Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Biblioteca da Daniela

A Biblioteca da Daniela

Um dia destes, a Wook tinha promoções de 20% a 50%. Normalmente, as novidades só têm 10%, mas, neste caso, elas estavam incluídas na categoria dos 20%. Aproveitei essa oportunidade para encomendar um livro que foi recentemente publicado pela Topseller, Sadie, de Courtney Summers.





Sinopse retirada do site da Topseller:


 Uma rapariga desaparecida em busca de vingança.
Uma investigação alucinante transmitida em podcast.
Um final de cortar a respiração!
O radialista West McCray é contactado por uma desconhecida que lhe lança um apelo: localizar uma rapariga de 19 anos chamada Sadie Hunter. Uma história a que ele dá pouca importância, afinal, o desaparecimento de uma rapariga nada tem de insólito.
Só que Sadie não é uma fugitiva qualquer. Sofrendo de gaguez,abandonada pela mãe, vê o seu mundo desmoronar quando a irmã mais nova é brutalmente assassinada e a polícia mostra-se incapaz de encontrar o culpado. Quererá Sadie fazer justiça com as próprias mãos?
Perante o turbilhão de perguntas sem resposta, West fica obcecado com o caso e inicia um podcast inteiramente dedicado à investigação. O jornalista ruma à cidade natal de Sadie, para seguir de perto o rasto da jovem e desvendar este mistério antes que seja tarde demais. Cada pista revela uma verdade absolutamente chocante?

Este livro é um thriller YA que se tornou num bestseller na lista do The New York Times e foi considerado um dos melhores livros do ano pela American Library Association, pelo Boston Globe e pelo Publishers Weekly. Graças a este romance, Courtney Summers ganhou o prémio Edgar, um prémio que homenageia Edgar Allan Poe e que é atribuído a histórias policiais. Também recebeu outros, como o Odyssey Award Audie Award.
Courtney Summers publicou o seu primeiro livro quando tinha 22 anos, em 2008. Criou a hashtag #ToTheGirls, em 2015, com o objetivo de reunir mensagens positivas online para raparigas. Tem 33 anos e vive no Canadá.
Quem já leu este livro? Quem gostaria de ler este thriller?

Sabem qual é o livro que anda a ser muito falado ultimamente? To All the Boys I've Loved Before, de Jenny Han! Na versão portuguesa, editada pela Topseller, o título é A Todos os Rapazes que Amei.




É o primeiro livro de uma trilogia contemporânea para os Jovens-Adultos que narra a vida romântica atribulada de Lara Jean Convey, bem como outras aventuras da protagonista coreano-americana. 
A Netflix esteve a cargo da adaptação cinematográfica do primeiro volume e o público tem adorado o filme. Posto isto, verificou-se um aumento de vendas da trilogia de Jenny Han.


Eu, por acaso, vi o filme primeiro, pois a minha irmã estava muito curiosa e não queria que eu esperasse pelo livro, que tinha sido encomendado há uns dias. Gostei do filme. É adorável e engraçado. Espero gostar do livro também!


Sinopse da edição portuguesa retirada do site da Bertrand: «Guardo as minhas cartas numa caixa de chapéu verde-azulada que a minha mãe me trouxe de uma loja de antiguidades da Baixa. Não são cartas de amor que alguém me enviou. Não tenho dessas. São cartas que eu escrevi. Há uma por cada rapaz que amei — cinco, ao todo.
Quando escrevo, não escondo nada. Escrevo como se ele nunca a fosse ler. Porque na verdade não vai. Exponho nessa carta todos os meus pensamentos secretos, todas as observações cautelosas, tudo o que guardei dentro de mim. Quando acabo de a escrever, fecho-a, endereço-a e depois guardo-a na minha caixa de chapéu verde-azulada.
Não são cartas de amor no sentido estrito da palavra. As minhas cartas são para quando já não quero estar apaixonada. São para despedidas. Porque, depois de escrever a minha carta, já não sou consumida por esse amor devorador. Se o amor é como uma possessão, talvez as minhas cartas sejam o meu exorcismo. As minhas cartas libertam-me. Ou pelo menos era para isso que deveriam servir.»



