Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Opinião: City of Ghosts (Cassidy Blake #1), de Victoria Schwab



City of Ghosts, de Victoria Schwab, é o primeiro volume de uma trilogia infantojuvenil sobrenatural. A protagonista, Cassidy Blake, um dia, quase morreu por afogamento, mas foi salva por um fantasma, Jacob, que acabou por se tornar num amigo dela. Desde então, Cassidy consegue ver fantasmas. Essa nova habilidade complica a vida de Cassidy nos próximos tempos, pois os pais dela aceitaram fazer um programa televisivo sobre cidades fantasmagóricas. A primeira paragem é Edimburgo, a capital escocesa conhecida como Cidade dos Fantasmas. Que experiências Cassidy e Jacob irão ter nesta cidade nebulosa com uma arquitetura bela, mas sombria?


Victoria Schwab (ou V. E. Schwab) é conhecida pelas histórias de Fantasia escritas para um público mais velho. Já não é a primeira vez que ela escreve livros para um público juvenil, mas foi com City of Ghosts que muitos fãs de outros livros da autora conheceram uma nova faceta dela, a de também saber criar histórias para os mais novos. E que bela história que temos aqui!


Schwab é genial nas suas histórias mais adultas. A maneira como ela nos faz conhecer as suas personagens complexas e querer criar ligações com elas prova a sua mestria em formar personagens interessantes que enriquecem a história. Em City of Ghosts, nós também temos personagens com personalidades muito diferentes e também queremos conhecê-las, mas o foco não está tanto nas personagens, mas sim nas aventuras delas. Portanto, este livro prova uma outra habilidade de Schwab, a de saber inventar peripécias entusiasmantes. Também ajuda o facto de a escrita dela, neste livro, ser muito mais direta e simples do que n'Uma Magia Mais Escura, por exemplo.


Capa da edição francesa.
Fonte.


Como disse, o enredo é rico em aventuras. A ação nunca tem momentos "mortos". Há sempre algo a acontecer, há sempre uma descoberta a fazer, há sempre um problema por resolver. É, portanto, uma história envolvente que sempre nos dá mais alguma coisa e nunca nos deixa frustrados ou aborrecidos. Também ajuda o facto de a ação ser baseada numa viagem. As crianças gostam de conhecer coisas novas e conhecer um lugar como Edimburgo deve ser delirante, principalmente para aquelas que, através deste livro, imaginam esse espaço como algo sombrio, misterioso e ideal para aventuras e para fazer a sua imaginação trabalhar.


Quanto às personagens, foram muito bem construídas e penso que são ideais e suficientemente fascinantes para o público-alvo da história. Quando somos crianças, imaginamos muitas coisas e inventamos as nossas próprias aventuras nas nossas cabeças. Como seria enfrentar um fantasma sem a ajuda dos pais, por exemplo? Como seria ter um fantasma como amigo? 
E Cassidy Blake passa exatamente por essas aventuras que tanto imaginamos, mas, ao acompanharmos Cassidy, já não estamos apenas a imaginá-las, já que até parece que estamos mesmo a vivê-las.
Cassidy não é muito ingénua e é muito independente, mas, claro, não deixa de ser uma menina de 12 anos. Cassidy adora livros cheios de aventuras e magia e gosta de tirar fotografias, tendo a sua máquina fotográfica antiga sempre consigo. Ela consegue ver fantasmas e gosta de fantasmas que são como Jacob, simpáticos e bons, mas é-lhe difícil ter de enfrentar espíritos malignos, como a Raven in Red, uma mulher que, enquanto fantasma, tenta roubar o fio da vida das crianças, incluindo o da Cassidy. Além disso, como alguém que está entre os dois mundos, Cassidy tem a missão de enviar as almas para além do Véu, o lugar que separa os mortos dos vivos. Assim, Cassidy tem de fazer muitas coisas que uma criança de 12 anos normal nunca faria. Isso também torna esta personagem muito interessante, pois as crianças gostam de imaginar que têm poderes e que conseguem enfrentar coisas assustadoras e Cassidy vive os sonhos dessas crianças.
Jacob é um fantasma que é amigo de Cassidy e, já aí, é uma personagem muito intrigante. Quem não gostaria de ter um fantasma bonzinho e divertido como amigo? Além disso, o facto de ele ser um fantasma é como uma forma de falar sobre algo que é muito comum entre as crianças, isto é, os amigos imaginários. Foi um bom toque da parte da autora em ter um fantasma como um grande amigo de Cassidy. Ele tem as qualidades que um bom amigo deve ter, como a vontade de ajudar, a capacidade de fazer rir, a habilidade de ser sério quando é necessário, etc. Quando estão juntos, Cassidy e Jacob são uma dupla engraçada.
Lara é uma menina que Cassidy e Jacob conhecem em Edimburgo. Ela também consegue ver fantasmas e sabe imenso sobre esse modo de vida. É ela que faz Cassidy perceber a missão importante que elas têm, a de ajudar na passagem dos espíritos que ainda estão na Terra para o mundo além do Véu. É muito parecida com Cassidy, pois é muito desenrascada, determinada e inteligente.
Raven in Red é uma antagonista que tem uma história trágica, mas não deixa de ser uma inimiga que quer tirar a vida às crianças humanas. É, deste modo, uma antagonista multifacetada. Não é má apenas para ser a vilã da história e para assustar os jovens leitores. Ela mostra como, muitas vezes, a maldade existe por algum motivo, mas não deixa de provar que, ainda assim, não podemos deixar que o mal vença.



Capa da edição alemã.
Fonte.



Em suma, City of Ghosts é um início promissor de uma nova trilogia infantojuvenil sobrenatural que promete dar aos miúdos e graúdos aventuras fantásticas, personagens interessantes e uma escrita envolvente. As descrições e as peripécias fantasmagóricas tornam este livro na leitura ideal para o Halloween, mas, devido ao talento de Victoria Schwab, é também um livro maravilhoso que pode e deve ser lido em qualquer altura do ano.

P.S.: Até agora, não foi publicado em Portugal. É uma pena, uma vez que acho que muitos jovens leitores iriam gostar de ler este livro.


Classificação: 4.5/5 estrelas.