gostei deste elenco.

 

Concluindo, Cinderel - Da Cinza ao Cristal, de R. C. Montenegro, é a prova de que não falta talento em Portugal. O enredo é forte e está bem elaborado, a escrita é fluida e muito visual, e as personagens, embora precisassem de um pouco mais de trabalho, são interessantes, principalmente Cinderel. Seria bom ver as editoras tradicionais mais atentas ao que anda a ser feito por aí e aos autores mais jovens. Ainda bem que Montenegro se aventurou na edição independente e nos proporcionou uma linda história de amor entre dois rapazes que querem ser felizes para sempre.

 

Classificação: 4/5 estrelas.

 

Ficaram interessados no livro? Gostariam de ler esta história maravilhosa? Cliquem aqui para terem todas as informações.