Alguém já leu este livro?



Ontem, comprei um livro de contos. Hoje, recebi uma encomenda. Como nunca mais escrevi publicações sobre as minhas aquisições literárias, porque não fazer uma hoje?

Em primeiro lugar, temos Histórias da Terra e do Mar, de Sophia de Mello Breyner Andresen. Adoro a poesia de Sophia e já tinha lido um livro de contos dela, Contos Exemplares, para uma das minhas cadeiras da minha licenciatura. Claro que fiquei com vontade de conhecer mais a Sophia como escritora de narrativas e, por isso, comprei este livrinho ontem.


Sinopse retirada do site da Bertrand:

«Uma opacidade especial parece formar-se em torno dos escritores que fizeram da clareza um imperativo. Talvez em nenhum outro livro, como neste, esse destino que também coube a Sophia de Mello Breyner Andresen se mostre com tanta evidência. Livro trágico de princípio a fim, transporta todos os sinais do confronto com o sentido enquanto experiência do caos, que a muitos se afigura incompatível com a luminosidade apolínea que a prosa apuradíssima destas Histórias parece ter o segredo de produzir. E como acontece a todos os textos a que o adjectivo "trágico" se pode aplicar sem distorção, também a arte de contar está aqui bem longe de ser deixada no sossego clássico, quase infantil, que o título enganadoramente sugere.»




Quanto a encomendas, na realidade, escolhi dois livros há uns dias atrás, mas só um chegou hoje. O outro saiu mais tarde da Book Depository. Recebi, então, To Kill a Kingdom, de Alexandra Christo. É um livro de temáticas marítimas e, como raramente leio livros desses, decidi arriscar e comprar este.



Sinopse traduzida e adaptada por mim (sinopse original disponível na contracapa do livro):

A princesa Lira é uma sereia temida pelo mar inteiro até ser transformada em humana pela Rainha do Mar. Agora, Lira deve entregar o coração do infame assassino de sereias ou será humana para sempre.
O príncipe Elian é o herdeiro do reino mais poderoso do mundo e o capitão de uma equipa mortífera de assassinos de sereias. Quando ele resgata do oceano uma mulher afogada, ela promete que irá ajudá-lo a destruir as sereias para sempre. Contudo, ele não tem maneira de saber se deve confiar nela....



O mês de setembro começou bem, não acham?








Ontem, finalmente recebi Never Let Me Go (na versão portuguesa: Nunca Me Deixes), de Kazuo Ishiguro. Decidi encomendar este livro logo depois de terem anunciado o nome do autor como o vencedor do Prémio Nobel da Literatura de 2017. Ainda assim, antes disso, eu queria ler um romance de Ishiguro, portanto, fiquei ainda mais entusiasmada depois da semana dos Prémios Nobel. Escolhi este romance, porque é um dos mais adorados pelo público e, depois, pretendo ver a adaptação cinematográfica.


Como podem ver pelas imagens, o livro chegou em boas condições e demorou, pelo menos, uma semana e meia a chegar. As minhas encomendas literárias costumam demorar duas semanas ou um pouco mais e fiquei muito contente por este livro ter chegado mais cedo do que é habitual.





Sinopse da edição portuguesa retirada do site da Bertrand:


Kazuo Ishiguro foi elogiado no Sunday Times por «ampliar as possibilidades da ficção». Em Nunca Me Deixes, que se encontra certamente entre as suas melhores obras, conta-nos uma extraordinária história de amor, perda e verdades escondidas.

Kathy, Ruth e Tommy cresceram em Hailsham - um colégio interno idílico situado algures na província inglesa. Foram educados com esmero, cuidadosamente protegidos do mundo exterior e levados a crer que eram especiais. Mas o que os espera para além dos muros de Hailsham? Qual é, de facto, a sua razão de ser?

Só vários anos mais tarde, Kathy, agora uma jovem mulher de 31 anos, se permite ceder aos apelos da memória. O que se segue é a perturbadora história de como Kathy, Ruth e Tommy enfrentam aos poucos a verdade sobre uma infância aparentemente feliz — e sobre o futuro que lhes está destinado.

