Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Opinião: Wicked Fox, de Kat Cho

https://img.bertrand.pt/images/wicked-fox-kat-cho/NDV8MjM5NTQ3MzJ8MTk5ODgzODB8MTYwMzQ5NDAwMDAwMHx3ZWJw/300x
 Bertrand;
Wook.

 

Wicked Fox é o primeiro livro de uma duologia de Fantasia Urbana/Paranormal jovem-adulta de Kat Cho. É inspirada na mitologia coreana, mais especificamente nas figuras de gumiho, goblin, e outras. 

Neste primeiro volume, Gu Miyoung, uma rapariga de 18 anos, tem um segredo: ela é uma gumiho, uma raposa com nove caudas que devora a energia de homens para poder sobreviver. Como são poucas as pessoas que acreditam nas velhas histórias atualmente e há muitos homens maus dos quais ninguém terá saudades, a moderna cidade de Seoul é o lugar perfeito para se esconder e caçar.

Mas depois de se alimentar numa lua cheia, Miyoung cruza-se com Jihoon, um rapaz humano que está a ser atacado por um goblin na floresta. Ela quebra as regras de sobrevivência para salvar o rapaz e acaba por perder a sua pérola de raposa, a sua alma de gumiho.

Jihoon sabe que Miyoung é mais do que uma rapariga bonita, pois viu as caudas dela na noite em que foi salvo por ela. A sua avó costumava contar-lhe histórias sobre gumihos e os seus poderes e o perigo que eram para os homens. Ele sente-se atraído por ela de qualquer forma.

Com forças mortíferas no fundo, Miyoung e Jihoon desenvolvem uma amizade ténue que acaba por ser algo mais. Mas quando um jovem shaman tenta reunir Miyoung à sua pérola, as consequências são desastrosas e reacendem uma contenda que existe há gerações.

Miyoung vê-se forçada a escolher entre a sua vida imortal e a vida de Jihoon.


Se gostas de kdramas, mitologias e Fantasia Urbana, este livro pode ser perfeito para ti. Tem imensos ingredientes em comum com muitas séries coreanas (relação amorosa, amizades interessantes, suspense, mistério, muitas emoções mistas) e a mistura de aspetos da mitologia coreana com o quotidiano normal faz-nos sentir como se tudo fosse real ou como se estivéssemos na história também. Nota-se a paixão e o carinho que a autora tem pela mitologia e pela cidade.

 

A maneira como a ação se desenrola, sem rodeios e com explicações simples e breves, torna a leitura prazerosa e viciante. Primeiro, temos as dificuldades pelas quais as personagens passam (Miyoung perde a sua pérola de gumiho e Jihoon não percebe como lidar com todo um mundo novo e está sempre perto dela). Depois, vemos relações amorosas e familiares a abrirem-se mais e a tornarem-se mais complexas, desde a ligação carinhosa entre Jihoon e a avó até à relação tempestuosa de Miyoung com a sua mãe, que é uma gumiho fria e calculista. À medida que nos aproximamos cada vez mais dos pontos altos da ação, ficamos cada vez mais fascinados e com o coração nas mãos. Há traições, mortes e desespero. O enredo termina com uma mensagem mista de esperança e de dor, sendo, portanto, uma das melhores montanhas-russas que já experienciei enquanto leitora.

 

An illustration of a Korean girl/gumiho (fox spirit) with long hair, tails behind her, with a bright full moon behind her.
Fanart de Miyoung feita por cw.

 

A escrita de Kat Cho é simples e encantadora, no sentido em que nos cativa facilmente, deixando-nos colados à história. Cho soube escolher as palavras certas e os momentos ideais para mostrar as personagens tal como elas são. Cho também soube manter o suspense e fazer os leitores sentir à flor da pele as mesmas emoções que as personagens sentiam. Nem todos os escritores são capazes de serem tão eficazes e talentosos relativamente à colocação do leitor na história, isto é, Cho fez um excelente trabalho em criar personagens credíveis que o leitor irá querer apoiar e um cenário encantador, misterioso e fascinante ao ponto de nós querermos ser transportados para dentro desse mesmo mundo.


As personagens, como indiquei acima, são realistas e um pouco diferentes em relação às personagens que estamos habituados a ver em romances Young Adult. Os defeitos são um grande destaque neste livro, mas são também um grande ponto forte desta história, pois tornam as personagens mais reais. Nem todas as personagens têm de ser perfeitas e capazes de resolver tudo num instante. Afinal, os seres humanos não são assim. As personagens de Wicked Fox são das mais realistas dos últimos livros YA que tenho lido. Miyoung é uma rapariga bonita e poderosa, mas também é teimosa e muito dona de si. Por ser rapariga, poderão dizer imediatamente que ela é complicada e má. No entanto, diriam o mesmo se Jihoon tivesse esses traços? Muitos leitores aceitam facilmente os bad boys, mas abominam personagens femininas como Miyoung. Por mim, adorei Miyoung. Precisamos de mais personagens femininas como ela. Assertivas, fortes e, sim, donas de si. Jihoon é o oposto dela, sendo mais adorável, simpático e brando, não tendo receio nenhum em mostrar a sua curiosidade em relação a Miyoung. Também acho que é raro vermos personagens masculinas mostrarem de forma decente e carinhosa e com respeito o que acham acerca das raparigas, ou seja, é bom também termos personagens como ele. Uma outra personagem surpreendente é a mãe de Miyoung, Yena. Como disse, é fria e calculista, mas não se pode dizer que é uma autêntica vilã. Há mais no coração dela. Já as amizades florescem neste livro, mas fortalecem e crescem no segundo livro, que li há pouco tempo.

 

Cartões de Jihoon, Miyoung e Yena feitos por Alexis Castellanos

 

Neste livro que lida com temas como a família, a confiança, a lealdade e a crença em nós próprios, podem esperar também por romance, ação, emoções fortes, quer negativas, quer positivas, e figuras míticas incríveis. Aconselho a leitura deste romance YA.



Classificação: 4.5/5 estrelas.