Nunca Me Deixes é um romance profundamente comovedor, atravessado por uma percepção singular da fragilidade da vida humana.
CRÍTICAS DE IMPRENSA

"(...) a verdade é que este livro não é, apesar dos clones, seus protagonistas, nem estapafúrdio, nem reduzível a ficção científica (se é que essa categoria é, como alguns defendem, artisticamente inferior). Em poucas palavras, Ishiguro procura explorar, através das figuras de Kathy, Ruth e Tommy (são eles os referidos clones, concebidos como meros doadores de órgãos), as fronteiras do humano. E fá-lo de uma maneira muito curiosa, usando como lupa coisas das mais humanas que os humanos podem ter: recordações da infância, sentimentos, impulsos artísticos, traumas, segredos. Será que estes clones têm alma?"
Humberto Brito

"Já considerado como a sua melhor obra depois de 'Os Despojos do Dia' o livro 'Nunca me Deixes' foi anunciado como um dos seis finalistas do Prémio Booker deste ano. [...] O registo, em tom de 'thriller' contemporâneo pode estar longe do dos mais conhecidos romances históricos de Ishiguro, mas as questões são as mesmas: a solidão, o desajuste em relação ao mundo e a recusa em encarar uma realidade dura mas por demais evidente."
Vanessa Rato, Público, Mil Folhas




E vocês? Já leram algum livro deste autor?


Há uns dias atrás, publiquei, na página de Facebook do blogue, uma fotografia de uma encomenda. Hoje, finalmente, poderão saber que livro recebi. Irei referir, ainda, as minha mais recentes compras, uma no hipermercado Continente, outra na Bertrand.


Encomendei este livro, porque irei realizar e apresentar um trabalho para a cadeira de Estudos Culturais. Foi-nos dada a liberdade de escolhermos algo relacionado com a cultura contemporânea e, obviamente, escolhi um livro. É um de não-ficção e trata o tema do feminismo e como este movimento é visto na nossa sociedade na perspetiva de Chimamanda Ngozi Adichie. Sempre quis ler este livro pequenino, mas que, pelos vistos, contém mensagens grandiosas.




Sinopse da edição portuguesa (retirada do site da Bertrand):


"Peço-vos que sonhem e planeiem um mundo diferente. 
Um mundo mais justo. Um mundo de homens e mulheres mais felizes, mais fiéis a si mesmos. E é assim que devemos começar: precisamos de criar as nossas filhas de uma maneira diferente. Também precisamos de criar os nossos filhos de uma maneira diferente."

O que é que o feminismo significa hoje em dia?

Neste ensaio pessoal - adaptado de uma conferência TED - Chimamanda Ngozi Adichie apresenta uma definição única do feminismo no século XXI. A escritora parte da sua experiência pessoal para defender a inclusão e a consciência nesta admirável exploração sobre o que significa ser mulher nos dias de hoje. Um desafio lançado a mulheres e homens, porque todos devemos ser feministas.






O livro que comprei no hipermercado Continente foi o romance mais recente de Rodrigo Guedes de Carvalho. Foi comentado numa aula que o jornalista escreve bem e, como quero ler mais livros de autores portugueses, decidi adquirir este romance.





Sinopse retirada do site da Bertrand: 

O Pianista de Hotel transporta-nos numa melodia. 

É uma entrada para um mundo regido pela linguagem da música, pela sua força e beleza, presentes no ritmo de cada frase, de cada parágrafo rigorosamente medido.
Livro em camadas, nele se cruzam diversos planos, diversas histórias perpassadas pelo poder redentor da música que entra e rasga, a solidão, a dor e o vazio das pessoas que habitam nestas páginas. Com um vasto subtexto, a densidade das personagens está carregada de mistérios que nos prendem a sucessivas interrogações.

Há um pouco de nós em todas elas.
Há muito de nós neste mergulho ao mais fundo da alma humana. 
É um romance que se lê e ouve, que mantém todos os sentidos alerta. Uma pauta musical, com andamentos diversos, que acabam por se cruzar numa vertigem imprevisível de autêntico thriller psicológico.

E, depois, há o pianista…


Hoje, comprei um livro de sonetos de Antero de Quental. É verdade, não tinha nenhum livro deste magnífico escritor açoriano, mas já posso dizer que tenho!






Sinopse retirada do site da Bertrand:
Metas Curriculares de Português
Leitura obrigatória no 11.º ano de escolaridade.
Os Sonetos Completos
Sonho que sou um cavaleiro andante.
Por desertos, por sóis, por noite escura,
Paladino do amor, busco anelante
O palácio encantado da Ventura!
A imagem do "cavaleiro andante" em busca do mundo ideal é uma das representações possíveis da poesia de Antero de Quental, profundo conhecedor da alma humana. Se, por um lado, encontramos o eterno sonhador, por outro, deparamo-nos com a face noturna de quem se desiludiu pelo caminho…
Coleção Educação Literária reúne obras de referência da literatura portuguesa e universal indicadas pelo Programa e Metas Curriculares de Português e pelo Plano Nacional de Leitura.




Em conjunto com o livro encomendado anteriormente referido, deveria ter recebido Never Let Me Go, de Kazuo Ishiguro. No entanto, recebi um email do Book Depository a informar que não tinha sido impossível enviar o livro. Prefiro acreditar que foi um erro informático, mas a edição que encomendei custava apenas 6 euros e qualquer coisa quando efetuei a compra e, agora, custa 8 euros, quase 9. É caso para pensar. Apesar disso, hei de encomendar o livro na mesma, em breve.


E vocês? Compraram ou encomendaram algum livro nos últimos dias?





Já deveria ter publicado isto há uns tempos, mas mais vale tarde do que nunca, não é verdade?
Há umas semanas, no Facebook, publiquei uma fotografia de duas encomendas. Eram dois livros que tinha encomendado no início do mês de setembro e chegaram, exatamente, duas semanas depois. 





Como ainda estava a habituar-me novamente à vida universitária, não escrevi nada sobre as encomendas nos dias seguintes. Entretanto, comprei um livro no hipermercado Continente, que será mencionado aqui também.



Comprei este livro, porque o autor ganhou um Prémio Nobel da Literatura, em 1946. Pretendo ler mais autores que receberam esta grande distinção. Além disso, um grupo de K-Pop (música coreana), BTS, baseou-se neste livro para criar um conceito artístico para um dos seus álbuns. De facto, esse álbum é um dos melhores e mais profundos deste grupo e, por isso, quero saber como eles se inspiraram num livro como este.

Sinopse traduzida por mim e retirada do site do Goodreads:
Emil Sinclair é um jovem rapaz que foi criado numa casa burguesa, que é descrita como Scheinwelt, um jogo de palavras que significam "mundo da luz", bem como "mundo da ilusão". Toda a existência de Emil pode ser resumida como uma luta entre dois mundos: o mundo da ilusão (relacionado com o conceito Hindu de maya) e o mundo real, o mundo a verdade espiritual. Ao longo do romance, acompanhado e incitado pelo seu colega misterioso Max Demian, ele afasta-se e revolta contra os ideais superficiais do mundo das aparências e, eventualmente, acorda numa realização de si mesmo.




Encomendei este livro para Jovens-Adultos, porque é um livro relacionado com as séries coreanas e a cultura de entretenimento coreana em geral. Por gostar deste tipo de séries e de K-Pop, apaixonei-me imediatamente pela sinopse do livro. Será que, alguma vez, virá a ser publicado em Portugal? 
O seu título português poderia ser algo como: Eu acredito numa coisa que se chama amor.

Sinopse traduzida por mim e retirada do site do Goodreads:
Desi Lee acredita que tudo é possível se tiveres um plano. Foi isso que ela se tornou na presidente do corpo estudantil. Uma estrela do futebol. E é assim que ela vai conseguir entrar em Stanford. Mas ela nunca teve um namorado. De facto, ela é um desastre no romance, um íman torto e distorcido de humilhação cujas tentativas malucas de fazer "flirt" tornaram-se em lendas no grupo de amigos dela. Portanto, quando, um dia, o espécime humano mais "quente" que alguma vez viveu entra na vida dela, Desi decide enfrentar as falhas no "flirt" com o mesmo entusiasmo que ela aplica em tudo na vida dela. Ela encontra orientação nos programas coreanos que o pai tem visto de forma obsessiva durante anos, onde a heroína infeliz parece sempre acabar nos braços do seu amor verdadeiro no décimo episódio. É uma fórmula simples e Desi aprende rapidamente. Armada com o seu "Passos dos Dramas Coreanos para o Amor Verdadeiro), Desi vai atrás de Lucas Drako, um artista temperamental e esquivo- e de resgastes de barco, triângulos amorosos e acidentes de carro encenados. Mas quando a diversão e os jogos transformam-se em sentimentos verdadeiros, Desi descbre que o amor verdadeiro é mais do apenas drama.



Finalmente, vou falar na minha mais recente compra. Gostei muito de ler Eleanor e Park, de Rainbow Rowell. Portanto, é claro que, um dia, iria comprar mais um livro dela. E aqui está a versão portuguesa de Fangirl! Ainda bem que a editora escolheu manter a capa original, pois é simples, mas bonita.
Quero muito ler este livro nas férias de inverno, pois tem a ver com uma jovem que gosta de escrever e é uma grande fã de uma coleção de livros de Fantasia. Parece que Rowell escreveu um livro sobre mim!

Sinopse retirada do site da Bertrand:

Cath ama os seus livros e a sua família. Haverá espaço para mais alguém? Todo o mundo é fã dos livros de Simon Snow. Mas Cath vai mais longe: ser fã desses livros tornou-se a sua vida. Ela e a sua irmã gémea, Wren, refugiaram-se na obra de Simon Snow quando eram miúdas, e na verdade foi isso que as salvou da ruína emocional que foi a perda da mãe. Ler. Reler. Interagir em fóruns, escrever ficção baseada na obra de Simon Snow, vestir-se como as personagens dos livros. Mas essas fantasias deixam de fazer sentido quando se cresce, e enquanto Wren facilmente abandona esse refúgio, Cath não consegue fazê-lo. Na verdade, nem quer. Agora que vão para a universidade, Wren não quer ficar no mesmo quarto de Cath. E esta fica sozinha e fora da sua zona de conforto. Partilha o quarto com uma miúda arrogante; tem um professor que despreza os seus gostos; um colega atraente mas que apenas fala sobre a beleza das palavras... e, ainda por cima, Cath não consegue parar de se preocupar com o seu pai, tão querido, frágil e solitário. A pergunta paira no ar: será que ela consegue triunfar sem que Wren lhe dê a mão? Estará preparada para viver a vida em seu nome? Escrever as suas próprias histórias? E se isso significar deixar Simon Snow para trás?




E vocês? Têm encomendado/comprado livros?



Estive ausente durante uns meses, mas isso não significa que a minha carteira tenha estado a descansar! Ainda em agosto, recebi duas encomendas (ambas feitas no Book Depository):




Winter é o quarto e último volume da coleção The Lunar Chronicles (título da edição portuguesa: Crónicas Lunares), de Marissa Meyer. Tal como nos outros livros (que eu ainda não li), Winter é uma adaptação de um dos contos de fadas mais admirados no mundo inteiro, "Branca de Neve e os Sete Anões", tendo como cenário o espaço e a alta tecnologia. Ainda não foi editado em Portugal.



Fiquei muito contente quando soube que iriam escrever uma peça de teatro sobre o futuro de Harry Potter e do seu universo mágico! A peça Harry Potter and the Cursed Child foi escrita por John Tiffany e Jack Thorne, sob orientação de J.K. Rowling e passa-se 20 anos depois da batalha que garantiu a derrota de Voldemort. Já foi traduzida pela Editorial Presença e custa 19.90 €.


_________________________________________________________________________

Em setembro, comprei um romance de Valter Hugo Mãe, O filho de mil homens. Neste livro, temos como personagem principal Crisóstomo, um pescador que, por se sentir solitário, decide inventar uma família, "como se o amor fosse sobretudo a vontade de amar":





Há três semanas atrás, praticamente antes de a Academia Sueca ter anunciado o vencedor do Prémio Nobel da Literatura de 2016, comecei a fazer pesquisas sobre autores que, ao longo dos anos, são os favoritos do público geral e da imprensa internacional. Um deles era (e ainda é) o escritor japonês Haruki Murakami. Fiz uma outra pesquisa sobre o autor e a sua obra e decidi comprar Kafka à beira-mar, um dos seus romances mais adorados. São narradas as aventuras e desventuras de um jovem de 15 anos e de um idoso que tem dedicado grande parte da sua vida a procurar gatos desaparecidos. É um livro muito conhecido por apresentar uma história de demanda e por explorar tabus.







Na semana passada, decidi comprar o romance mais recente de Valter Hugo Mãe. Homens imprudentemente poéticos tem deliciado a alma literária de muitos portugueses e tem como cenário "um Japão antigo", onde um artesão e um oleiro "vivem uma vizinhança inimiga que, em avanços e recuos, lhes muda as prioridades e, sobretudo, a capacidade de se manterem boa gente".







Ontem, dia 22 de novembro, fui ao hipermercado Continente e reparei numa zona com livros que tinham 50% de desconto. Um deles era Dias de Sangue e Glória, a continuação d' A Quimera de Praga, de Laini Taylor.






E vocês? Têm comprado muitos livros? 😄







Começo por pedir desculpas pela minha ausência no blogue. Tenho andado um bocado aborrecida e isso tem afetado as minhas leituras (ainda não terminei as duas últimas leituras de junho) e a minha criatividade em relação às publicações no meu blogue. No entanto, já me sinto melhor, o que significa que virão novos posts em breve. Por exemplo, hoje vou falar sobre uns livros que chegaram à minha casa na passada segunda-feira, dia 18.



No dia 7 de julho, perguntei ao meu pai se ele iria tratar, em breve, das minhas prendas por ter tido boas notas. Como insisti imenso (quando se fala em livros, eu sou uma pessoa muito séria), o meu pai acabou por encomendar as obras que eu queria. Também acabei por comprar outros com o meu próprio dinheiro, pois seria melhor aproveitar o facto de haver a possibilidade de chegarem todos ao mesmo tempo ou, pelo menos, com uma pequena diferença temporal entre eles. Assim sendo, no total, foram encomendados 5 livros, já que três deles são edições bastante baratas (cada um custou 3, 4 euros). 

Passados 11 dias, os três livros baratos chegaram a casa. A manhã do dia 18 foi engraçada, porque o meu pai acordou-me e ele e a minha irmã mostraram-me os três pacotes. Saí logo da minha cama!





Agora, é o momento da revelação: Os três livros foram todos escritos por Sir Arthur Conan Doyle. Sim, o famoso criador de uma das personagens mais conhecidas no mundo literário, Sherlock Holmes. E sim, os livros encomendados estão relacionados com ele.

Os livros que serão apresentados, para além de terem custado pouco, têm boa qualidade e há dois livros num só, como irão ver nas seguintes imagens:




No caso deste livro, temos os dois primeiros romances relacionadas com Sherlock Holmes, num só livro. Um Estudo em Vermelho (há edições portuguesas que traduziram o título literalmente, Um Estudo em Escarlate) foi publicado, pela primeira vez, em 1887. O Signo dos Quatro foi publicado em 1890.


_________________________________________________________________________





Aqui, temos os últimos romances sobre Sherlock Holmes. Contudo, há ainda 56 contos sobre as aventuras desta personagem tão peculiar. O Cão dos Baskervilles foi publicado em 1902, mas O Vale Terror só foi publicado em 1915. Neste grande intervalo, foram editados os contos anteriormente referidos.



_________________________________________________________________________






Por fim, neste livro, encontram-se As Aventuras de Sherlock Holmes, que foi publicado em 1892, e As Memórias de Sherlock Holmes, que foi editado dois anos mais tarde. Neste único volume, há 23 contos.

_________________________________________________________________________

Para saberem mais sobre cada romance, ou sobre cada conjunto de contos, poderão aceder às sinopses das edições portuguesas, clicando nos títulos mencionados ao longo da publicação.

Fiquei muito contente por receber estes livros (em ótimas condições) e mal posso espera por ter os outros dois livros encomendados!






Aqui estou eu de volta ao blog para falar sobre a outra encomenda que recebi ontem. O outro livro que decidi comprar no mês passado foi o primeiro volume da coleção Shades of MagicA Darker Shade of Magic, de V.E. Schwab.



A Darker Shade of Magic (Shades of Magic, #1)
Edição norte-americana.

Em primeiro lugar, vou falar sobre a autora, Victoria Schwab, que usa como pseudónimo V.E. Schwab quando escreve livros para New-Adults (tradução livre: Novos-Adultos), como é o caso da coleção A Darker Shade of Magic. Ela usa o seu próprio nome nos livros direcionados para um público mais jovem.
Victoria Elizabeth Schwab nasceu a 7 de julho de 1987 e encontrou a escrita como sua melhora amiga aos 10 anos. No último ano como estudante universitária, Schwab decidiu escrever o seu primeiro grande romance, The Near Witch, que foi publicado em 2011. Desde então, a sua popularidade tem aumentado na comunidade online de leitores, especialmente graças à coleção Shades of Magic e à duologia Vicious (neste momento, está a escrever o segundo volume)ambos direcionados para leitores de livros de New-Adults. Também tem conquistado o coração de muitos jovens leitores graças à trilogia The Archived.




Victoria/V.E. Schwab
V.E. Schwab publicou esta fotografia nas redes sociais quando lançou A Gathering of Shadows, a sequela de A Darker Shade of Magic.





Como podem constatar, esta autora encantou muitas pessoas com os seus livros sobre magia e, ao ver tantos leitores entusiasmados com o segundo livro da coleção Shades of Magic (A Gathering of Shadows foi publicado este ano, em fevereiro), eu decidi que era altura de me aventurar nas suas histórias repletas de personagens interessantes e de mistérios cativantes. Assim sendo, aqui está A Darker Shade of Magic:


Recebi a edição britânica, que também é muito bonita!

Aqui está uma sinopse traduzida por mim e que foi retirada do Goodreads:

"Kell é um dos últimos Antari, um mágico raro que pode viajar entre dois mundos paralelos: saltando de Grey London (tradução livre: Londres Cinzenta)- suja, enfadonha, um local sem magia que é governado pelo louco Rei George- para Red London (tradução livre: Londres Vermelha)- onde a vida e a magia são veneradas e a dinastia Maresh reina um império florescente- e para White London- governada por quem quer tenha assassinado pelo caminho para ficar com o trono, onde as pessoas lutam para controlar a magia, que luta contra elas. No entanto, não se pode ir para Black London (t.l. Londres Negra) porque viajar para lá é proibido e ninguém fala nisso no presente.

Oficialmente, Kell é o embaixador pessoal e o Príncipe adotado de Red London, carregando as correspondências mensais entre os membros reais de cada London. Mas, de uma forma não oficial, faz contrabando para aqueles que estão dispostos a pagar para ter um vislumbre de um mundo que nunca viram e isso é um hobby perigoso que o leva a ser condenado por traição acidental. Fugindo na Grey London, Kell colida contra Delilah Bard, uma ladra com aspirações elevadas. Ela assalta-o, salva-o de um inimigo perigoso e depois força-o a levá-la com ela para uma aventura adequada.

Mas magia perigosa está em marcha e a traição esconde-se em cada esquina. Para salva a London de Kell e as outras, Kell e Lila têm de, primeiro, sobreviver- um feito mais complicado do que eles esperavam".


Parece que a autora criou um livro recheado de mundos interessantes e não me admira que a G- Base Productions queira fazer uma série televisiva baseada nesta história. Schwab será a responsável pelo guião do episódio piloto.


E pronto! Já vos apresentei os meus novos "amigos"! Vemo-nos na próxima publicação!




Desta vez, trago-vos uma publicação sobre uma outra encomenda que chegou! Recebi, na realidade, dois livros, mas vou falar no outro amanhã. Neste artigo, vou falar sobre The Winner's Curse (tradução livre: A maldição do vencedor), de Marie Rutkoski.

Marie Rutkoski é autora de vários livros para crianças e jovens adultos. Estudou Shakespeare na Universidade de Harvard e é atualmente professora de Literatura Inglesa na Brooklyn College, uma faculdade da cidade de Nova Iorque, onde ensina drama Renascentista, literatura infantil e escrita criativa.


The Winner's Curse é o primeiro livro da The Winner's Trilogy (tradução livre: A trilogia do vencedor). Esta trilogia já se encontra completa, na medida em que o último, The Winner's Kiss (tradução livre: O beijo do vencedor) chegou às prateleiras norte-americanas no dia 29 de março. Segundo o Goodreads, o primeiro livro apresenta como pontuação geral 4.04 estrelas, enquanto o segundo, The Winner's Crime (tradução livre: O crime do vencedor) tem uma pontuação mais elevada, 4.21. Por fim, o terceiro romance, apesar de ter sido publicado há um mês, já conta com inúmeras críticas positivas, nas quais muitos leitores expressam satisfação perante a escrita magnífica da autora. Acrescentam, ainda, que Rutkoski elaborou o final perfeito para as personagens. O terceiro volume da trilogia conta, neste momento, com 4.46 estrelas.

Sinceramente, The Winner's Curse nunca foi uma prioridade na minha lista de desejos literários. Sempre o vi em blogs de leitores internacionais, porém, a minha curiosidade não estava suficientemente aguçada ao ponto de o comprar. No entanto, comecei a ver que Marie Rutkoski começou a ser muito falada na comunidade internacional de leitores, principalmente no Instagram. Aliás, vi muitas pessoas que, como eu, não tinham grande interesse por esta história, mas acabaram por se render às múltiplas críticas positivas do último livro da trilogia e, por isso, compraram imediatamente o primeiro. Foi assim que o meu interesse aumentou, pois essas mesmas pessoas começaram a escrever grandes elogios sobre o primeiro volume. Portanto, aqui está ele:




Como podem ver, a capa é lindíssima! O cor-de-rosa não é a minha cor preferida, mas está fenomenal nesta capa. Além disso, adoro os pormenores presentes no título, principalmente na mão da rapariga. Um trabalho fenomenal!

Se a capa deixou-vos curiosos, aqui está a sinopse (retirada do Goodreads e traduzida por mim):



"Ganhar o que tu queres pode custar tudo o que tu amas....

Como filha de um general num vasto império que se exibe na guerra e escraviza aqueles que conquista, Kestrel, de 17 anos, tem duas opções: ela pode juntar-se ao exército ou pode casar-se. Mas Kestrel tem outras intenções.

Um dia, ela fica impressionada ao encontrar uma alma gémea num jovem escravo em leilão. Os olhos de Arin pareciam desafiar tudo e todos. Seguindo o seu instinto, Kestrel compra-o, trazendo-lhe consequências inesperadas. Não demora muito até ela precisar de esconder o seu amor crescente por Arin.

Mas ele também tem um segredo e Kestrel rapidamente aprende que o price que ela pagou por um humano é muito maior do que aquilo que ela poderia ter imaginado.

Passado num mundo marcado por uma imaginação riquíssima, The Winner's Curse, de Marie Rutkoski, é uma história de jogos mortais onde tudo está em risco e a aposta é se tu conseguirás manter a tua cabeça ou se irás perder o teu coração".



Na primeira fila, temos as capas das edições britânicas. Já a segunda fila apresenta as edições norte-americanas.



Bem, só falta apresentar um livro, que vocês poderão ver amanhã! Para concluir em grande esta publicação, deixo-vos o book trailer de The Winner's Curse que, no entanto, não tem legendas: