Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Biblioteca da Daniela

A Biblioteca da Daniela

Fevereiro está quase a terminar, por isso, é uma boa altura para vermos o que foi lançado ao longo do mês em Portugal.

 

Primeiro, temos O Grande Armazém dos Sonhos, de Miye Lee. "Numa cidade misteriosa, escondida no subconsciente de cada um de nós, existe um grande armazém que vende sonhos para todos os gostos. Dia e noite, visitantes humanos e animais cruzam estas portas para comprar a sua próxima aventura. Cada andar é especializado num certo tipo de sonho: sonhos que apelam aos pequenos prazeres da vida ou a recordações de momentos especiais, sonhos nostálgicos sobre a infância, viagens maravilhosas ou comida deliciosa, sonhos que nos aquecem o coração ou sonhos inexplicáveis. Os sonhos nos quais damos por nós a voar estão quase sempre esgotados, e alguns visitantes procuram sonhos que permitem reencontrar aqueles que já não estão fisicamente entre nós.
Para Penny, que acaba de ser contratada para trabalhar no Grande Armazém dos Sonhos, esta é a oportunidade de uma vida. E à medida que vai descobrindo o dia a dia deste mundo extraordinário, vai também ligar-se a um conjunto de personagens inesquecíveis, desde logo o senhor DallerGut, o peculiar, mas sábio proprietário, Babynap, uma famosa criadora de sonhos, Maxim, um produtor de pesadelos, pois também os há, e os muitos clientes que sonham para sarar uma ferida, seja ela qual for, e para florescer na melhor versão de si próprios.
Com uma história inspiradora que deixará um sentimento reconfortante na mente dos seus leitores, O Grande Armazém dos Sonhos é o livro ideal para fazer uma pausa e respirar fora da realidade da vida quotidiana. Uma lição de sabedoria que celebra o poder misterioso dos sonhos, capazes de influenciar as nossas escolhas, mesmo que muitas vezes não o saibamos."

Foi lançado pela Bertrand Editora a 1 de fevereiro.

 

 

No mesmo dia, a mesma editora publicou O Clube de Leitura Antiguerra, de Annie Lyons. "Uma saga da Segunda Guerra Mundial, nostálgica e reconfortante, sobre a importância do espírito de comunidade durante tempos sombrios, com uma livraria nos subúrbios de Londres como pano de fundo.

Gertie e Harry conheceram-se numa livraria, e foi aí que se apaixonaram. Fundaram a Livraria Bingham em 1911, espaço que, rapidamente, se converteu numa referência local. Nem mesmo Gertie podia antever que, anos mais tarde, a Livraria Bingham se tornaria o último bastião de esperança para toda a comunidade…

Estamos em 1938 e, após a morte de Harry, Gertie Bingham entende que é chegado o momento de vender a preciosa livraria - a dor da sua perda é imensa. Contudo, à medida que o nazismo varre a Europa, há uma necessidade cada vez maior, pelo menos para alguns, de salvar o máximo de crianças judias, e Gertie é persuadida a juntar-se à rede. Quando Hedy Fischer cruza a sua porta, com uma pequena mala de viagem e poucas palavras de inglês, o mundo de Gertie transforma-se. Começa a guerra, que as duas vão enfrentar lado a lado.

A relação é tensa, no início, até que Gertie empresta a Hedy o seu exemplar de Jane Eyre, que lhe tinha sido oferecido por Harry no dia em que casaram. Forma-se então entre as duas uma ligação inscrita no amor pelos livros, e decidem formar o Clube de Leitura Antiguerra, fornecendo aos membros livros para que os leiam durante as investidas aéreas alemãs.

Todos partilham a guerra e as suas agruras durante meses, mas também autores e livros intemporais. Discutem tudo no abrigo da livraria - afinal de contas, um bom livro pode fazer maravilhas para animar pessoas de todas as idades e criar laços, mesmo nos momentos mais difíceis da História."

 

 

A 5 de fevereiro, a Secret Society lançou o tão aguardado Um Namorado para Levar, Please!, de Sher Lee. "O Dylan não tem uma vida fácil, entre ir às aulas e ajudar a tia no restaurante da família.
O Theo parece ter uma vida de sonho. É rico, giro, encantador e consegue tudo o que quer.
Os seus mundos são tão diferentes como o Sol e a Lua, mas quando se cruzam dá-se um eclipse.
O Theo decide ajudar o Dylan no restaurante e em troca só pede um favor: que ele seja o seu falso namorado e o acompanhe a um casamento.

No mundo de luxo, privilégio e dramas de gente rica, o romance entre os dois é suposto ser a fingir… até se tornar demasiado real.

Uma comédia romântica com um aspirante a chefe de cozinha que descobre que a receita para o amor é mais complicada do que parece e que, no meio de um falso namoro, pode haver sentimentos demasiado reais."

 

 

A 6 de fevereiro, pela editora IN, chegou a Portugal Empresto-te o Meu Coração, de Kasie West. "Wren salva cães, mas nunca tinha salvado um rapaz…

Habituada a que lhe digam que é obcecada por controlo, Wren não se importa com isso: a lista de regras que criou para si mesma ajuda-a a navegar pela vida. Contudo, quando um rapaz bonito, Asher, entra pela porta do café onde trabalha a sua melhor amiga, Wren resolve, pela primeira vez, ignorar as suas próprias regras.

Asher é fofo, inocente e dá os melhores abraços do mundo. Quando Wren se apercebe de que ele está a ser enganado por alguém com um perfil falso online, toma uma decisão tipicamente impulsiva: finge ser a rapariga com quem Asher tem trocado mensagens, para o salvar da tortura e humilhação a que o seu amigo Dale o quer submeter.

Não vai demorar muito até que Asher a faça quebrar ainda mais algumas das suas regras. o que irá acontecer quando ele descobrir que ela não é quem diz ser? Conseguirá perdoá-la? Wren não tem a certeza. Afinal, as regras existem por uma razão…"

 

 

No mesmo dia, a Levoir publicou Farsa de Inês Pereira, de Gil Vicente, adaptado por André F. Morgado e com ilustrações de Jefferson Costa. "Inês Pereira é uma jovem caprichosa, ambiciosa e emancipada, sabe ler e escrever, procura um marido que a faça feliz não ouvindo os concelhos que a mãe lhe dá, não quer ter uma vida submissa, acabando por se casar com o homem que quer, mas fica desencantada e desiludida, transformando-se na esposa infiel do segundo marido.

Farsa de Inês Pereira ilustra o ditado "antes quero burro que me leve que cavalo que me derrube", de forma bastante caricata e viva." 

 

 

No mesmo dia, a Guerra & Paz publicou Onde Está a Felicidade, de Camilo Castelo Branco. "Publicado por Camilo em 1856, Onde Está a Felicidade? é por vezes classificado como um retrato da sociedade portuguesa da época. De um lado, temos um rico proprietário, Guilherme, e do outro, a costureirinha de suspensórios de homens que é Augusta, cada um deles representando classes sociais opostas, revelando-se na trama um cortejo de ambições e de hipocrisia moral, com o dinheiro a ser um rio subterrâneo, cujo rumor ensurdece a trama passional.

Mas o verdadeiro tema de Onde Está a Felicidade? é outro, é o da insatisfação. O trio protagonista, Guilherme, Augusta e o poeta, exprime e testemunha uma profunda insatisfação existencial, insatisfação muito mais espiritual do que material. As questões materiais se não são negadas, são, no mínimo, secundarizadas, sendo a felicidade, o romance, a poesia e a literatura os motores de uma busca ética e estética que desemboca quase sempre no cepticismo, justificando o que, em O Penitente, Teixeira de Pascoaes escreveu sobre Camilo: a cara do autor de Onde Está a Felicidade? é muito mais a de Dostoévski do que a de Balzac ou Victor Hugo. Jorge de Sena resumiu assim este primeiro grande romance de Camilo: «Subtil complexidade.»"

 

 

A mesma editora, no mesmo dia, publicou Frankenstein, de Mary Shelley. "Foi no estranho ano de 1816, o ano sem Verão, que a escritora Mary Shelley, depois de um sonho - ou seria um pesadelo? -, deu vida ao terrível monstro de Frankenstein, a primeira obra de ficção científica da história. O livro chegou, em 1818, às livrarias e o mundo nunca mais foi o mesmo…

Frankenstein ou O Prometeu Moderno, simultaneamente um thriller gótico e um romance filosófico, conta-nos, através das cartas do capitão Robert Walton à sua irmã, a história do estudante Victor Frankenstein que, obcecado com a descoberta do segredo da criação da vida, cria um ser aterrador que acaba por abandonar à sua sorte. Solitário, incompreendido, maltratado e desprezado por todos, a criatura de Frankenstein lança-se numa jornada de busca por humanidade e amor, mas também de vingança contra o seu criador.

Esta luta entre um monstro e o seu criador, entre o normal e o estranho, entre aquilo que separa o ser humano e a sua criação tem sido longamente tratada pela cultura pop e é, hoje, com as questões em torno da inteligência artificial, mais actual do que nunca."

 

 

O último lançamento deste dia que destaco é Quero Comer o teu Pâncreas, de Yoru Sumino. "Sakura é uma rapariga popular e extrovertida. Mas há algo que ela mantém em segredo, algo de que apenas a sua família tem conhecimento: está a morrer de uma doença no pâncreas.

Acima de tudo, Sakura não quer que as pessoas passem a tratá-la de forma diferente, mas um dia a sua condição é descoberta por um colega de turma. Ele percebe que lhe resta pouco tempo de vida e ela fá-lo prometer não contar a ninguém. Sakura decide então tirar o melhor partido da situação e realizar os seus últimos desejos na companhia do rapaz, um introvertido e solitário amante de livros.

É assim que Sakura e o estudante dão por si a partilhar um segredo devastador. E o que resulta é uma amizade única, tão intensa quanto breve, tão poderosa como a própria vida."

 

 

Já no dia 7, a Editorial Presença lançou Uma Noite na Livraria Morisaki, de Satoshi Yagisawa. "Sim, devemos regressar onde fomos felizes. E à livraria Morisaki, lugar de histórias únicas, voltamos com Takako, para descobrir um dos romances japoneses mais mágicos do ano.

Estamos novamente em Tóquio, mais concretamente em Jimbocho, o bairro das livrarias, onde os leitores encontram o paraíso. Entre elas está a livraria Morisaki, um negócio familiar cuja especialidade é literatura japonesa contemporânea, há anos gerida por Satoru, e mais recentemente com a ajuda da mulher, Momoko. Além do casal, a sobrinha Takako é presença regular na Morisaki, e é ela quem vai tomar conta da livraria quando os tios seguem numa viagem romântica oferecida pela jovem, por ocasião do aniversário de casamento.

Como já tinha acontecido, Takako instala-se no primeiro andar da livraria e mergulha, instantaneamente, naquele ambiente mágico, onde os clientes são especiais e as pilhas de livros formam uma espécie de barreira contra as coisas menos boas do mundo. Takako está entusiasmada, como há muito não se sentia, mas… porque está o tio, Satoru, a agir de forma tão estranha? E quem é aquela mulher que continua a ver, repetidamente, no café ao lado da livraria?

Regressemos à livraria Morisaki, onde a beleza, a simplicidade e as surpresas estão longe, bem longe de acabar."

 

 

Ainda nesse dia, a mesma editora publicou outros dois livros, sendo um deles A Vida em Loop, de Lynn Painter. "Depois de viver o pior Dia dos Namorados da sua vida, Emilie Hornby refugia-se em casa da avó à procura de consolo. Acaba por adormecer no sofá e, quando acorda, percebe que está de volta a casa, à sua cama... e que é novamente Dia dos Namorados. E no dia seguinte? Outro Dia dos Namorados, igualmente horrível.

Emilie está presa numa espécie de loop temporal. E, enquanto não se liberta do pesadelo, tem de ver Josh, o namorado, traí-la dia após dia. Como se isto não bastasse, ainda se cruza a toda a hora, de forma quase sempre desastrosa, com Nick, o enigmático e deslumbrante parceiro das aulas de Química.

Quantas vezes pode uma rapariga ver a sua vida virada do avesso? E quando finalmente algo bom emerge destes dias terríveis, o que acontecerá a Emilie se o Universo deixar de lhe oferecer novos começos?"

 

 

A outra novidade é Só Posso Trair-te, de Ruta Sepetys. "Só os corajosos se atrevem a sonhar… e a escrever.

Roménia, 1989: Um rapaz é chantageado pela polícia secreta para se tornar informador. Cristian só tem duas opções: trair tudo em que acredita e desiludir os que ama ou usar a criatividade - e a escrita - para ajudar a derrubar o ditador.

Cristian tem 17 anos e um sonho: ser escritor. Cristian tem 17 anos e não pode sonhar: vive na Roménia, em 1989, num regime ditatorial, onde a liberdade não existe e a brutalidade destrói tudo. É neste ambiente de isol­amento e medo que começa a ser chantageado pel­a polícia secreta para se tornar informador. Agora, está perante um dilema: trair tudo e todos ou enfrentar o regime, usando a criatividade e a escrita para derrubar o maior ditador da Europa.

Cristian vai arriscar tudo - a decisão está tomada. O seu objetivo é dar voz a quem não pode lutar, expor a verdade sobre o regime e mostrar ao mundo que chegou o momento de o seu país ser livre. Mas qual será o verdadeiro preço da liberdade? Que pode um rapaz de 17 anos, com o poder das pa­lavras, realmente fazer?

Ruta Sepetys, autora multipremiada e mestre do thriller histórico YA com milhões de leitores em todo o mundo, escreveu um livro que mostra, de forma extraordinária, o valor da esperança que temos dentro de nós."

 

 

No dia 8, chegou a Portugal, pela Livros do Brasil, O Evangelho do Novo Mundo, de Maryse Condé. "Num domingo de Páscoa, um recém-nascido surge deitado sobre a palha, entre os cascos de um burro que o aquece com o seu bafo. «Um milagre! Aqui está uma dádiva de Deus que eu não esperava. Vou chamar-te Pascal», murmura a senhora Ballandra, a partir de então sua mãe adotiva. O bebé é muito belo, de pele morena, cabelos lisos e pretos, os olhos de um verde semelhante ao mar que rodeia o país. Mas esta beleza não é a única razão pela qual cresce a curiosidade geral e um rumor tenaz começa a ganhar cada vez mais terreno. Algo na história desta criança não é natural. Será Pascal, na verdade, filho de Deus? Qual a sua missão? Poderá ele mudar o destino dos homens, suavizar as suas dores e tornar o mundo mais justo? E o que indicará este evangelho do novo mundo acerca da nossa natureza e do nosso futuro? Distinguida em 2018 com o «Nobel alternativo», Maryse Condé revela nesta sua mais recente obra, escrita em homenagem a José Saramago, o estrondoso poder da imaginação que faz agitar consciências.

«Viste», prosseguiu o seu passageiro, «o que os homens fazem quando querem mudar o mundo a seu gosto? Acham que basta multiplicar as proibições, enquanto Deus, por seu lado, respeita sempre o livre-arbítrio de cada um; o maior presente que nos deu foi a liberdade.»"

 

Bertrand.pt - O Evangelho do Novo Mundo

 

Se não me engano, no dia 13, foi lançado uma edição revista de Oriente Próximo, de Alexandra Lucas Coelho. "«Oriente Próximo, o primeiro livro que publiquei, é um volume de não-ficção sobre Israel/Palestina, situado entre 2005 e 2007. Muito mudou desde então, e dramaticamente a 7 de Outubro de 2023, com o ataque do Hamas no Sul de Israel. Mas o que vivemos agora já se anunciava nestas páginas. Elas passam a guardar a origem do que está a acontecer e o que desapareceu entretanto. O mesmo livro, revisto quanto a redacção e paginação, agora com mapa e índice onomástico.
Termino a revisão ao voltar de um mês de reportagem na Cisjordânia Ocupada, no Estado de Israel e em Jerusalém. A Faixa de Gaza continua interdita a jornalistas de fora (com excepção dos inseridos nas forças israelitas, mediante censura), após mais de 100 dias de bombardeamentos que mataram dezenas de repórteres palestinianos. Mais de dois milhões de pessoas estão a morrer à fome, no meio de destroços e doença (incluindo cerca de 130 reféns israelitas). E o mundo continua incapaz de impor o cessar-fogo.
Uma tragédia sem precedentes. Em Israel/Palestina, mas também para o jornalismo, para as convenções e organizações de Direitos Humanos. Para a Europa, de que estas fronteiras são filhas. Para o que significa estar vivo em conjunto. O verso de Tom Waits que em 2007 escolhi para epígrafe parece fazer mais sentido do que nunca: Maybe God himself he needs all of our help.
Os direitos de autor relativos a esta edição foram já entregues à família do meu tradutor e anfitrião de muitas reportagens em Gaza, como as aqui publicadas.»"

 

 

De seguida, temos Jantar Secreto, de Raphael Montes. "Quatro amigos alugam um apartamento de luxo no Rio de Janeiro, no bairro de Copacabana, achando que têm o mundo inteiro a seus pés. Dante trabalha como vendedor numa livraria e estuda Gestão de Empresas; Leitão, um jovial hacker, prefere passar o tempo a relaxar com videojogos e a comer; Miguel, o mais sério do grupo, é estagiário de Medicina; e Hugo, um aspirante a cozinheiro, dono de uma vaidade ilimitada.

Porém, nada lhes corre como haviam planeado e acabam endividados. Para resolver o problema, começam a organizar jantares exclusivos... com uma ementa que ultrapassa, em muito, os limites do que podem ser considerados alimentos... E os quatro amigos rapidamente descobrem que, pobres ou ricos, negros ou brancos, velhos ou jovens, somos todos igualmente maldosos.

Com visitas a matadouros clandestinos, reuniões excêntricas e uma vertiginosa espiral de crimes, Jantar Secreto combina emoção e humor negro num enredo absolutamente hipnótico."

Foi lançado pela Cultura Editora a 20 de fevereiro.

 

 

No mesmo dia, a Aurora Editora publicou No Tempo das Cerejas, de Célia Correia Loureiro. "Um romance histórico profundo e apaixonante sobre a complexidade das relações humanas, que consolida Célia Correia Loureiro como uma voz surpreendente da nova geração.

Em 1947, Serafim Almeida - repórter em Londres e aspirante a novelista - regressa à Lisboa do pós-guerra e encontra uma metrópole vibrante. É então que recebe um convite inusitado de Irene Silva Vaz, uma cantadeira de fado com uma vida peculiar.

A curiosidade leva-o a percorrer Lisboa na companhia da fadista, enquanto esta procura expiar os seus fantasmas junto do velho repórter, pedindo-lhe que transforme as suas confissões num livro. Ao longo desse verão, Serafim ver-se-á enredado na sua teia intrincada de relatos de infância, de amores e ódios, de segredos familiares e, acima de tudo, da amizade tortuosa que Irene manteve com Helena Sousa - a costureira que parece assombrar todas as histórias da cantadeira."

 

 

No dia 21, a Manuscrito publicou Filhos da Chuva, de Álvaro Curia. "Em Domínio, a chuva não tem fim e os relógios pararam nas cinco da tarde. Numa terra sem tempo, as vidas andam todas desencontradas. Conhecedora dos hábitos de cada um, Muda percorre as ruas, carregada de sacos, distribuindo as compras e uma réstia de normalidade. Aguarda o momento em que se cruza com o filho, Amor, um jovem que vive aprisionado numa fábula que o padrasto lhe conta desde pequeno e que mudará a sua vida para sempre. Ao largo de Domínio está a Ilha da Fortaleza, onde encontramos Mãe, mulher possessiva, que nunca deixou Filho conhecer o mundo. Mas algo fará com que ele parta e o seu caminho se cruze com o de Amor. Poderá a decisão de um alterar a vida de todos?

Um romance em que a culpa e a obsessão andam de mãos dadas com o acaso e a coragem."

 

 

No mesmo dia, a Editorial Presença lançou Grão-Mestre do Demonismo n.º 1, de Mo Xiang Ton Xiu. "Chega finalmente a Portugal o maior fenómeno manhua do momento, campeão de vendas em todo o mundo.

Quando dois homens poderosos se encontram na vida e na morte, o resultado é… explosivo.

Temido e odiado pelas suas sinistras capacidades, Wei Wuxian, o grão-mestre do demonismo, foi aniquilado pelos clãs que se uniram para o destruir. Treze anos depois, Wei Wuxian renasce, por via de um jovem que sacri­ficou a sua alma num ritual proíbido. Agora, Wei Wuxian tem de procurar vingar aquele estranho que o trouxe de volta à vida - é isso ou arriscar a destruição da sua própria alma.

Porém, quando uma entidade malé­fica emerge do caos, aparece também um rosto familiar do passado de Wei Wuxian - um poderoso praticante do demonismo, fulcral para apurar a verdade entre as tenebrosas mentiras que os rodeiam.

Com texto de Mo Xiang Tong Xiu, baseado no romance original, e ilustrada pelos Luo Di Cheng Qiu, esta é a série de manhua que já tem milhões de leitores em todo o mundo. Tu és o próximo?"

 

 

A 22 de fevereiro, foi lançado Um Preto Muito Português, de Telma Tvon. "Cabo-verdianos que vivem há muito em Portugal e neto de cabo-verdianos que nunca conheceram Portugal. Também é bisneto de holandeses que mal conheceram Portugal e de africanos que muito ouviram falar de Portugal. Vive em Lisboa, mas não é considerado alfacinha. Terminou a licenciatura na faculdade e vai trabalhar num call center, com outros negros e brancos, pobres e ricos. Budjurra faz parte de uma minoria que, lentamente, vai sendo cada vez menos minoria. É um preto português, muito português, que, ao longo do livro e das aventuras que relata, levanta questões relativamente a temas como racismo, discriminação, estereótipos, igualdade e humanidade, mas também música, rap, identidade - numa Lisboa morena e colorida que é necessário conhecer: «Posso dizer, sem qualquer orgulho, que sou um homem estranho. Tão estranho como a minha alma. […] E assim como os anos e meses fluem no meu espírito bom e impotente, continuo apenas mais um preto muito português.» Com a sua rara humanidade, Budjurra mostra-nos como se vive por dentro da invisibilidade da comunidade africana, como se lida com as narrativas falsas que a envolvem, como se sobrevive aos preconceitos e ao esquecimento."

 

 

No mesmo dia, a Desrotina lançou dois livros, sendo Noiva, de Ali Hazelwood, um deles. "Uma perigosa aliança entre um noiva vampira e um lobisomem transforma-se num amor de cravar os dentes.

Misery Lark, a única filha do conselheiro vampiro mais poderoso do Sudoeste, fugiu... outra vez. Mas os seus dias a viver anonimamente entre humanos estão a acabar-se, pois foi convocada para preservar a aliança de paz entre os vampiros e os seus inimigos mortais, os lobisomens. E não tem escolha além de se entregar a um casamento forçado.

Os lobisomens são impiedosos e imprevisíveis, e o seu alfa, Lowe Moreland, não é exceção. Governa a matilha com autoridade, mas fá-lo de forma justa. E é evidente, pela maneira como passa a seguir os movimentos de Misery, a sua noiva, que não confia nela. Se ao menos soubesse como está certo...

Misery tem as suas razões para aceitar este casamento por conveniência, razões que nada têm que ver com alianças políticas, mas com a única coisa com a qual se importa; e está disposta a fazer o que for preciso para recuperar o que é seu, mesmo que isso signifique uma vida solitária no território dos lobisomens... e sozinha com o lobo."

 

 

A outra novidade da Desrotina é Vê se Cresces, Eve Brown, de Talia Hibbert. "Eve Brown deverá pôr um bocado de ordem no seu caos e mostar a quem duvidou dela que estavam errados.

Eve Brown é uma autêntica confusão. Por muito que se esforce por fazer o de tentar. Mas quando o seu caos arruína um casamento dispendioso, os seus pais põem um travão. Está na altura de Eve crescer e mostrar o seu valor. Jacob Wayne tem tudo sob controlo. Sempre. Por isso, quando um tornado de cabelo roxo aparece do nada para fazer uma entrevista para o seu lugar de chef de cozinha, ele diz-lhe a dura verdade: não tem a mínima hipótese. Depois, ela bate-lhe com o carro - supostamente por acidente. Sim, claro.

Agora, com o braço partido, a sua pousada tem falta de pessoal e a imprevisível Eve anda por aí a tentar ajudar. Em pouco tempo, ela infiltra-se no seu trabalho, na sua cozinha e no seu quarto de hóspedes.

Jacob odeia tudo isso. Ou melhor, deveria. A caótica Eve é a sua némesis nata, mas quanto mais tempo estes dois inimigos passam juntos, mais a sua animosidade se transforma em algo diferente...

Vê se Cresces, Eve Brown é o último livro da série As Irmãs Brown. Na encruzilhada da vida, podemos cair de formas inesperadas. Às vezes, é um simples acidente de carro que nos faz cair e partir o braço. Outras vezes, é o coração que decide cair de amores, por quem menos esperamos."

 

 

 

Termino esta lista com um livro cuja data de lançamento não conheço, mas já foi publicado este mês. Estou a falar de Maus Hábitos, de Alana S. Portero. "Um desafio a corações empedernidos: assim é Maus Hábitos, a história lírica e feroz de uma menina presa num corpo de rapaz, desbravando o caminho rumo à sua identidade, à revelia de tudo e de si mesma.

«Eu, menina esperta, maricas encoberta, gaga, gorducha, com uma pala a cobrir-me o olho esquerdo e uns óculos maiores do que o desejável, era o oposto da imagem de uma pequena endiabrada […]. Quando os adultos olhavam para mim, achavam-me engraçada ou sentiam um pouco de pena, nada grave […]. Dava-me conta disso e aprendi a usá-lo a meu favor. Conseguia pensar em termos cruéis. A consciência de que necessitamos de um armário para nos escondermos torna-nos espertíssimos.»

Este romance leva-nos numa travessia pelo território mais íntimo da natureza humana — uma travessia da qual não saímos incólumes. Maus Hábitos é a história do encontro de uma pessoa consigo mesma, alguém que nasce no corpo errado, no lugar mais triste e sem futuro, num tempo desolado. Pela mão da protagonista, vamos até à sua infância em San Blas — um bairro operário suburbano e dizimado pela heroína nos anos oitenta —, passamos pela adolescência selvagem nas noites clandestinas de Madrid e chegamos ao raiar do milénio, quando a promessa de liberdade é soterrada por um episódio de insuportável violência. Contudo, das cicatrizes mais fundas há de emergir não a redenção, mas a esperança."

Foi publicado pela Alfaguara Portugal.

 

 

 

O que acharam das novidades deste mês?

 

 

Daniela S..png

Antes tarde do que nunca! Sem mais demoras, aqui estão algumas novidades editoriais do primeiro mês de 2024!

 

Primeiro, temos O Rei de Foxglove, de Hannah Whitten, que é uma das minhas leituras atuais. "Uma jovem com o poder secreto de ressuscitar os mortos é atraída para o perigoso mundo da corte do Rei Sagrado, nesta fantasia gótica e romântica, da autora bestseller do New York Times, Hannah Whitten.

Aos treze anos, Lore escapou das garras de um culto perigoso nas catacumbas da cidade de Dellaire. E há uma década que tenta não ser encontrada. No entanto, não é tarefa fácil pois os seus poderes mágicos ligam-na à cidade. Valendo-se de muita astúcia, Lore sobrevive a traficar venenos para o grupo que a acolheu. Quando um trabalho corre mal e o seu poder é revelado, Lore é capturada pelos monges-guerreiros do Rei Sagrado. A jovem acredita que será condenada à fogueira, mas o Rei August tem outros planos. Nos confins do reino, aldeias inteiras morrem da noite para o dia. A jovem tem de usar a sua magia para descobrir o que se passa e quem é o responsável… se não quiser morrer.

Na corte do Rei Sagrado não se pode confiar em ninguém. Protegida por Gabriel, um duque que se tornou monge, e em constante conflito com Bastian, o excêntrico herdeiro do rei, Lore tem de lidar com intrigas e romances perigosos enquanto tenta sobreviver a uma sociedade corrupta e opulenta."

Foi publicado a 2 de janeiro pela Quinta Essência.

 

 

A seguir, temos In Memoriam, de Alice Winn. "Uma história de amor arrebatadora entre dois soldados na Primeira Guerra Mundial.

Estamos em 1914 e falar de guerra parece algo distante para Henry Gaunt, Sidney Ellwood e os restantes colegas de turma, instalados em segurança no seu idílico colégio interno no campo inglês. Aos dezassete anos, são demasiado jovens para se alistarem e, de qualquer modo, Gaunt trava a sua própria batalha privada - uma paixão que o consome pelo seu melhor amigo, o sonhador e poético Ellwood - sem fazer ideia de que Ellwood está apaixonado por ele, e sempre esteve. Quando a mãe alemã de Gaunt lhe pede para se alistar como oficial no exército britânico para proteger a família dos ataques anti-alemães, Gaunt alista-se imediatamente, aliviado por poder escapar aos seus sentimentos avassaladores por Ellwood.

A frente é terrível e, embora Gaunt tente dissuadir Ellwood de se juntar a ele no campo de batalha, este depressa se apressa a juntar-se a ele, estimulado pelo seu amor pelos heróis gregos e pela poesia romântica. Em pouco tempo, os seus colegas de turma seguem-lhe o exemplo. Uma vez nas trincheiras, Ellwood e Gaunt encontram momentos fugazes de consolo um no outro, mas os seus amigos estão todos a morrer, mesmo à sua frente, e a qualquer momento podem ser os próximos."

Foi lançado pela Casa das Letras no mesmo dia.

 

 

Depois, ainda no mesmo dia, também foi publicado, pela Edições Asa, Dia de Folga, de Dailygreens. "A história de um gestor de marketing Claude Shi que tem uma relação com um dos membros de sua equipa, Fei Hua!

O Chefe da Secção de Planeamento (às vezes muito exigente com a comida) está numa relação amorosa com o seu querido subordinado (do signo Gémeos)! O romance diário deles no escritório é, por vezes, doce, por vezes, um pouco ácido — os dois acompanham-se mutuamente durante todos os dias agitados de trabalho."

 

 

A 9 de janeiro, foi lançado, pela Levoir, A Árvore Despida, de Keum Suk Gendry Kim. "Em 1950, quando rebentou a guerra da Coreia, Kyung tinha vinte anos e vivia em Seul com a mãe. Para sobreviver, trabalhava como vendedora numa loja do exército americano. Um dia, conheceu Ok Heedo, um pintor que tinha fugido do norte do país. Para alimentar a família, ele pinta retratos encomendados pelos soldados. Kyung apaixona-se imediatamente por este homem, tão diferente dos outros, tão talentoso. E acima de tudo este amor ajuda-a a esquecer a terrível tragédia que acaba de atingir a sua família... Infelizmente, Ok é casado e, muitos anos mais tarde, visita uma exposição póstuma dedicada a este pintor. O passado sombrio que ela julgava adormecido ressurge de repente. Assim, ela começa a escrever a sua história para se reconciliar com os fantasmas que a assombram.

Inspirado numa história verídica, The Naked Tree é adaptado de uma obra de culto da literatura coreana. Este romance gráfico de cortar a respiração retrata, com grande delicadeza e modéstia as perturbações profundas e por vezes invisíveis causadas pela guerra."

 

 

De seguida, temos A Última Rosa de Xangai, de Weina Dai Randel. "Na Xangai de 1940, ocupada pelos japoneses, uma herdeira chinesa e um judeu refugiado apaixonam-se ao som da música… contra todas as expectativas. Contra todas as convenções.

Quando Shao Aiyi, uma jovem herdeira e dona de um popular e glamoroso antigo bar de Xangai, contrata Ernest Reismann, um judeu refugiado alemão, para ali tocar piano, estava longe de imaginar a caixa de Pandora que abriria. Ele vivia na miséria e tinha perdido toda a esperança, vagueando pelas ruas de uma Xangai ocupada pelos japoneses, em 1940 - até ela cruzar o seu caminho.

Aiyi é uma mulher um pouco fora do seu tempo, e a contratação de Ernest causa espanto entre os clientes do bar e a sociedade da época. Porém, é justamente o jazz daquele estranho que devolve ao bar de Aiyi a cor, a vida e o sentimento de outros tempos, de tal forma que o sítio se torna o mais procurado da cidade. Entre blues e outras sonoridades, Aiyi e Ernest rapidamente percebem que não é apenas a música que os une; as diferenças que os separam parecem ser inconciliáveis. e ela está comprometida com outro homem.

Enquanto a guerra toma conta do mundo, as vidas de Aiyi e Ernest afastam-se cada vez mais e ambos deparam com uma escolha terrível: sobreviver ou amar? Em breve, a resposta chega por meio de uma cadeia de acontecimentos que mudará os seus destinos para sempre.

Intemporal, romântica e dramática, esta é uma história de amor e redenção que já apaixonou milhares de leitores em todo o mundo."

Foi lançado pela Editorial Presença a 10 de janeiro.

 

 

A 11 de janeiro, a Aurora Editora publicou Este é o Meu Nome, de Chanel Miller. "E, por fim, às raparigas de todo o mundo, eu estou convosco. Nas noites em que se sentirem sozinhas, eu estou convosco. Quando duvidarem de vocês ou vos ignorarem, eu estou convosco. Lutei todos os dias por vocês. Por isso, nunca parem também de lutar. Eu acredito em vocês.

A justiça falhou-lhe.

A história de Chanel Miller revolucionou o mundo. Em 2015, Brock Turner foi apanhado em flagrante a abusar sexualmente de Miller no campus da Universidade de Stanford, na Califórnia, e condenado a apenas seis meses de prisão.
A leveza da pena e o testemunho poderoso de Chanel, visto e ouvido por onze milhões de pessoas em quatro dias, geraram uma onda de indignação global e vontade de ação imediata. A declaração foi lida no Congresso americano, motivou alterações na lei californiana e avaliações ao comportamento e decisão do juiz.

Ela recusou ser apenas mais uma estatística.

Este é o Meu Nome é uma memória íntima e emocionante, a denúncia de uma cultura patriarcal que favorece agressores e de um sistema de justiça criminal projetado para dececionar os mais vulneráveis.
Misturando dor, resiliência e uma grande sensibilidade, este cativante relato está destinado a tornar-se um clássico moderno, uma leitura essencial para inspirar a mudança e estender uma mão empática a todas as sobreviventes de agressão sexual.

E a sua voz ergueu um exército."

 

 

No mesmo dia, a Cultura Editora lançou Como Eu Era Antes, de Amber Smith. "Tudo o que Eden quer é distanciar-se do passado.

Eden sempre foi boa a ser boa. Gosta de livros, gosta de bandas. Tem jeito para muita coisa. É curiosa. Começar o ensino secundário não alterou nada disso nela. Era só mais um passo.

Porém, na noite em que o melhor amigo do irmão a viola, o mundo fica virado do avesso. O que antes era simples é agora complexo. Do que Eden gostava — de quem ela gostava — já não gosta, odeia. O que entendia como verdades parecem-lhe agora mentiras.

Sabe que deveria contar a alguém o que aconteceu. Mas não pode. Como solução, enterra o passado. Enterra o que era antes.

Mas Eden não conhece a força que traz escondida no coração.

A provocadora estreia da autora Amber Smith aborda os cortes profundos provocados pelo trauma, mas também a força de uma jovem que lida com as deceções e dores quase insuportáveis da adolescência."

 

 

A seguir, temos Este Livro Mata, de Ravena Guron. "Jess Choudhary frequenta um colégio interno de elite no qual reina a ordem e a excelência. Ou talvez não seja bem assim… Quando Hugh Henry Van Boren, um dos alunos mais populares, é encontrado morto, todos ficam obcecados com o caso. Mas é Jess quem dá por si no olho do furacão quando se descobre que Hugh foi assassinado da mesma maneira que a personagem de um conto que ela escreveu para uma aula.

Pouco depois, Jess recebe uma mensagem anónima a agradecer-lhe a inspiração. A jovem vê-se subitamente num beco sem saída. Pois embora conviva com algumas das pessoas mais privilegiadas do mundo, é aluna bolseira e um escândalo desta dimensão poderá pôr em risco o seu futuro. Para não falar da sua vida, já que está na mira de um assassino.

Entre a sociedade secreta de estudantes, a direção elitista da escola e a polícia, Jess está rodeada de inimigos, tendo poucos aliados em quem confiar. Mas o tempo está a esgotar-se, e ela sabe que, se não resolver este mistério, terá finalmente algo em comum com Hugh Henry.

Estarão ambos mortos."

A Edições Asa publicou este livro a 16 de janeiro.

 

 

A próxima novidade é Toda A Minha Raiva, de Sabaa Tahir. "De uma das autoras de literatura YA mais queridas da atualidade, Toda a Minha Raiva é um romance arrebatador e apaixonante sobre amor, arrependimentos antigos e perdão.

Salahudin e Noor são mais do que melhores amigos: enquanto emigrantes paquistaneses que cresceram juntos numa pequena cidade no deserto da Califórnia, entendem-se como ninguém e são quase como família. Mas uma discussão ocorrida no verão quebra o vínculo que havia entre eles.

Agora Sal debate-se por manter o motel da família a funcionar à medida que a doença da mãe, Misbah, se agrava e o pai afoga as mágoas no álcool. Já Noor vive uma situação delicada: trabalha na loja do tio e procura esconder-lhe os seus planos para ingressar na universidade e deixar Juniper para sempre.

Quando as tentativas de Sal para salvar o motel fracassam, ele e Noor vêem-se obrigados a questionar o valor da amizade e a encarar, de uma vez por todas, os fantasmas do passado..."

Foi lançado pela Kathartika a 18 de janeiro.

 

 

Neste dia, a Desrotina Editora publicou Ataque de Charme, de Alison Cochrun. "Uma comédia romântica espirituosa e encantadora que nos atinge diretamente no coração!

Dev Deshpande sempre acreditou em contos de fadas. Por isso, não é de admirar que se tenha tornado produtor de um reality show em que as celebridades procuram o parceiro perfeito. No trabalho, ele demonstra o seu sexto sentido e é como um Cupido com um laço. No entanto, na sua vida privada, nunca teve sorte. Até que o programa escolhe Charlie Winshaw, um jovem promissor da tecnologia, como protagonista.

Charlie está longe de ser o romântico Príncipe Encantado. Não acredita no amor verdadeiro e só aceitou participar no programa como um último esforço para recuperar a sua imagem. em frente às câmaras, é um desastre rígido e ansioso que não faz ideia de como sair com vinte mulheres na televisão. À medida que Dev luta para que Charlie se relacione com as concorrentes numa digressão mundial, eles começam a abrir-se um com o outro e Charlie descobre que tem melhor química com Dev do que com qualquer uma das participantes.

Mas até os reality shows têm um guião a seguir e, para serem felizes para sempre, terão de reconsiderar a história de amor que será contada."

 

 

Também neste dia, foi lançado, pela Cultura Editora, Leva-me a Qualquer Lugar, de Alice Kellen. "Léane é francesa, e Blake é inglês. Não são peças de puzzle que pareçam destinadas a encaixar-se. Mesmo quando o acaso os coloca no mesmo concurso de jornalismo promovido pela universidade, rapidamente concluem que nem sequer se suportam.

É fácil perceber porquê: ele valoriza os sonhos e ambições acima de qualquer outra coisa, e não está disposto a aceitar que algo se intrometa no caminho que quer seguir, nem sequer o sedutor sotaque de Léane. Ela, por sua vez, precisa do dinheiro do prémio, e usará todos os seus encantos para ganhar o tal concurso. Ambos estão dispostos a tudo, até a ignorar o magnetismo que gradualmente surge entre as suas estratégias e discussões.

Porém, quando o calor da atração atinge o ponto máximo, a frieza da realidade mostrará que, às vezes, os caminhos mais longos só podem ser percorridos com alguém que nos segure a mão."

 

 

No dia 22, foram publicados os primeiros livros da Secret Society, a nova chancela da Penguin! Um deles foi Guia para Lésbicas num Colégio Católico, de Sonora Reyes. "Um livro hilariante, vulnerável e honesto, sobre uma rapariga que aprende a celebrar o seu verdadeiro eu e sobre as alegrias de viver a sua verdade de forma livre e orgulhosa.

A Yami prefere ser conhecida pelo seu eyeliner perfeito e não por ser a única pessoa de origem mexicana no Colégio Católico cheio de pessoas brancas e ricas.

Depois de a sua ex-melhor amiga e ex-crush ter exposto a sua sexualidade perante toda a escola, a Yami tem as prioridades bem definidas no novo colégio: manter o irmão fora de problemas, deixar a mãe orgulhosa e, mais importante que tudo, não se apaixonar. Claro que ela nunca foi boa em nenhuma destas coisas, mas isso é um problema para a Yami do futuro.

A Yami do presente está determinada em ser hétero a todo o custo. O problema é que é difícil ser hétero quando a Bo, a única rapariga abertamente gay no colégio, é tão perfeita, inteligente e cute. Tão cute. A Yami não pode mesmo repetir os erros do passado e, definitivamente, não pode deixar que a sua mãe descubra que é gay."

 

 

O outro foi Eliza e os Seus Monstros, de Francesca Zappia. "«Desenhou tantos monstros que se tornou ela própria um monstro.»

Eliza é uma rapariga ansiosa, estranha e invisível. Mas ninguém sabe que online ela é LadyConstellation, a famosa criadora de O Mar Monstruoso, o webcomic mais popular do momento. É no mundo virtual que Eliza deixa os seus demónios pessoais tomarem a forma dos monstros que desenha. É ali que pode ser ela mesma.

A vida offline não lhe diz nada até conhecer Wallace, o mais famoso escritor de fanfiction do seu webcomic. Sem saberem a verdadeira identidade um do outro, começam lentamente a aproximar-se, unidos pelo mesmo fandom. Pela primeira vez, Eliza sente que o mundo real pode valer a pena…

A magia do fandom e das comunidades online, numa história que reflete sobre a descoberta da identidade, as questões de saúde mental e o enorme poder da imaginação para enfrentarmos os nossos demónios pessoais.

«As pessoas destroçadas não se escondem dos seus monstros. As pessoas destroçadas deixam-se ser devoradas.»"

 

 

A seguir, temos As Cinzas da Sra. Nash, de Sarah Adler. "Millicent Watts-Cohen tem uma missão, e quando prometeu à sua melhor amiga, uma idosa com quase cem anos, que a reuniria com a mulher por quem se apaixonou há quase oitenta anos, nunca imaginou que isso significaria viajar de Washington DC para Key West com três colheres de sopa dos restos mortais da Sra. Nash. Mas Millie está determinada a dar à amiga um «felizes para sempre» simbólico, antes que seja (realmente) tarde demais - e espera, também, assegurar-se, no processo, do poder duradouro do amor.

Só não esperava ter um companheiro de viagem vivo. Quando uma falha no sistema informático cancela todos os voos, Millie é forçada a ir à boleia com Hollis Hollenbeck, um conhecido dos tempos de faculdade do seu ex. À medida que vão sendo confrontados com pousadas peculiares, festivais absurdos em cidades pequenas e um veado com um desejo de morte, Millie começa a suspeitar de que o seu relutante companheiro de viagem pode gostar mais da sua companhia do que deixa transparecer. E quanto mais perto chegam do seu destino, mais Millie tem de admitir que, afinal, talvez esta viagem não seja apenas sobre a história de amor da Sra. Nash - talvez seja também sobre a sua própria história de amor."

A IN lançou este livro a 23 de janeiro.

 

 

Uma das novidades que marcou este mês foi Belladonna, de Adalyn Grace. "Espíritos inquietos que exigem vingança.

Sombras tão fascinantes quanto perigosas - e irresistíveis.

A morte persegue Signa: ficou órfã quando era bebé, sendo criada por uma sucessão de tutores mais interessados na sua fortuna do que no seu bem-estar, todos mortos prematuramente.

Aos 19 anos, resta-lhe uma excêntrica família de parentes que mora numa propriedade tão charmosa quanto sombria. O patriarca dos Hawthorne tenta esquecer a morte da mulher com grandes festas, enquanto a filha sofre de uma misteriosa doença e o filho se esforça para recuperar a reputação familiar.

Mas quando aparece um espírito atormentado que afirma ter sido envenenado, a jovem percebe que a família da qual depende está em perigo. Signa sabe que para descobrir o criminoso tem de fazer uma aliança com a Morte - uma fascinante e perigosa sombra que nunca a abandonou."

Foi publicado pela Clube do Autor a 24 de janeiro.

 

 

E, finalmente, temos Tisanas, de Ana Hatherly. "«O que me parece que ainda não foi publicamente dito é que estas pequenas narrativas, que pertencem à área do poema em prosa, têm o título de Tisanas porque considero que são infusões e não efusões.»

Estas Tisanas, pequenos poemas em prosa, foram um trabalho constante da vida literária de Ana Hatherly, iniciado em 1969. Durante a vida da autora, estes poemas conheceram várias publicações, sendo um grande número de novos poemas acrescentados e redigidos ao longo dos anos. A recolha que agora se apresenta tem por base a última revista pela autora, com um posfácio de Ana Marques Gastão."

Foi lançado pela Assírio & Alvim a 25 de janeiro.

 

 

 

Termino, desta forma, a publicação sobre os livros que foram lançados por editoras portuguesas no mês passado. Já compraram/leram algum?

 

Daniela S..png

No último mês do ano, é normal não vermos tantas novidades literárias quanto isso. Ainda assim, os poucos lançamentos de dezembro são muito interessantes! Por acaso, são todos do grupo Infinito Particular, que alberga diferentes chancelas, e foram publicados no dia 7 de dezembro.

Primeiro, da chancela Desrotina, temos Este Inverno, de Alice Oseman. "Neste Natal, o plano é sobreviver com o mínimo de drama possivel.
Irá Charlie conseguir?

O Natal é, normalmente, a época mais feliz do ano, mas é difícil manter o espírito alegre durante as férias de inverno quando os últimos meses foram tão complicados para Charlie - que esteve internado depois de ser diagnosticado com um distúrbio alimentar.
Embora o tempo em família possa parecer agradável, também pode ser desgastante lidar com familiares que tornam Charlie no centro das atenções e que não sabem nada sobre nada - particularmente quão difícil ser-se jovem, apaixonado e vulnerável pode ser.

Mas Charlie tem os seus dois irmãos — Tori e Oliver — para o apoiar. E, felizmente, o Natal só acontece uma vez por ano.
Quando as coisas se descontrolam, os irmãos Spring vão ter de encontrar uma forma de lidar com este inverno difícil - e talvez encontrar conforto ao lado uns dos outros.

Em Este Inverno, Alice Oseman dá-nos mais uma história sobre as adoradas personagens da popular série Heartstopper, abordando vários temas e tabus difíceis e importantes para a geração de hoje."

 

 

Ainda desta chancela, foi publicado O Priorado da Laranjeira, de Samantha Shannon. "A casa de Berethnet governa Inys há mil anos. Ainda solteira, a rainha Sabran a Nona, tem de conceber uma filha para proteger o seu reino da destruição — mas há assassinos a aproximarem-se das suas portas.

Ead Duryan é uma forasteira na corte. Embora tenha ascendido à posição de dama de companhia, é leal a uma sociedade oculta de magos. Ead mantém Sabran debaixo de olho, protegendo-a secretamente com magia proibida.
Do outro lado do mar, Tané treinou toda a sua vida para ser uma cavaleira de dragão, mas é forçada a fazer uma escolha que pode destruir a sua vida.

Entretanto, o Oriente e o Ocidente, divididos, recusam-se a dialogar. Aqueles que veneram os dragões, aqueles que os detestam e aqueles que veneram o Inominável parecem incapazes de se entenderem.
E as forças do caos estão prestes a erguer-se."

 

 

Pela chancela Cultura, lançaram Heartsopper: Volume 5 - O nosso futuro, também de Alice Oseman. "Rapaz conhece rapaz. Tornam-se melhores amigos. Apaixonam-se. Este é o quinto volume da muito apreciada série «Heartstopper», a banda desenhada LGBTQ+ mais vendida do mundo que explora a vida, o amor e tudo o que acontece pelo meio.

Nick e Charlie estão muito apaixonados. Finalmente disseram aquela palavra e Charlie está prestes a convencer a sua mãe a deixá-lo dormir em casa do Nick... mas com o Nick a ir para a universidade no próximo ano, será que está tudo prestes a mudar?

Escrito e ilustrado por Alice Oseman, vencedora do YA Book Prize, «Heartstopper» engloba todos os pequenos momentos da vida de Nick e de Charlie que, juntos, formam algo maior — algo que emociona todos nós.

Contém discussões sobre saúde mental e distúrbios alimentares, e referências sexuais."

 

 

Por fim, e também desta chancela, temos Taylor Swift, de Wendy Loggia, com ilustrações de Elisa Chavarri. "Sabes que a Taylor nunca desistiu dos seus sonhos e lutou sempre para alcançar os seus objetivos. Neste livro, com ilustrações maravilhosas, vais descobrir mais sobre a infância da cantora que se tornou num fenómeno mundial - e, como muitas pessoas dizem, na indústria da música.

Com uma coleção de prémios e fãs dedicados, de todas as idades, espalhados pelo mundo, a Taylor é uma inspiração e uma artista brilhante, que se orgulha de escrever as suas próprias músicas e tocar no coração das pessoas.

Este livro é essencial na coleção de qualquer fã da Taylor Swift!"

 

 

 

 

 

Assim, termino a última Wishlist de 2023. O que acharam dos lançamentos deste ano?

 

 

 

Daniela S..png

Aqui estão as novidades das editoras portuguesas para novembro!

 

Em primeiro lugar, temos Um Toque de Escuridão, de Scarlett St. Clair. "Perséfone é a Deusa da Primavera, embora só de nome, porque, desde que se lembra, as flores murcham ao seu toque. Perante a incapacidade de usar os seus poderes de deusa, decide mudar-se para Nova Atenas, onde espera levar uma vida sem complicações disfarçada de jornalista mortal.

Hades, Deus dos Mortos, construiu um império de jogo no mundo mortal, e dizem que as suas apostas favoritas são as impossíveis de ganhar.

Um encontro fortuito entre Perséfone e Hades prende a deusa num contrato de termos impossíveis: deve criar vida no Mundo Inferior ou perderá a sua liberdade para sempre. No entanto, a aposta fará mais do que expor o fracasso de Perséfone como deusa. Enquanto as sementes da sua liberdade se esforçam por germinar, os sentimentos por Hades crescem, apesar de saber que são… proibidos."

Foi lançado pela Marcador a 2 de setembro.

 

 

 

A 6 de novembro, a Alfaguara Portugal lançou Da Próxima Vez, o Fogo, de James Baldwin. "«Deus mostrou a Noé o sinal do arco-íris, não mais haverá água, da próxima vez, o fogo!»

Este livro galvanizou toda uma nação quando foi publicado pela primeira vez, em 1963. Foi um dos primeiros a dar voz à luta do Movimento dos Direitos Civis. Composto por dois textos intensamente pessoais — «A minha masmorra estremeceu», uma carta ao seu sobrinho, escrita no centenário da abolição da escravatura nos Estados Unidos, e «Aos pés da cruz», ensaio sobre a relação entre raça e religião —, Da Próxima Vez, o Fogo revela-nos a vida singular de James Baldwin, politicamente comprometida e interiormente conturbada.

Ao mesmo tempo que nos dá conta do que foi crescer no bairro nova-iorquino do Harlem, faz uma condenação sem reservas do terrível legado da discriminação racial na sociedade americana. Enquanto reflete sobre os dilemas da espiritualidade à luz da religião e da sexualidade, lança um olhar provocatório sobre as contradições políticas que condenam os negros à invisibilidade ou à violência, desferindo um ataque direto, mas pacificador, à hipocrisia que reside no coração do país da liberdade. Depois dos romances O Quarto de GiovanniSe Esta Rua Falasse e Se o Disseres na Montanha, eis um dos testemunhos mais inspiradores de sempre sobre as profundas raízes dos conflitos raciais na América e sobre a procura íntima de um lugar para si no mundo.

Um clássico da literatura, disponível pela primeira vez em Portugal."

 

 

Depois, temos Fogo Selvagem, de Hannah Grace, autora de Quebrar o Gelo. "Depois de uma noite louca, estes dois terão de resistir um ao outro - ou arriscar começar algo que é impossível controlar. Conseguirão eles aguentar tanto... fogo!?

Os caminhos de Aurora e Russ, ambos alunos da Universidade da Califórnia — Maple Hills, cruzam-se numa festa de fim de ano, quando a euforia os leva a passar a noite juntos. Uma. Noite. Louca! E uma aventura apaixonante, mas Aurora não é de prolongar estadias, e, na verdade, não espera muito de um homem, pelo que se escapa antes mesmo de Russ ter oportunidade de lhe perguntar o nome completo.

Imaginem a surpresa destes dois quando se veem frente a frente no primeiro dia do acampamento de verão da universidade, onde serão ambos monitores. Só queriam poder respirar longe das complicações que os aguardam nas suas vidas fora da faculdade: Russ deseja evitar ter de lidar com o pai e os seus problemas… Aurora está cansada de ter de implorar pela atenção de todos à sua volta. Ambos desejam passar o verão num sítio que lhes sabe a casa.

Russ está consciente de que se quebrar a regra que impede o convívio entre membros do staff poderá ter de regressar a Maple Hills antes que o verão termine, mas Aurora nunca foi de seguir regras.

Será que vão aprender a estar lado a lado sem dar largas aos caprichos do corpo e do coração? Ou será que aquela primeira noite juntos foi a faísca de um fogo quente e incontrolável, que nenhum dos dois conseguirá apagar!?"

A Bertrand Editora publicou este livro a 9 de novembro.

 

 

No mesmo dia, a Editora Minotauro lançou Vingativo, de V.E. Schwab. A sinopse poderá conter spoilers do primeiro livro, Vicioso. "Livre do encontro com a morte, Marcella Riggs ganhou finalmente o controlo que sempre quis e usará o seu recém-descoberto poder para deixar a cidade de Merit de joelhos. Fará o que for preciso, selecionando os seus próprios ajudantes e atiçando os dois mais infames, Victor Vale e Eli Ever, um contra o outro.

Com a ascensão de Marcella, novas inimizades criam oportunidades - e o palco, Merit City, será mais uma vez definido para um último e terrível acerto de contas." 

 

 

O último lançamento a destacar deste dia é O Reino das Temíveis, o último da trilogia de Kerri Maniscalco, publicada pela Bertrand Editora. A sinopse contém spoilers dos primeiros livros. "Emilia fica chocada depois de descobrir algo perturbador sobre a sua irmã, Vittoria. Contudo, antes de enfrentar os demónios do seu passado, Emilia anseia por recuperar o seu rei, o sedutor Príncipe Ira. Ela não deseja apenas o seu corpo… anseia pelo seu coração e pela sua alma, mas o enigmático demónio não os pode prometer.

Quando um membro importante da casa do Príncipe Ganância é assassinado, são encontradas provas incriminatórias que, de alguma forma, apontam Vittoria como a assassina. E Emilia fará de tudo para chegar ao fundo destas acusações contra a sua irmã.

Juntos, Emilia e Ira são arrastados para um jogo de enganos e pecados para resolver o assassínio e pôr fim ao alvoroço que se instala entre bruxas, demónios, metamorfos e as inimigas mais traiçoeiras de todas: as Temíveis. Emilia foi avisada de que, quando se trata dos Malditos, nada é o que parece. Mas e se os seus inimigos estiverem muito mais perto do que ela imagina? Quando a verdade for finalmente revelada, pode acabar por vir a custar a Emilia o seu coração…"

 

 

A seguir, temos Desejos Imortais, de Chloe Gong. "A única maneira de ganhar é sobreviver. Todos os anos, milhares de pessoas acorrem a San-Er, a capital do reino de Talin, onde o palácio organiza um torneio de jogos mortais. Aqueles que confiam na sua capacidade de saltar entre corpos podem entrar numa luta até à morte - e assim ter a oportunidade de ganhar uma fortuna inimaginável.

A princesa Calla Tuoleimi está escondida há cinco anos, desde que assassinou os próprios pais para libertar o povo de Talin da sua família tirânica. Apenas uma pessoa a impede de terminar o trabalho: o Rei Kasa, o seu recluso tio. No entanto, Calla sabe que ele cumprimenta sempre o vencedor dos jogos. Se ela ganhar, terá finalmente a oportunidade de o matar.

Entra em cena Anton Makusa, cujo amor de infância está em coma desde que ambos foram expulsos do palácio. Para a manter viva, ele contraiu todas as dívidas possíveis. O que significa que a sua última hipótese de a salvar é entrar nos jogos e ganhar. Quando Anton propõe uma aliança inesperada a Calla, a parceria entre os dois transforma-se rapidamente em algo que os consome. Mas antes que os jogos terminem, Calla tem de decidir pelo que está a jogar - o seu amante ou o seu reino. Aconteça o que acontecer, apenas um deles pode sair vivo...

Desejos Imortais é uma fantasia épica inspirada em António e Cleópatra, de Shakespeare. Uma colisão ardente de jogos de poder, sangue e paixão no ambiente implacável de jogos mortais."

Foi publicado pela Quinta Essência no dia 14.

 

 

Ainda neste dia, foi lançado, pela Oficina do Livro, Acreditar no Poder dos Desejos, de Jack Ryder. "Quando os pais da Pipa desaparecem numa tempestade no mar, ela é enviada para viver com a sua enigmática avó, e coisas estranhas começam a acontecer. Com o seu novo amigo Silvestre, descobre segredos do passado da sua própria mãe, um misterioso poço de desejos, sereias e moedas mágicas… Mas o que a Pipa está realmente a tentar descobrir é a resposta para a maior e mais importante de todas as suas perguntas: existirá um desejo p poderoso o suficiente que traga de volta os seus pais?"

 

 

Depois, temos a estreia de Ali Hazelwood na literatura Young Adult. Em Check & Mate - Xeque-Mate ao Amor, "Para Mallory, o xadrez acabou: foi a causa da destruição da família, há quatro anos, e agora as únicas coisas que importam são a mãe, as irmãs e o trabalho, que ela não adora mas paga as contas. Até ao dia em que aceita participar - pela última vez e ainda que relutantemente - num torneio de xadrez em que, quase sem querer, derrota brutal e eficazmente o Kingkiller, aka Nolan Sawyer, o bad boy e campeão mundial da modalidade.

Todos, sem exceção, ficam perplexos por uma novata triunfar sobre o suprassumo do xadrez. A estranheza é ainda maior quando Nolan quer voltar a defrontá-la. Que jogada tem ele na manga? Se fosse inteligente, Mallory partiria e seria simplesmente game over. Mas os prémios são apetecíveis, importantes para o futuro da família, e dentro de si há uma atração por aquele estratega enigmático, uma atração que cresce rapidamente…

À medida que Mallory sobe no ranking e tenta manter a família longe do que a desfez, o jogo passa do tabuleiro para a vida real, onde a concorrência é ainda mais feroz, mais inteligente, mais irritante, mais desejável… e tem um nome com cinco letras.

Xeque-mate? Um fenómeno do TikTok."

Foi publicado pela Editorial Presença a 15 de novembro.

 

 

No mesmo dia, a Marcador publicou Amor em Jogo, de Elena Armas. "Adalyn Reyes sempre esteve concentrada nos Miami Flames. No entanto, a sua carreira fica comprometida quando o vídeo de uma altercação com a mascote da equipa se torna viral. Consequentemente, o dono do clube (que também é o seu pai) manda-a para uma cidade no meio do nada para reanimar a equipa de futebol local.

Adalyn está disposta a fazer um grande esforço para o conseguir, mas não contava que os seus jogadores fossem um grupo de meninas de nove anos com tutus e uma cabra de estimação. Além disso, Cameron Caldani, ex-lenda do futebol, também se encontra na cidade, embora a sua presença ali seja um mistério.

Cam é o candidato perfeito para ajudar Adalyn, mas depois de um primeiro encontro um tanto acidentado (quem diz «acidentado» diz «atropelei-o com o carro»), o futebolista de elite só quer livrar-se dela a qualquer custo.

Porém, partir não é uma possibilidade para Adalyn, que não descansará até recuperar a sua antiga vida. Com ou sem a ajuda de Cam."

 

 

A 16 de novembro, a Desrotina lançou dois livros. Impostora, de R. F. Kuang, foi um deles. "Athena Liu é adorada no mundo literário e June Hayward é literalmente ninguém.

Mentiras inocentes.
Quando Athena morre num estranho acidente, June rouba o seu manuscrito não publicado e publica-o como se fosse seu sob o nome ambíguo de Juniper Song.

Humor negro.
Mas à medida que as provas ameaçam o seu sucesso roubado, June descobre até onde está disposta a ir para proteger o seu vergonhoso segredo e manter o sucesso que acredita merecer.

Consequências fatais.
O que acontece de seguida é inteiramente culpa de toda a gente."

 

 

O outro livro tem como título O Peso do Sangue e foi escrito por Tiffany D. Jackson. "Quando os residentes de Springville — os que ainda estão vivos — são questionados sobre o que aconteceu na noite do baile de finalistas, dizem todos o mesmo... Foi a Maddy.

Deslocada no liceu da pequena cidade da Geórgia, Madison Washington sempre foi alvo de chacota para os seus colegas, algo com que sofria em silêncio porque tinha problemas mais urgentes para resolver. Até à manhã em que uma chuva inesperada revela o seu segredo mais bem guardado: Maddy é negra. Tem-se feito passar por branca a sua vida toda, a mando do seu fanático pai branco, Thomas Washington.

Na sequência de um vídeo viral que revela as raízes racistas do Liceu de Springville, os líderes estudantis elaboram um plano para mudar a sua imagem: organizar o primeiro baile de finalistas conjunto entre alunos negros e brancos, como demonstração de união e tolerância. A popular delegada de turma, branca, convence o seu namorado, o incrível quarterback negro, a convidar Maddy para ir como seu par, deixando Maddy maravilhada com a possibilidade de, finalmente, ter uma vida normal.

Mas alguns dos seus colegas ainda não estão dispostos a deixá-la em paz. O que eles não sabem é que Maddy tem ainda outro segredo... um que lhes irá custar a vida a todos."

 

 

Ainda neste dia, a Aurora Editora publicou Gótico Mexicano, de Silvia Moreno-Garcia. "Uma história aterradora de terror gótico clássico, passada no glamoroso México dos anos 1950.

Em resposta a uma carta dramática da sua prima com a estranha alegação de que o marido está a tentar envenená-la, Noemí abandona a sua vida mundana e viaja para a província, para a vila de El Triunfo. É aqui, no famoso Lugar Alto, que vive Catalina, que se tornou uma sombra de si mesma desde que se casou com Virgil Doyle. Diz ouvir vozes vindas das paredes e ver pessoas mortas.

Mais de um segredo se esconde por trás das paredes do Lugar Alto. A antiga riqueza obtida com o império mineiro tem protegido os Doyle dos olhares curiosos dos habitantes de El Triunfo. No entanto, à medida que Noemí começa a cavar mais fundo, começa a ter visões perturbadoras e, pouco a pouco, descobre uma história aterradora que, ao que parece, remonta a várias centenas de anos.

Conseguirá Noemi resistir aos encantos magnéticos do jovem mestre, aos avanços do seu pai rabugento, à atração da própria casa, que lhe invade os sonhos com visões de sangue, violência e desgraça e da qual, como muito em breve descobrirá, Noemí nem sequer tem forças para sair?

Uma variação hipnotizante do romance gótico clássico, em que o suspense se entrelaça com o folclore mexicano e o charme dos anos 1950.
Um romance de terror envolvente vencedor do Goodreads Choice Awards."

 

 

No dia 20, foi publicado, pela Iguana, A Espera, de Keum Suk Gendry-Kim. "Gwijá tem noventa e dois anos e vive na Coreia do Sul. Após sete décadas de espera, ainda mantém o desejo de reencontrar o filho mais velho, de quem se separou quando seguia numa coluna de refugiados que fugiam do norte da Coreia. Gwijá teve de parar para amamentar a filha bebé e perdeu o marido e o filho no meio da multidão. Agora, num encontro organizado pela Cruz Vermelha, a sua amiga Jeong-Sun reencontra a irmã mais nova, após sessenta e oito anos de separação. Gwijá só deseja ter a mesma sorte e voltar a encontrar o filho.


Em 1950, a Guerra da Coreia separou famílias inteiras, que ficaram de lados opostos de uma fronteira intransponível. A partir das entrevistas que Keum Suk Gendry-Kim conduziu e dos vários testemunhos que reuniu (entre eles, o da própria mãe), o livro A Espera reconstrói o trauma familiar causado pela divisão da Coreia e pela guerra, e as suas dolorosas consequências."

 

 

Houve, ainda no dia 20, mais dois lançamentos, como Matilde e o Espelho da Sorte, o novo capítulo da coleção da autora e ilustradora portuguesa Patrícia Furtado. "Uma professora de Francês que não é quem diz ser, uma criatura perdida que ameaça destruir o jardim da tia Miranda, e um amuleto poderoso prestes a cair nas mãos erradas: a Matilde está de novo em sarilhos!

Ou será que são os sarilhos que vão à sua procura? De uma maneira ou de outra, vai precisar da ajuda dos seus amigos e de Fred, o furaleão, para descobrir os planos ocultos de Charlotte Roulotte, apanhar o flaluflo sem o assustar e recuperar o Espelho da Sorte antes que uma catástrofe aconteça.

E, como se não bastasse, parece que as cartas de jogo da Encruzilhada estão a tentar passar-lhe uma mensagem misteriosa! Será que, nesta sexta-feira 13, a Matilde confiou demasiado na sorte?"

 

 

O outro livro também é desta autora, mas, desta vez, é O Diário da Matilde. "Listas, desenhos, ideias, desabafos. Aqui podes escrever o que quiseres e desenhar o que te apetecer. A Matilde ajuda-te e até te dá conselhos.

Neste diário que partilharás com a bruxa mais simpática da cidade das Torres Altas, vais poder ser tu, sem segredos!"

 

 

O último lançamento a destacar este mês não é um livro, mas sim um calendário de 2024 com ilustrações de Joana Estrela. Será lançado no dia 30.

 

 

O que acharam dos lançamentos de novembro?

 

Daniela S..png

Wishlist Outubro de 2023 (Portugal) - Parte 3.jpg

 

Cá estamos nós para a última publicação sobre as novidades editoriais de outubro!

Primeiro, temos Enquanto o Fim Não Vem, de Mafalda Santos. "O inspetor Lobo quer descobrir quem matou Laura. Afonso quer que o deixem escrever o que ele gosta. Gabriela quer que o inspetor Lobo faça o seu trabalho e quer que Afonso escreva o que lhe pedem. Mas Laura continua morta, os pais dela pressionam as forças policiais, e é preciso apanhar o culpado. Ou será mais que um? que forças estranhas os rodeiam sem que deem por nada? Quando Afonso perde a namorada, Júlia, num horrível acidente, vê no luto a oportunidade que precisa para parar de escrever, sem ninguém contestar.

Se o leitor acha que já percebeu este livro, podemos afirmar, com toda a certeza, que não. Porque quando pensa que descobriu o que se passou, Mafalda Santos abre outra cortina com outra realidade, desafiando-nos. Mas quando o fim, finalmente, chegar, pode ter a certeza de que não passará despercebido." 

Foi lançado pela Suma de Letras a 23 de outubro.

 

 

No mesmo dia, pela Companhia das Letras, foi publicado O que é Ser uma Escritora Negra Hoje, de Acordo Comigo, de Djaimilia Pereira de Almeida. "«Fosse eu minha trisavó, preta de carapinha dura, e o meu destino seria o chicote. Ser uma escritora negra hoje, de acordo comigo, uma mulher deste tempo, é escrever contra esse facto, carregando-o às costas, sem deixar que ele me tolha.» Escrever é-lhe essencial, é na escrita que se encontra, se define, se questiona, se apazigua, foi na página que descobriu poder ser o que antes lhe havia sido impossível ser plenamente. E, no entanto, a escrita, e ainda mais viver da escrita, ter-lhe-ia sido vedado, tivesse a escritora nascido décadas antes.

Numa reflexão pessoalíssima sobre o que é ser mulher, escritora e negra hoje, Djaimilia Pereira de Almeida, uma das mais destacadas vozes da literatura em língua portuguesa, encara a contradição que é, para uma escritora negra, viver no melhor dos tempos sem se deixar apanhar pela armadilha que esse privilégio pode encerrar.

É com liberdade que Djaimilia vai exercendo o chamamento que esteve vedado às mulheres da sua vida, como a incontáveis outras mulheres negras antes de si. É com consciência do passado e do presente que vai tacteando o espaço que existe no mundo de hoje para uma mulher negra que escreve."

 

 

A seguir, temos A Queda da Casa de Usher e Outros Contos, de Edgar Allan Poe. "Um jovem cavalheiro é convidado para a velha casa de um amigo de infância, Roderick Usher. A mansão parece concebida como cenário de um conto gótico, com a paisagem lúgubre que a rodeia, dois irmãos gémeos, o próprio Roderick e Lady Madeline, e doenças misteriosas que fazem parte da história familiar e que se manifestam em sensações sobrenaturais.

Todos os elementos do género parecem estar reunidos, e, no entanto, o suspense, o terror desta história deve-se à incerteza, pois não sabemos exactamente em que parte do mundo se situa e em que tempo decorre. Há também um lago perto do solar dos Usher, mas suspeitamos que está lá apenas para compor um final fatídico.

O conto foi publicado pela primeira vez na Burton’s Gentleman’s Magazine. Tornou-se uma das obras de Poe preferidas da crítica e a que o próprio autor considerava a mais conseguida das que escreveu. Esta edição reúne outros contos de Edgar Allan Poe, como Manuscrito Encontrado numa GarrafaLigeiaUma Descida no Maelström e O Gato Preto."

Foi lançado pela Relógio D'Água a 24 de outubro.

 

 

A seguir, temos Atalanta, de Jennifer Saint. "Deixada na encosta de uma montanha, a indefesa Atalanta é deixada à mercê de uma mãe ursa e criada ao lado dos filhotes, sob o olhar protetor da deusa Ártemis.

Jurando que vai provar o seu valor ao lado dos famosos heróis da Grécia, Atalanta deixa a floresta para se juntar ao bando de argonautas de Jasão.

Mas poderá ela esculpir o seu próprio lugar nas lendas num mundo feito para homens?"

Foi publicado pela Editora Minotauro.

 

 

No dia 26, foi lançado, pela Aurora Editora, Escritores & Amores, de Lily King. "Recentemente saída de um relacionamento amoroso devastador, e de luto pela morte da mãe, Casey Peabody  sente-se perdida. O romance que anda a escrever há seis  anos não parece ir a lugar nenhum, ela vê as suas dívidas acumularem-se a cada mês que passa e, com trinta e um  anos, todos os seus amigos estão a casar-se e a ter filhos,  pelo que ela se sente cada vez mais desanimada e estagnada.

Uma escritora parada na vida. Dois homens que lhe oferecem caminhos.

É então que conhece Silas, gentil, bonito e interessado nela. Mas, apenas algumas semanas depois, Oscar, mais velho, mais fascinante e também mais problemático do que Silas, entra na sua vida, trazendo consigo os seus dois filhos. 
Casey fica dividida entre relacionamentos diferentes, que prometem futuros igualmente diferentes. 

Ah, e ainda tem um livro para escrever…"

 

 

A Desrotina Editora também lançou dois livros ontem. Um deles foi Rapazes do Cemitério, de Aiden Thomas. "Yadriel evocou um fantasma e, agora, não consegue livrar-se dele. 
Quando a sua família conservadora latina tem problemas em aceitar o seu verdadeiro género, Yadriel está determinado a provar que é um verdadeiro brujo. Com a ajuda da sua prima e melhor amiga Maritza, decide realizar o ritual e parte em busca do fantasma do seu primo assassinado, Miguel, para o libertar. 

No entanto, o fantasma que evoca é, na verdade, Julian Diaz, o bad boy que vive na escola, e Julian não está disposto a caminhar silenciosamente para a morte, mas sim determinado a descobrir o que lhe aconteceu e a resolver algumas pontas soltas antes de partir. Sem escolha, Yadriel concorda em ajudá-lo, para que ambos consigam o que querem. 

Mas quanto mais tempo Yadriel passa com Julian, menos ele quer deixá-lo partir."

 

 

O outro livro foi Um Dote de Sangue, de S. T. Gibson. "Esta é a minha última carta de  amor para vós, embora alguns lhe chamem uma confissão...

No limiar da morte, Constanta é salva por um estranho, misterioso e elegante homem que a transforma de uma filha do ferreiro de uma aldeia na Roménia medieval numa esposa perfeita de um rei imortal.  No entanto, quando Drácula envolve uma mulher aristocrata  e um ator sem dinheiro na sua teia de paixões e enganos,  Constanta começa a perceber que o seu amado  é capaz de feitos terríveis.

Aliando-se aos seus consortes rivais — a bela Magdalena  e o brilhante Alexi —, Constanta começa a desvendar  os segredos sombrios do marido, dando por si numa  encruzilhada entre a liberdade e o amor.

Com a vida de todos os que ama em jogo, Constanta  terá de escolher entre a sua própria liberdade  e o amor pelo marido. Mas laços forjados através  do sangue apenas podem ser quebrados  pela morte.

Uma reimaginação lírica das noivas de Drácula, Um Dote de Sangue é uma história sobre desejo, obsessão e emancipação."

 

 

Passemos, agora, para dois livros que foram lançados noutros dias deste mês, mas que eu não pude registar. Temos, primeiro, Amo-te Mais do que te Posso Dizer, de A. M. McAndrew. "«Ela parece compreender, e toma-me nos braços, beija-me a boca, o pescoço, lambe-me a orelha, e brinca com o meu brinco. Somos tomadas pela urgência, pela ânsia do prazer. a conversa inacabada permanecerá inacabada, pelo menos esta noite.»

Entre festas glamorosas, vestidos brilhantes, mulheres poderosas e lobbies profissionais, Elena e Charlotte são o retrato de um casal perfeito, rodeadas de boa comida, boa bebida e amigos ricos como elas, com profissões importantes e preocupações políticas. A verdade, no entanto, é que nenhuma vida é perfeita.

A chegada de Alicia, uma nova aluna de doutoramento, à faculdade onde Charlotte ensina, irá abalar a vida de Elena de uma forma que ela nunca antecipou. A sua ciumenta mulher, sempre tão insegura, muda de repente, trocando-a por Alicia, jovem, livre e fascinada por Charlotte.

Neste arrebatador romance de estreia, A. M. MacAndrew aborda intimamente o amor profundo entre duas mulheres, a atração, o desejo e a fragilidade de todas as relações — mesmo quando há amor."

Foi publicado pela Topseller.

 

 

O outro livro é A Malnascida, de Beatrice Salvioni. "Com ecos de autores como Natalia Ginzburg, Alberto Moravia ou Elena Ferrante, eis a estreia fulgurante de uma escritora cuja mestria literária se dedica, neste romance, à procura da origem do mal e dos obstáculos à liberdade individual.

Monza, Itália, 1936. Francesca, de 13 anos, está nas margens do rio Lambro, vergada sob o peso de um homem morto que tentou violá-la. Maddalena, amiga de Francesca, sai da água e ajuda-a a livrar-se do corpo: escondem-no no meio de arbustos. Este momento é um marco inolvidável na relação entre as duas raparigas, que começa um ano antes, quando Francesca se deixa fascinar por aquela a quem todos chamam «a Malnascida»: uma rebelde de origens humildes e com estranhos poderes.

Contrariando a vontade da sua mãe, obcecada pelas convenções sociais burguesas, e ignorando os rumores que atribuem várias mortes à Malnascida, Francesca junta-se ao seu bando de amigos problemáticos, ávida por descobrir um modo de vida em absoluta liberdade. Entre as duas amigas, contudo, imiscui-se a guerra e o fascismo. Francesca e Maddalena terão de fazer uma difícil escolha: aliar-se contra a opressão social e a injustiça, ou deixar que o curso da História as separe para sempre.

A Malnascida é o elogiado romance de estreia da italiana Beatrice Salvioni, distinguido com o prémio literário Scuola Holden, criado pelo premiado escritor Alessandro Baricco. Uma inesquecível história de amizade e crescimento, sob o pano de fundo da Itália fascista."

Foi lançado pela Alfaguara.

 

 

E, por fim, o último livro que destaco este mês, Bunny, de Mona Awad. "Samantha Heather Mackey não poderia sentir-se mais estranha no seu pequeno e exclusivo programa de mestrado em Belas-Artes na Universidade Warren de Nova Inglaterra. Uma estudante bolseira que prefere a companhia da sua imaginação sombria à das pessoas, Samantha é repelida pelo resto das alunas do seu curso de escrita de ficção, um grupo de miúdas ricas e insuportáveis que se tratam umas às outras por Coelhinha, e agem e falam como se fossem uma só pessoa.

Tudo muda quando Samantha recebe um convite para o famoso Salão Salaz, pelo qual se vê inexplicavelmente atraída, o que faz com que deixe para trás Ava, a sua única amiga. À medida que mergulha nesse novo e sinistro mundo, as fronteiras da realidade começam a esbater-se.

Bunny é uma história de solidão e pertença, amizade e desejo, e sobre o fantástico e terrível poder da imaginação."

A Relógio D'Água lançará este livro no dia 31 de outubro.

 

 

 

Termino, assim, a terceira e última parte focada nos lançamentos de outubro. O que acharam destas novidades?

 

Daniela S..png

Wishlist Outubro de 2023 (Portugal) - Parte 2 (1).

 

Vamos a mais uma publicação sobre as novidades literárias de outubro?

 

Primeiro, temos O Clube Sad Ghost, de Lize Meddings. "Esta é a história de um desses dias - daqueles tão maus que mal consegues sair da cama, quando é uma luta para saíres de casa, ou dos que gostarias de nunca ter vivido.

Mas mesmo os piores dias podem surpreender-te.

Numa festa lotada, um fantasma triste, perdido e sozinho vê outro fantasma triste na outra ponta da sala, e ambos decidem sair juntos.

O que acontece a seguir muda tudo. Porque naquela noite eles iniciam o Clube Sad Ghost - uma sociedade secreta para os ansiosos e sozinhos, um clube para todos aqueles que pensam que não têm onde pertencer."

 

Foi lançado ontem, dia 17, pela Edições Asa.

 

 

Ainda ontem, foi publicado, pela Casa das Letras, uma reedição de Kafka à Beira-Mar, de Haruki Murakami. "Kafka à Beira-Mar narra as aventuras (e desventuras) de duas estranhas personagens, cujas vidas, correndo lado a lado ao longo do romance, acabarão por revelar-se repletas de enigmas e carregadas de mistério. São elas Kafka Tamura, que foge de casa aos 15 anos, e Nakata, um  homem já idoso que nunca recupera de um acidente de que foi vítima quando jovem, que tem dedicado boa parte da sua vida a uma causa - procurar gatos desaparecidos.

Neste romance os gatos conversam com pessoas, do céu cai peixe, um chulo faz-se acompanhar de uma prostituta que cita Hegel e uma floresta abriga soldados que não sabem o que é envelhecer desde os dias da Segunda Guerra Mundial.

Trata-se de uma clássica e extravagante história de demanda e, simultaneamente, de uma arrojada exploração de tabus, só possível graças ao enorme talento de um dos maiores contadores de histórias do nosso tempo."

 

 

Depois, temos o segundo volume de A Menina que Veio do Outro Lado, de Nagabe. "Não devia ser tocada por eles.

Quem tocou em Shiva foi um forasteiro - aquela mão não era a do Doutor. A possibilidade de a maldição transformar Shiva numa forasteira deixa a menina confusa e o Doutor petri­ficado… Mas qual o signi­ficado da palavra sussurrada pelo forasteiro nesse clima de caos pacífico: mãe?

Continua a história sobre dois seres - um, humano; o outro, não humano - e sobre as manhãs, as noites, a luz e as sombras em que se encontram."

 

É lançado hoje, dia 18, pela Editorial Presença.

 

 

No dia 19, a Singular, nova chancela da Porto Editora, irá publicar Não Deslize para a Direita, de L. M. Chilton. "A recuperar do desastroso final de um longo namoro, Gwen Turner está decidida a seguir em frente o mais depressa possível. O único problema? Cada homem que conhece na aplicação Connector é mais tóxico do que o anterior. Felizmente, pode sempre bloqueá-los e nunca mais pensar neles.

Até ao dia em que, numa visita à aplicação, faz deslizar para a direita o perfil de um serial killer, cuja verdadeira intenção é matar todos os homens com quem ela se encontrou. Desesperada por apanhar o assassino, Gwen vê-se em situações muito comprometedoras e não demora a perceber que qualquer pessoa pode ser o homicida..."

 

 

Também neste dia, a Porto Editora irá publicar A Lanterna das Memórias Perdidas, de Sanaka Hiragi. "Esta é a história de Hirasaka e do peculiar estúdio fotográfico onde trabalha, um local que é um ponto de transição entre a vida e a morte.
Os «visitantes» de Hirasaka acordam no estúdio, onde são recebidos com uma chávena de chá, a par de uma inesperada novidade: acabaram de falecer. Antes de partirem para o Céu, terão de cumprir uma última tarefa: selecionar, de entre uma pilha de fotografias – testemunhos de toda a sua existência –, uma por cada ano de vida. Para além disso, têm a possibilidade de viajar no tempo, na companhia de Hirasaka, para capturar uma nova fotografia da memória mais especial, aquela que mais os marcou.
No fim, o visitante assiste ao filme da sua vida, projetado por uma lanterna rotativa, cuidadosamente montada por Hirasaka.
Completa-se assim o ciclo, antes da passagem em definitivo para a eternidade."

 

 

A seguir, temos O Indispensável de Mafalda, de Quino. "Mafalda, a irreverente e contestatária criança com angústias existenciais e defensora dos direitos humanos, é uma das personagens de banda desenhada mais acarinhadas de sempre.

Através da Mafalda e dos seus amigos, o inigualável cartoonista argentino Quino reflete com um humor crítico sobre política, economia e sociedade em geral.

Este livro reúne uma seleção das melhores tiras da Mafalda publicadas ao longo de dez anos agrupadas por temas.

No fim, encontra-se uma comovente e reveladora entrevista concedida por Quino ao jornalista italiano Rodolfo Braceli."

 

Será publicado pela Iguana a 23 de outubro.

 

 

Também a 23 de outubro, a TopSeller irá lançar A Sociedade Muito Secreta de Feiticeiras Invulgares, de Sangu Mandanna. "Mika encontrou a magia no lugar mais inesperado.

Mika Moon aprendeu desde cedo a esconder a sua magia, tentando passar despercebida e mantendo-se afastada das outras feiticeiras, para que os seus poderes não atraíssem atenções indesejadas. Depois de perder os pais quando era muito pequena, foi criada por uma série de amas e precetores, pelo que se habituou a cumprir regras e a passar a maior parte do tempo sozinha, a não ser nas reuniões esporádicas da Sociedade de Feiticeiras.

Até ao dia em que recebe uma mensagem com um pedido de ajuda: viajar até à misteriosa Casa de Nenhures, onde deverá ensinar três pequenas feiticeiras a controlar os seus poderes. Apesar de saber que está a quebrar todas as regras da Sociedade, Mika decide aceitar a proposta e acaba enredada na vivência extraordinária dos residentes, incluindo Jamie, um bibliotecário atraente e rabugento que a vê como uma ameaça à segurança das crianças.

Com o passar do tempo, Mika começa a sentir uma sensação de pertença, mas, quando a tranquilidade da Casa de Nenhures é ameaçada, ela terá de decidir se quer mesmo arriscar tudo para proteger o seu novo lar."

 

 

No dia 24, contaremos ainda com mais novidades, como Espero-te em Vénus, de Victoria Vinuesa. "Mia, de 17 anos, nasceu com um problema cardíaco. Não tem medo de morrer, mas sempre sentiu que algo a impedia de enfrentar o seu maior medo: procurar a sua mãe biológica em Espanha... até agora. Antes da sua próxima cirurgia, Mia decide que quer conhecer, de uma vez por todas, a pessoa que a abandonou.
Kyle sempre foi a diversão em pessoa... mas isso mudou drasticamente com o acidente de carro que matou o seu melhor amigo. Desde então, debate-se com a culpa e está disposto a fazer qualquer coisa para escapar da sua realidade. Depois de uma reviravolta do destino, Mia e Kyle acabam por se conhecer e decidem viajar juntos para Espanha em busca das respostas para as questões que os atormentam... mas será que o universo os uniu para mudar em definitivo a forma como se sentem em relação à morte e, sobretudo, ao amor?»"

 

Será lançado pela IN.

 

 

De seguida, temos, da editora Levoir, A Árvore Despida, de Keum Suk Gendry-Kim. "Em 1950, quando rebentou a guerra da Coreia, Kyung tinha vinte anos e vivia em Seul com a mãe. Para sobreviver, trabalhava como vendedora numa loja do exército americano. Um dia, conheceu Ok Heedo, um pintor que tinha fugido do norte do país. Para alimentar a família, ele pinta retratos encomendados pelos soldados. Kyung apaixona-se imediatamente por este homem, tão diferente dos outros, tão talentoso. E acima de tudo este amor ajuda-a a esquecer a terrível tragédia que acaba de atingir a sua família... Infelizmente, Ok é casado e, muitos anos mais tarde, visita uma exposição póstuma dedicada a este pintor. O passado sombrio que ela julgava adormecido ressurge de repente. Assim, ela começa a escrever a sua história para se reconciliar com os fantasmas que a assombram.

Inspirado numa história verídica, The Naked Tree é adaptado de uma obra de culto da literatura coreana. Este romance gráfico de cortar a respiração retrata, com grande delicadeza e modéstia as perturbações profundas e por vezes invisíveis causadas pela guerra."

 

 

O último lançamento deste dia que eu destaco é Boy Parts - Partes Masculinas, de Eliza Clark. "O hobby favorito de Irina é encontrar homens não particularmente atraentes na rua, convencê-los a irem para sua casa e tirar-lhes fotografias explícitas em posições comprometedoras. Mas será que se fica por aqui?

Depois de iniciar uma licença sabática do bar onde trabalha - por ter sido agredida por uma cliente -, Irina é convidada a expor o seu trabalho numa galeria da moda em Londres, uma quebra da sua rotina de cinema extremo, drogas e álcool. Mas esta notícia vai fazer com que entre numa espiral autodestrutiva, que envolve a sua obsessiva melhor amiga e um jovem rapaz que chamou a sua atenção…

Uma sucessão de noites repletas de drogas, trocas de mensagens agressivas com a melhor amiga, sessões fotográficas de arrepiar e memórias obscuras, fazem com que Irina, e o leitor, tenha dificuldade em distinguir a realidade da ficção. Não é por acaso que Boy Parts é apelidado de American Psycho feminista.

Boy Parts é um incendiário romance de estreia que é, ao mesmo tempo, grotesco e hilariante e que explora sem medos a sexualidade e as relações dos dias de hoje."

 

 

A 26 de outubro, pela Bertrand Editora, teremos Alcateia, de Maria Teresa Maia Gonzalez. "O meu último apelido é Lobo. Sou Francisco Lobo, ando no 7º ano e o meu melhor amigo é o Girafa. Espera aí! Um lobo e uma girafa? Devem pensar que estou a gozar. Só-que-não. Agora a sério, o meu último apelido é mesmo Lobo, e o meu amigo é tão alto que todos lhe chamam Girafa. Mas que história é esta?

É a história de um grupo de lobos, sendo que tanto na escola como na vida há lobos maus e lobos bons. Uns falam e outros uivam. Uns zangam-se e outros protegem-se. Uns vivem isolados e outros em alcateia. Quais são os humanos e quais são os animais? Nem sempre se percebe, mas eu, o Girafa e a Leonor (uma rapariga mesmo fixe!) fizemos um trabalho para a escola sobre lobos e descobrimos a história incrível do lobo que se tornou amigo de Francisco de Assis. Andava o lobo a assustar os habitantes de uma aldeia quando São Francisco, conversando e arranjando-lhe comida, se tornou seu amigo, e o lobo deixou de ser perseguido, o que foi mesmo fixe!
Achas possível sermos amigos de um lobo? Se não tens a certeza, lê a história desta Alcateia e depois decide. Enfim, esta é uma história de lobos, do Lobo e de um grupo fixe de amigos da escola.

E tu? Quem são os teus melhores amigos? Quem forma a tua alcateia?"

 

 

E há ainda mais lançamentos neste dia, mas têm de esperar pela próxima publicação!

O que acharam destas novidades?

 

Daniela S..png

Wishlist Outubro de 2023 (Portugal).png

 

Outubro tem sido um mês cheio de novidades relativamente mercado editorial português!

 

Em primeiro lugar, temos o Clube das Princesas Amaldiçoadas, de Lambcat. "Esta é a Gwendolyn — a prova viva de que as princesas nem sempre têm tudo. Embora viva num castelo e o seu pai seja o rei, Gwendolyn não é como as princesas dos contos de fadas e não é convencionalmente atraente.

Mas, certa noite, tropeça no mundo obscuro do Clube das Princesas Amaldiçoadas e a sua vida muda para sempre. Amaldiçoadas e marginalizadas, as princesas do clube são justamente as pessoas de que Gwendolyn precisa para lhe mostrar que, lá porque não se encaixa no molde, não significa que seja menos princesa."

Foi publicado a 3 de outubro, pela Edições Asa.

 

 

No mesmo dia, foi publicado Assassinato no Museu - Montgomery Bombom n.º1, de Alasdair Beckett King. "Muitas pessoas passam a vida inteira sem perceber que está a acontecer algo de errado ou desagradável; sem nunca terem experimentado aquela sensação de formigueiro nos dedos dos pés e de voltas no estômago, causada por um mistério que está prestes a ser revelado.

Mas não a Bela Montgomery - a melhor detetive do mundo. Não que alguém (além do avô Banks) tenha ouvido falar dela... Mas já devem ter ouvido falar do grande Montgomery Bombom, o senhor detetive bem vestido que (além da boina e bigode) parece suspeitamente com uma menina de 10 anos."

Foi lançado pela Oficina do Livro.

 

 

Ainda neste dia, a Dom Quixote publicou Dentes Brancos, de Zadie Smith. "Conheçam os Jones, os Iqbal e os Chalfen. Três famílias na etapa final do século XX, todos ingleses em vários graus e com as suas vidas interligadas a todos os níveis possíveis - pessoalmente, politicamente, historicamente, geneticamente.

De raças diferentes, de religiões diferentes e de diferentes lados da nunca esquecida barreira colonial, têm uma coisa em comum: um pequeno bairro no Norte de Londres onde todo o tipo de extremismo faz parte do quotidiano e os dilemas das gerações anteriores são obsessivamente remoídos pelo presente.

Atravessando todas as desgraças do século, passadas e presentes, a Ocidente e a Oriente - terramotos, nazis, motins, guerra, apocalipse e roubo de terras - Dentes Brancos é um romance inesquecível, a um tempo épico e cómico, sobre a Inglaterra multicultural."

 

 

Depois, temos Três Suecos na Montanha, de Lily Gold. "Três atraentes suecos. Uma mulher em fuga.
Uma cabana isolada onde a temperatura pode aquecer rapidamente…

Daisy está em fuga. Os amigos e a família abandonaram-na, e o namorado persegue-a depois de uma atitude imperdoável. A única solução é afastar-se para umas férias forçadas na Suécia. No entanto, Daisy não contava com o alce que lhe destrói o carro… nem com o deus nórdico que a resgata.

O olhar azul e duro de Cole esconde um coração generoso e compassivo. E é por isso que decide dar abrigo a Daisy na cabana que partilha com Riven, o médico sereno e de comportamento irrepreensível, e Eli, o namoradeiro instrutor de esqui com um sorriso encantador e covinhas adoráveis.

Com uma tempestade a aproximar-se, a cabana é o único refúgio seguro. E entre uma fogueira crepitante e a proximidade forçada de três suecos deslumbrantes, amigáveis e que adoram partilhar, as coisas começam a aquecer rapidamente. Parece demasiado estranho para ser verdade. Ou demasiado bom?

No entanto, Daisy não é quem aparenta. Quando a sua verdadeira identidade for revelada, serão eles capazes de perdoar as mentiras? Ou irá o seu segredo sombrio e doloroso deitar tudo a perder?"

A Edições Chá dos Cinco lançou este livro a 4 de outubro.

 

 

E mais outros livros foram publicados também neste dia, como Beloved, de Toni Morrison. "Inspirado num caso ocorrido no Kentucky, em 1856, Beloved retrata o horror e a insanidade de um passado doloroso, numa época em que o país começa a confrontar-se com as feridas deixadas pela escravatura recém-abolida.

Sethe, ex-escrava, mata a sua própria filha, ainda bebé, para que esta escape ao destino indigno e atroz da servidão. Depois do gesto brutal e doloroso, consegue fugir para Cincinnati, no Ohio, onde, cheia de esperança, acredita que pode ter uma nova vida.

Porém, dezoito anos mais tarde, Sethe ainda não é verdadeiramente livre, e coisas horríveis começam a acontecer: a sua casa não só é assombrada pelas memórias torturantes do passado, como também pelo fantasma da bebé, que morreu sem ter nome e em cuja sepultura está gravada uma única palavra: «Beloved».

Considerado pelo New York Times um dos romances mais importantes do século XX e vencedor do prémio Pulitzer, Beloved, o mais aclamado romance de Toni Morrison, é um retrato realista e pungente da condição cruel e infame dos negros americanos durante o século XIX, narrado com extraordinário virtuosismo."

Foi publicado pela Editorial Presença.

 

 

 

A seguir, temos Um Amor Feliz, de David Mourão-Ferreira. "O único romance publicado (em 1986) por David Mourão-Ferreira recebeu o aplauso geral da crítica, tendo acumulado o Grande Prémio de Romance da Associação Portuguesa de Escritores, o Prémio de Narrativa do Pen Clube Português, o Prémio D. Dinis e o Prémio de Ficção do Município de Lisboa. Essa quase unanimidade foi confirmada por um amplíssimo número de leitores de consecutivas edições. Talvez pela ambiguidade do título, o livro abre-se a uma sedutora pluralidade de interpretações, todas elas deixadas em suspenso: o Amor Feliz será o que se concretiza na relação entre Fernão e Y? Entre o autor e a narratária? Ou antes com essa matéria mais carnalmente incorpóreaa feminina multidão das palavrasas que se entregam e as que se esquivam?"

A Assírio & Alvim lançou este livro no dia 4.

 

 

A mesma editora, no mesmo dia, publicou mais um livro deste autor, Gaivotas em Terra. "Quatro novelas lisboetas, quatro histórias em tempos e ambientes diversos da cidade. Gaivotas em Terra (1959) foi a primeira obra de ficção de David Mourão-Ferreira, que se revelou exímio na arte da narrativa curta, logo galardoada com o Prémio Ricardo Malheiros. Estes textos, imediatamente aplaudidos — Urbano Tavares Rodrigues saudou um mestre da técnica novelesca —, comunicam entre si, com personagens reencontradas em várias novelas, e desenvolvem-se como um grande romance sobre a capital. Gaivotas em Terra continua a prender-nos nas suas histórias de amor e desamor, numa certa percepção da realidade portuguesa e da História com maiúscula (Maria Lúcia Lepecki) e a deixar-nos, nas palavras de Bruno Vieira Amaral, posfaciador desta edição, súbditos do império do desejo."

 

 

O último lançamento deste dia que destaco é Crookhaven - Uma Escola para Ladrões, de J. J. Arcanjo, um autor luso-britânico.

"Gabriel, de 13 anos, é um carteirista brilhante, um talento que usa para encher a barriga e sobreviver. Até que, um dia, é apanhado.
Mas, em vez de ser preso, é convidado pelo misterioso Caspian Crook a frequentar Crookhaven – uma escola para ladrões. Em Crookhaven, os alunos aprendem todo o tipo de truques, como arrombar fechaduras, falsificar e fugir. Tudo com a intenção de aldrabar os maus, ajudando os inocentes.
Mas... será que podemos realmente confiar num ladrão?
Com muitos mistérios para desvendar, o primeiro ano de Gabriel em Crookhaven será inesquecível..."

 

 

A 9 de outubro, a TopSeller publicou Olá, Linda, de Ann Napolitano. "Poderá o amor curar uma pessoa ferida?
Uma história comovente sobre como é possível amar alguém, não apesar de quem a pessoa é, mas por causa disso mesmo.

William Waters cresceu numa casa silenciada pela tragédia, na qual os seus pais mal conseguiam olhar para ele, muito menos amá-lo; mas quando conhece a vivaz e ambiciosa Julia Padavano, é como se o seu mundo se iluminasse. E com Julia vem a sua família, pois ela e as três irmãs são inseparáveis: Sylvie, a sonhadora, é feliz com o nariz enfiado nos livros; Cecelia é um espírito livre, apaixonado pelas artes; Emeline cuida pacientemente de todos eles. Com os Padavanos, William experimenta um novo sentimento: ter um lar, pois cada momento naquela casa é repleto de caos amoroso.

É então que a escuridão do passado de William vem à tona, colocando em risco não apenas os planos cuidadosamente pensados por Julia para o futuro de ambos, mas também a inexorável devoção das irmãs umas pelas outras. O resultado é uma desavença familiar catastrófica que muda irremediavelmente as suas vidas.

Será a inabalável lealdade que outrora os ligava forte o suficiente para voltar a reuni-los quando é mais importante?"

 

 

No mesmo dia, foi publicado, pela Iguana, Mulher Vida Liberdade, de Marjane Satrapi. "Para marcar o aniversário da morte da iranaiana Mahsa Amini e o começo do movimento Mulher Vida Liberdade, um livro com a visão de dezassete ilustradores reconhecidos mundialmente e três especialistas sobre o Irão, sob a coordenação de Marjane Satrapi.

Em 16 de Setembro de 2022, Mahsa Amini, uma jovem estudante iraniana, foi detida e espancada até à morte pela polícia religiosa em Teerão. O seu único crime foi não usar o lenço imposto às mulheres pela República Islâmica. O destino desta mulher de 22 anos desencadeou uma onda de protestos sem precedentes que rapidamente se espalhou por todo o país.

Por ocasião do primeiro aniversário do movimento, Marjane Satrapi reuniu alguns peritos e cartoonistas. Juntos, querem mostrar o que não pôde ser fotografado ou filmado devido à censura."

 

 

Também no dia 9, a TopSeller lançou Maame, de Jessica George. "A história de crescimento e autodescoberta de uma mulher dividida entre duas culturas em busca do seu lugar no mundo.

Maddie está à espera de que a sua vida comece. Aos 25 anos, é a principal cuidadora do pai, que sofre de doença de Parkinson, enquanto a mãe se ausenta durante longos períodos no Gana. O seu emprego como assistente administrativa num teatro de Londres está a revelar-se um beco sem saída e Maddie está cansada de sentir que é a única pessoa negra em qualquer reunião de trabalho.

Quando a mãe anuncia que vai regressar a Londres durante um ano, Maddie aproveita para sair de casa e começar a fazer todas as coisas que as outras pessoas da sua idade já parecem dominar. Começa a partilhar um apartamento com duas outras raparigas, aceita sair à noite com as amigas, decide pedir mais responsabilidades no trabalho e lança-se no desconcertante mundo das aplicações de encontros amorosos.

Tudo parece estar a entrar nos eixos quando algo terrível acontece, obrigando Maddie a confrontar-se com a natureza pouco convencional da sua família e a complexidade de se sentir dividida entre dois países e duas culturas. Porém, é ao lidar com questões como o trauma, o racismo, a sexualidade e a saúde mental que Maddie tem a oportunidade de descobrir a sua própria força e a sua própria voz."

 

 

Ainda neste dia, a Fábula publicou O Fantasma de Anya, de Vera Brosgol. "Uma novela gráfica premiada para adolescentes desempoeirados, sem medo de fantasmas.

Um livro premiado que conta uma história repleta de segredos, reviravoltas e emoção. Anya é uma adolescente como tantas outras: sente dificuldade em integrar se no colégio por ter uma família imigrante, está descontente com alguns aspetos do seu corpo e tem um fraquinho por um rapaz que já tem namorada.

A queda num poço antigo e fundo vai trazer-lhe uma nova amizade bastante peculiar: o fantasma de Emily, uma rapariga que morreu há um século, que depressa se torna uma ajuda preciosa (e invisível) para o dia a dia de Anya. Até que começam a surgir problemas…

Novela gráfica premiada que conta uma história repleta de segredos, reviravoltas e emoção.

Apesar do seu mau-humor, inseguranças, fraquezas e sarcasmo, Anya conquistará leitores de todas as idades."

 

 

Ainda neste dia, a Booksmile lançou As Aventuras da Família Monstro N.º1 - A invenção desastrosa, escrito por Bruno Matos e ilustrado por Ana Valente. "A família mais monstruosamente fixe de sempre está de volta com novas peripécias numa nova coleção imperdível.

Junta-te à Vamp, ao Franko, ao Mumu, à Mamã Ogre e ao querido Flic em As Aventuras da Família Monstro... histórias repletas de magia, aventura e muito mistério, sempre com uma imensa dose de humor.

Ao apresentar a sua mais recente invenção na Feira Anual de Inventores Juniores de Monstrópolis, o Franko esperava tudo... menos que fosse roubada! A Família Monstro decide ir até aos Picos Gelados atrás do ladrão, mas a missão prova-se mais fria e difícil do que esperavam.

Os cinco aventureiros terão de lutar pela vida e ajudar dois povos inimigos a sobreviver enquanto enfrentam um monstro malvado e muito misterioso. O perigo está à espreita, mas a Família Monstro está pronta para a ação!

Desafia também os teus familiares e amigos, e divirtam-se!"

 

 

A E-Primatur, também no dia 9, lançou Cartas Portuguesas de Mariana Alcoforado, de Mariana Alcoforado e José António Falcão. "Passados 300 anos da morte da freira portuguesa mais famosa de todos os tempos, uma nova edição anotada das cartas que lhe foram atribuídas e que se tornaram uma das histórias de amor impossível mais famosas da literatura ocidental. Publicadas originalmente em 1669, estas cinco cartas de uma freira portuguesa destinadas ao seu apaixonado, um oficial francês, tiveram grande impacto na literatura europeia da qual a França era a porta-estandarte.

A investigação histórica que foi feita no decorrer de séculos e até aos nossos dias confirmou, por um lado, que a religiosa teria sido Mariana Alcoforado e, por outro, que o oficial francês seria o marquês de Chamilly, na época em Portugal com o contingente francês para apoiar as forças portuguesas que se opunham ao exército espanhol na luta pela Independência de Portugal. Mais tarde, a continuada investigação considerou mais provável que se tratasse de uma obra de ficção da autoria do editor original, mas inspirada em factos verídicos.

A verdade é que a incerteza se mantém e os factos históricos coincidentes mais contribuem para adensar o mistério. Aquilo de que não se duvida é da influência cultural e literária da obra na literatura europeia. Com efeito, as Cartas foram adaptadas diversas vezes ao teatro e ao cinema e são uma referência na literatura europeia e nas belas-artes.

Esta edição que agora se publica, no tricentenário da morte de Mariana Alcoforado, é acompanhada por um Estudo Histórico que recapitula precisamente todo este percurso de investigação e o impacto cultural da obra ao longo dos tempos."

 

 

A 10 de outubro, a IN publicou A Maldição do Beijo, de Erin Sterling, que também escreveu A Maldição do Ex. "Por vezes, o amor é demasiado mágico para ser ignorado. Gwyn Jones está perfeitamente feliz com a sua vida em Graves Glen: formou um novo e poderoso convénio com a mãe e a prima; gere uma loja de bruxaria de sucesso, a Something Wicked; e começou a orientar alguns bruxos jovens da cidade. À medida que o Halloween se aproxima, há apenas um problema - Llewellyn «Wells» Penhallow.

Wells veio para Graves Glen restabelecer a conexão da sua família com a cidade que fundaram, mas, ao mesmo tempo, para sair da sombra do pai, abrindo a sua própria loja, a Penhallow’s, mesmo em frente à Something Wicked. Quando a competição profissional entre Wells e Gwyn os leva a um beijo tórrido, decidem ficar longe um do outro, convencidos de que fora apenas um acaso mágico.

Mas quando algumas bruxas misteriosas e com intenções suspeitas chegam à cidade e os poderes de Gwyn começam a desaparecer, ambos têm de unir esforços para restaurar a magia de Gwyn, antes que seja tarde demais."

 

 

No mesmo dia, foi lançado, pela Gailivro, Anna K., de Jenny Lee. "Bem-vindo ao Upper East Side de Nova Iorque, onde reinam os privilégios, as festas e os escândalos.
Anna K. conhece as regras de cor.

Bonita, rica e popular, ela tem o cuidado de manter imaculado o seu estatuto de namorada, filha e aluna perfeita. Mas um encontro casual, na estação Grand Central, com o famoso sedutor Alexia «Conde» Vronsky muda tudo.

Anna sabe que precisa de se manter afastada dele, mas às vezes o destino tem outros planos…
Rapidamente, ela descobre que é impossível resistir-lhe, apesar das consequências.

Afinal, o amor verdadeiro nunca foi fácil."

 

 

A 12 de outubro, foi publicado um livro juvenil de autoria nacional. Em Benjamin e o Dragão Branco, de Luís M. Branco, "jamais alguém na região onde vivia Benjamin Dessel tinha passado na prova, o temível desafio que todos os jovens de doze anos enfrentavam, a fim de perceber se estavam destinados a unir-se a uma das fantásticas criaturas, os dragões. Benjamin achava impossível ser escolhido por um ovo de dragão. Mas aconteceu, e logo pelo ovo branco, o único. 

Um dragão branco que achava exatamente o contrário.

O inesperado privilégio vai forçar o rapaz a fazer escolhas, empurrá-lo para perigos, obrigá-lo a vencer os Desafios do Dragão e a dominar poderes, as afinidades, para se ligar, definitivamente, ao novo companheiro, Togo. Forças misteriosas e negras, porém, sentindo-se ameaçadas, vão tentar impedir a todo o custo essa ligação.

Uma aventura que vai apaixonar e surpreender milhares de leitores."

 

 

 

 

E termino, assim, a primeira parte da lista das novidades de outubro. O que estão a achar deste mês até agora?

 

Daniela S..png

Wishlist Setembro de 2023 (Portugal) - parte 2.png

 

Prontos para mais uma parte das novidades de setembro?

 

Primeiro, temos A Viagem, de Agustina Guerrero. "Um fantástico romance gráfico sobre a viagem de duas amigas a Tóquio: uma muito nervosa e deprimida, a outra entusiástica e muito positiva. Uma abordagem graficamente divertida à forma como se consolida a amizade durante uma viagem e quais são os principais problemas das mulheres contemporâneas (os filhos, a solidão, o amor).

Estava tudo planeado. Só faltava fazer as malas e partir para o Japão. Reservas feitas, um guia com os locais a visitar e uma grande amiga. Nada podia correr mal e, porém, o que eu mais temia aconteceu: empreendi uma viagem mais profunda do que poderia imaginar, ao lugar mais recôndito de mim mesma. E fui muito mais longe do que alguma vez pensara. Por sorte, pelo caminho não perdi nem as minhas malas, nem a minha amiga Loly, nem o meu sentido de humor."

 

Foi publicado pela Dom Quixote a 19 de setembro.

 

 

A seguir, temos O Primeiro Livro do Diário de Sofia, de Marta Gomes e Nuno Bernardo. "Vinte anos depois, o primeiro livro da série bestseller o diário de sofia está de volta, numa edição especial comemorativa.

Sofia tem dezassete anos, e todos sabemos que esta é uma idade superdifícil. Com o início do 11.º ano, as coisas complicam-se ainda mais: desentendimentos com os pais, discussões com os irmãos, problemas com o namorado, testes e mais testes. Enfim, Sofia não tem mãos a medir e, muitas vezes, sente-se simplesmente baralhada.

Felizmente, conta com a ajuda das suas duas melhores amigas, Rita e Joana, e do seu diário. É com ele que Sofia partilha os seus segredos mais íntimos, desabafos e peripécias - porque nunca há um dia igual e estão sempre coisas a acontecer. É assim na vida de qualquer adolescente, não é verdade?

Vinte anos depois, O Primeiro Livro do Diário de Sofia, originalmente publicado pela Editorial Presença em 2003, está de volta. Um sucesso de vendas, com direito a doze volumes, um spinoff com as aventuras da Mariana, a irmã mais nova, e até uma série de televisão, as confidências de Sofia Afonso marcaram para sempre uma geração!

Agora, vai ser possível recordar todas as suas aventuras e desventuras e partilhá-las com os adolescentes de hoje!"

 

A Manuscrito lançou este livro a 20 de setembro.

 

 

Em As Sete Luas de Maali Almeida, de Shenan Karunatilaka, temos "uma história profundamente humana e original, ambientada no caos de uma guerra civil e narrada a partir de um ponto de vista incomum: Maali Almeida está morto e quer saber porquê.

As Sete Luas de Maali Almeida expõe verdades profundas e perturbadoras sem ceder ao sentimentalismo, numa narrativa marcada pelo sentido de humor e por uma indiscutível humanidade. Um romance audaz, original e caleidoscópico.

Maali Almeida, fotógrafo de guerra, jogador e homossexual não assumido, acordou morto naquilo que parece ser uma repartição pública celestial. O seu corpo desmembrado afunda-se nas águas serenas do lago Beira e Maali não faz ideia de quem o matou.

Num país onde as contas são ajustadas por esquadrões da morte, bombistas suicidas e assassinos contratados, a lista de suspeitos é tristemente longa. Mas até no além o tempo se esgota para Maali, que tem sete luas para contactar a mulher e o homem da sua vida e conduzi-los até às fotos que abalarão o país, e, pelo caminho, resolver o mistério da sua morte."

 

Foi publicado no mesmo dia pela Clube do Autor.

 

 

 

Neste dia, a Editorial Presença publicou E Só Ficaram Cinco, de Holly Jackson. "As férias chegaram, é primavera e seis amigos decidem fazer uma viagem juntos. Vão numa autocaravana e, de repente, no meio do nada, sem rede de telemóvel, há uma avaria e ficam parados. Mas isto parece tudo menos um acidente. Isto parece tudo menos por acaso.

Alguém os persegue.

Lá fora, há um atirador a vigiá-los. E mais: sabe perfeitamente quem eles são. Acontece que um dos seis amigos tem um segredo pelo qual aquele atirador está disposto a matar.

Enquanto o grupo tenta desesperadamente pedir ajuda, os segredos começam a vir à superfície e a tensão atinge níveis explosivos. Uma coisa é certa: nem todos sobreviverão àquela noite. Faltam oito horas para o sol nascer. E alguém terá de… morrer.

Depois do êxito mundial de O Homicídio Perfeito, Holly Jackson regressa com um thriller imperdível. Inspirem fundo, sustenham a respiração e… preparem-se para só parar na última página."

 

 

Ainda neste dia, a Editorial Presença lançou Eu Sou um Gato, de Natsume Soseki. "Quem melhor do que um gato para falar sobre pessoas?
A obra-prima de Soseki, autor de Kokoro, é um dos clássicos japoneses mais lidos em todo o mundo.

Tóquio, era Meiji. Na época que modernizou o Japão, um gato vagueia pelas ruas da cidade e é adotado, contra a sua vontade, pelo professor Kushami, um homem mal-humorado cuja vida perdeu todo o interesse. Protagonista do romance que imortalizou Soseki no panteão dos autores japoneses do século XX, o orgulhoso felino não se coíbe de observar todos os humanos - a começar pelo professor, que o acolheu - e tecer tão argutas quanto mordazes apreciações sobre as personagens que desfilam à sua volta, traçando, de bigodes revirados e unhas afiadas, um retrato sarcástico e acutilante da sociedade japonesa.

Recorrendo a teses e ideias de filósofos e escritores passados, e seus contemporâneos, em Eu Sou um Gato, Soseki revela aquela que considera ser a mudança necessária para o país que o viu nascer, propondo uma nova forma de pensar e escrever, sem nunca deixar, também, de olhar para o Ocidente."

 

 

O dia 21 deste mês também foi um dia cheio de novidades, como Mili, a Sereia do Lago, de Lucy Fleming. "Sabias que os lagos têm segredos? Se olhares com muita atenção, poderás ter a sorte de encontrar uma sereia do lago… como a Mili! Ela amava o seu lago e todos os que aí viviam. No entanto, sabendo que os lagos eram lugares vulneráveis, ela vivia preocupada em proteger os amigos dos muitos perigos à sua volta… uma preocupação que não parava de crescer. Pois, um dia, uma tempestade atinge mesmo o lago. Estará ela à altura? Não seria melhor pedir ajuda?"

 

 

Em Sob as Luzes do Amor, de B. K. Borison, "Stella conseguiu realizar um dos maiores sonhos da sua vida: comprar a Lovelight Farms, uma quinta de árvores de Natal, como a que visitava em criança, com a mãe. Afinal, o Natal é pura magia, e uma caneca de chocolate quente e luzes cintilantes é o quanto basta para fazer o mundo sorrir, mesmo no pior dos momentos.

Mas Stella rapidamente percebe que essa magia não chega para gerir as finanças deste negócio. E precisa urgentemente de um milagre. Talvez o concurso online da famosa influenciadora Evelyn St. James e a publicidade que promete gerar ajude.

Só há um problema: para aumentar as suas hipóteses de ganhar, Stella declara na candidatura que gere a romântica quinta com o namorado… que não tem e dava mesmo jeito ter, agora que é uma das finalistas!

Resta-lhe pedir ao melhor amigo, Luka, que seja o seu namorado a fingir por uma semana. E fingir, fingir muito que não está apaixonada por ele há 10 anos. E tentar, com muita força mesmo, não lhe cair nos braços e partir o coração em mil pedaços.

Era tão bom que Luka sentisse o mesmo…"

Foi publicado pela Singular, nova chancela da Porto Editora.

 

 

Esta chancela, também no dia 21, publicou Está tudo bem, a sério, de Monica Heisey. "O casamento de Maggie durou apenas 608 dias, mas isso não a afeta – está tudo bem, a sério. Claro, está sozinha pela primeira vez na vida, não consegue pagar a renda de casa e o seu obscuro doutoramento está encalhado há meses...
Mas, com 29 anos, Maggie está determinada a abraçar o seu novo estatuto de Divorciada Surpreendentemente JovemTM.
Livre de compromissos, tem agora tempo para se dedicar a todo o tipo de hobbies, para mergulhar no mundo dos encontros e para partilhar tudo e mais alguma coisa nas redes sociais. À medida que Maggie se lança de cabeça no caos do primeiro ano de divórcio, dá por si a questionar todos os aspetos da vida, incluindo: Porque é que as pessoas continuam casadas? Será que falhei ainda antes de ter começado? Quantos mais hambúrgueres entregues em casa às quatro da manhã preciso de comer até voltar a ser feliz?"

 

 

No dia 25, o grupo Penguin publicou uns quantos livros, como Um Lugar para Mungo, de Douglas Stuart. "Um impressionante retrato do quotidiano da classe trabalhadora nos subúrbios de uma grande cidade europeia, cenário onde germina a comovente e perigosa história do primeiro amor entre dois homens.

Nascidos em mundos diferentes, Mungo - protestante - e James - católico - habitam o ambiente hiper-masculino e violentamente sectário dos bairros sociais de Glasgow. Deveriam ser inimigos figadais, caso fossem encarados sequer como homens, mas tornam-se melhores amigos. À medida que se apaixonam um pelo outro, sonham em fugir daquela cidade cinzenta.

Não podem, contudo, esquecer-se de esconder a sua identidade de todos os que os rodeiam, especialmente de Hamish, irmão de Mungo e líder de um gangue local. Os dois rapazes vivem sob a constante ameaça da descoberta da verdade e do inominável castigo que se lhe seguiria.

Douglas Stuart infunde no quotidiano das suas personagens um notável lirismo, dando uma voz poderosa àqueles que raramente protagonizam histórias. Eis uma narrativa que questiona profundamente os limites da masculinidade, os grilhões da família, a violência social - e o perigo de se amar demasiado alguém."

 

 

Temos, ainda, Narrativa da Vida de Frederick Douglass, um Escravo Maericano e Outros Textos, de Frederick Douglass. "Nascido escravo, Frederick Douglass escapou em 1838 e tornou-se escritor, editor, um orador brilhante e defensor da abolição da escravatura. Publicado em 1845, Narrativa da Vida de Frederick Douglass, um Escravo Americano é um portentoso relato dos anos em cativeiro e da sua fuga, mas é sobretudo o testemunho de um espírito sagaz, sedento de conhecimento e de uma vontade inabalável de ser livre.

Além de uma defesa apaixonada da literacia e da educação, a Narrativa e os discursos aqui reunidos constituem documentos-chave para compreender os Estados Unidos da América no século XIX, expondo com lucidez as incongruências de um país que, mantendo parte da sua população agrilhoada, se proclama a nação da liberdade.

Figura central do movimento abolicionista, Frederick Douglass lutou com dedicação e coragem por uma vida livre e digna para todos os afro-americanos, construindo um legado cujas reverberações continuam a fazer-se sentir na atualidade."

 

 

Em Shy, de Max Porter, "Shy tem no seu currículo mais de onze chumbos e a expulsão de duas escolas. Agora está a fugir de Last Chance, o lar de acolhimento para «alguns dos mais perturbados e violentos jovens delinquentes» do país, a sua nova casa. Consigo leva apenas uma mochila carregada de pedras e o seu inseparável walkman.

É noite funda, o caminho é solitário e assombroso, momento propício para puxar a cassete da sua curta vida para trás e ouvir dentro da sua cabeça as vozes dos seus professores, as súplicas da sua mãe e de todas as pessoas que magoou sem saber porquê."

 

 

O último lançamento da Penguin que destaco tem como título Os Mistérios do Restaurante Kamogawa, da autoria de Hisashi Kashiwai. "Numa sossegada rua de Quioto, longe de olhares curiosos, existe um restaurante muito especial: gerido por Nagare Kamogawa e a sua filha, Koishi, o restaurante Kamogawa serve aos seus clientes deliciosas refeições que, de outro modo, só se encontrariam em estabelecimentos de luxo. Esse, no entanto, não é o único motivo para passar por lá…

Pai e filha são também detetives de comida: através das suas perspicazes investigações, são capazes de recriar pratos que os clientes provaram no passado, pratos esses que, tantas vezes, guardam a chave de memórias antigas. Do viúvo que persegue uma receita específica de udon que a sua mulher cozinhava, ao tonkatsu de um primeiro amor, as receitas perdidas que a dupla Kamogawa resgatam são mais do que uma ponte até ao passado: são a possibilidade de um futuro mais feliz."

 

 

Passemos, agora, para as novidades do grupo Leya, que foram publicadas ontem, dia 27 de setembro. Primeiro, temos Faça Chuva ou Faça Sol, de Rachel Lynn Solomon. "Quando era pequena, Ari Abrams sonhava em ser meteorologista. Ver a previsão do tempo no noticiário da noite era a sua maneira de lidar com os humores tempestuosos da mãe. Agora, Ari já não é uma criança, tem 27 anos e trabalha com a lendária meteorologista Torrance Hale. O seu sonho tornou-se real.

Ou assim pensava ela... na realidade, Torrance está demasiado distraída pela sua relação tempestuosa com Seth, o ex-marido e diretor do noticiário da estação onde trabalham, para dar a Ari a orientação que ela deseja. Ari, que vive do sol e do otimismo, está no seu limite. A única pessoa que parece compreender o que ela sente é o doce, mas reservado, repórter desportivo Russell Barringer.

Depois de Torrance e Seth causarem uma cena particularmente dramática na festa de fim de ano da estação, Ari e Russell elaboram um plano para transformar o ódio dos seus chefes em amor. Mas as suas bem-intencionadas intromissões saem-lhes pela culatra quando a verdadeira química se instala, sim, mas entre eles.

Trabalhar de perto com Russell permite a Ari conhecer partes de si mesma que mantém escondidas de toda a gente. Será que ele vai ser capaz de abraçar as suas nuvens negras e manter o céu limpo?"

 

 

A seguir, temos Lições de Grego, de Han Kang. "Esta é a história de um professor de Grego que está a perder a visão e de uma aluna que está a perder a voz. Ambos descobrem, porém, que existe uma dor ainda mais funda a uni-los: numa questão de meses, ela perdeu a mãe e a batalha pela custódia do filho; já ele ganhou o medo de perder a autonomia e o incómodo de, por ter crescido entre a Coreia do Sul e a Alemanha, estar sempre dividido entre duas culturas e duas línguas tão diferentes.

Lições de Grego fala de um homem e de uma mulher comuns que se conhecem num momento de angústia privada - a perspetiva da cegueira dele encontra-se com o silêncio dela. Mas são justamente estes handicaps que os atraem um para o outro, levando-os a encontrar uma saída da escuridão para a luz, do silêncio para a expressão.

Com uma estrutura em espiral e a sensibilidade a que Han Kang já nos habituou, o presente romance é como uma terna carta de amor à intimidade humana, um texto que desperta os nossos sentidos e reflete sobre a essência do que realmente significa estar vivo."

 

 

A última novidade da Leya incluída nesta lista é intitulada Abelhas e Trovoada ao Longe, de Riku Onda. "Numa cidade não muito distante de Tóquio, vai começar um dos mais importantes concursos de piano do mundo. Na sala enorme, os pianistas serão acolhidos pelo silêncio único que antecede os primeiros acordes. No final, haverá palmas. Mas não para todos. Aya procura no concurso uma hipótese de redenção. Menina-prodígio, calou os dedos no dia em que a mãe morreu. Ali reencontra Masuro, um miúdo com quem brincava quando era ainda criança - e que hoje é um pianista aclamado.

Entre os candidatos há dois que parecem pertencer a outra partitura. Akashi, casado, mais velho, é olhado com estranheza pelos restantes, na sua última tentativa de regressar à ribalta. E por fim há um rapazinho que ninguém conhece, tem 16 anos, é filho de um apicultor. Dizem que nunca teve um piano na vida, que foi acolhido por um professor mítico, que ao tocar nas teclas é como se falasse com Deus.

Durante duas semanas, vão enfrentar um júri feroz, um público expectante, os seus medos, o seu passado, tudo o que foram até chegarem ali.

Abelhas e Trovoada ao Longe é um livro mágico, musical, onde as palavras vibram como as cordas de um instrumento, tensas, hipnóticas. Somos embalados pelas texturas e sons até ao final em que nos apetece chorar, aplaudir.

Obra-prima de Riku Onda, famosa escritora japonesa, foi o único livro que até hoje conquistou no mesmo ano o Prémio dos Livreiros Japoneses e o Naomi Prize."

 

 

Agora, passemos para um grande marco da literatura infantojuvenil portuguesa que irá marcar o seu regresso no dia 28 de setembro. Em A Lua de Joana, de Maria Teresa Maia Gonzalez, "Lisboa, 28 de agosto
Faz hoje um mês que tu… Não sou ainda capaz de dizer a palavra.

Joana, treze anos, acaba de perder Marta, a sua melhor amiga, vítima de uma overdose… e agora? Joana não sabe como lidar com o acontecimento. Resolve então escrever-lhe, como se fosse um diário. Nele, Joana encontra um refúgio para as suas preocupações e ansiedade. Será suficiente? em casa reina o conforto material e uma família ausente. o que fazer? Não está ninguém em casa.

Um clássico da literatura juvenil, de Maria Teresa Maia Gonzalez, que aborda um tema que se mantém atual. Uma obra intemporal da autora, que interpreta magistralmente o universo dos adolescentes neste e nos seus inúmeros títulos publicados.

A Lua de Joana soma centenas de milhares de exemplares vendidos e está traduzido em várias línguas."

 

 

E, finalmente, temos Felix para Sempre, de Kacen Callender, que será publicado pela Desrotina Editora a 28 de setembro.

"Felix Love nunca se apaixonou — e sim, ele está plenamente consciente da ironia do seu apelido significar amor. Tudo o que ele desesperadamente quer é saber como é estar apaixonado e o porquê de parecer tão fácil para as outras pessoas encontrarem alguém. Embora tenha orgulho na sua identidade, Felix teme secretamente pertencer a demasiadas minorias — negro, queer e transgénero — para alguma vez conseguir o seu feliz para sempre.

Quando um estudante anónimo começa a enviar-lhe mensagens transfóbicas — depois de revelar o antigo nome de Felix e imagens dele antes da transição —, Felix planeia vingar-se. O que não previa era que este plano o levasse a um triângulo quase-amoroso...

Mas, ao navegar pelos seus sentimentos complicados, Felix inicia uma viagem de interrogação e autodescoberta que o ajuda a redefinir a sua relação mais importante: o que sente por si mesmo.

Felix para Sempre é uma história honesta e intrincada sobre identidade, apaixonarmo-nos e aceitarmos o amor que merecemos."

 

 

 

Desta forma, termino a segunda lista de setembro. É caso para dizer: os leitores ficaram mais pobres este mês, tão cheio de novidades para todos os gostos e idades!

 

Daniela S..png

Wishlist Setembro de 2023 (Portugal) - parte 1.png

 

Setembro é o mês que marca a rentrée literária. Por isso, as editoras portuguesas irão lançar imensos livros novos este mês. Tendo em conta que já juntei um bom número de novidades, decidi dividir os títulos e fazer mais do que uma publicação sobre os lançamentos deste mês!

 

Em primeiro lugar, temos uma novidade infantil. Em A Caveira, de Jon Klassen, "correu sem parar, por entre as árvores e pelos montes, durante muito tempo. De repente, à sua frente, avistou uma casa muito grande e muito velha. A casa tinha um único habitante: uma caveira solitária, que todas as noites recebia uma visita assustadora...

Um conto tirolês macabro e delicado, no estilo inconfundível de Jon Klassen, sobre medo, amizade e coragem."

 

Foi lançado pela Orfeu Negro a 1 de setembro.

 

 

De seguida, temos Guia de uma Rapariga Cubana para o Chá e o Amanhã, de Laura Taylor Namey. "Do sol de Miami até ao aconhego do verão numa pequenina cidade inglesa, este é um romance sobre luto, superação, descoberta do amor e autoconhecimento.

A última coisa que Lila esperava era passar o verão em Inglaterra. Porquê? Ora, porque ela tinha planos muito bem definidos. Vejamos: 1) ficar no lugar que era antes da sua avó, no negócio da família; 2) ir morar com a melhor amiga, depois de se formar; 3) viver feliz para sempre, claro, com o namorado. Mas isso foi antes de tudo desmoronar. Isso foi antes de lhe acontecerem aquelas três péssimas coisas, de seguida. Antes de lhe acontecer o que designa a sua trifeta.

Agora, os pais decidem que ela deve passar três meses com amigos da família em Winchester, para se restabelecer. Mas ali não há sol como em Miami. Ali, só há coisas sensaboronas - da comida ao resto. É um pesadelo. Quer dizer, era, até ela conhecer um certo Orion, que trabalha na loja de chás Maxwell. Orion também tem os seus problemas, mas quer fazer tudo para ajudar Lila a superar os dela: está decidido, ele será o guia de Lila naquele verão. E é então que, rapidamente, a tristonha Inglaterra ganha nova cor. Quando a paixão espreita e o amor começa a invadir-lhe o coração, Lila pondera largar tudo - Miami, o futuro que planeou, as suas raízes - para viver aquele sonho. Porém, a vida dá voltas e voltas até sabermos onde vai desaguar."

 

A Editorial Presença lançou este livro a 6 de setembro.

 

 

No mesmo dia, a Clube do Autor publicou Sr. Foi Engano, de Lynn Painter. "A má sorte sempre perseguiu Olivia Marshall. Ou talvez ela seja apenas a confusão ambulante que a sua família pensa que é. Mas quando recebe uma mensagem sensual enviada por engano, Olivia acredita que as coisas podem estar realmente a mudar... As mensagens anónimas trocadas com o Sr. Foi Engano transformam-se no relacionamento mais excitante e divertido da sua vida.

Colin Beck sempre considerou Olivia como a irritante e desastrada irmã mais nova do seu amigo e companheiro de casa. Mas quando Olivia vai morar com eles, depois de um contratempo inacreditável, repara que se transformou numa mulher diferente e encantadora. Tem a certeza de que consegue manter a devida distância, até ao momento em que descobre que ela é a irresistível Miss Enganei-me no Número, com quem tem trocado mensagens picantes. Agora Colin tem de decidir se continua com a excitante brincadeira ou se se afasta antes que as coisas fiquem demasiado confusas."

 

 

A 7 de setembro, a chancela 11 x 17 publicou Mrs Dalloway, de Virginia Woolf. "Numa clara manhã de primavera, Clarissa Dalloway resolve sair para comprar flores para a festa que acolherá naquela mesma noite, em sua casa. Enquanto passeia pelas ruas de Londres, são recolhidas imagens, sensações e ideias, entrelaçadas com as personagens que habitam o seu mundo - do marido, Richard Dalloway, à filha, Elizabeth, e a Peter Walsh, amigo de juventude acabado de voltar da Índia - e que com ele se cruzam - como Septimus Warren Smith, veterano da Primeira Guerra Mundial assombrado por uma doença mental. Romance que revelou em pleno o talento de Virginia Woolf, a sua perspicácia, a sensibilidade transparente e, sobretudo, a arte suprema de descrever os segredos das almas - não os atos mas as sensações que eles despertam - fazem de Mrs Dalloway uma obra-prima indiscutível da literatura universal."

 

 

No mesmo dia, a Edições Chá das Cinco lançou Astrid Parker Não Falha, de Ashley Herring Blake. "Quando a vida arrasa os teus planos, nada melhor do que uma renovação a partir do zero

Para Astrid Parker, o falhanço é inaceitável. E desde que o seu noivado se revelou o maior falhanço da sua vida, está absolutamente obcecada com o sucesso da sua carreira. Quando subitamente é convidada para renovar um antigo hotel - e logo com direito a transmissão num popular programa de televisão -, a jovem acredita que chegou o seu momento.

Contudo, os planos de Astrid não incluíam Jordan, neta da dona do hotel, que despreza todas as decisões de design moderno propostas por Astrid. Jordan está determinada a preservar a história do hotel familiar, especialmente porque o resto da sua vida está em cacos.

Quando a persistência de Jordan se transforma em sabotagem, e o mundo perfeito de Astrid é abalado, os produtores veem uma oportunidade para explorar a tensão entre ambas. Contudo, o convívio leva a antipatia a evoluir para algo inesperado, e Astrid tem de decidir o que significa realmente o sucesso. É conseguir o que todos esperam dela, ou descobrir o que quer realmente da vida?"

 

 

Também foi publicado, nesse dia, pela Cultura Editora, A Casa de Eva, de Sadeqa Johnson. "Da autora galardoada, um romance ousado, belo e redentor que explora o que significa ser-se mulher e mãe e o quanto se está disposto a sacrificar para se alcançar um objetivo maior.

UMA MULHER PRESA AO QUE FOI NO PASSADO.
Filadélfia, EUA, anos 1950: Ruby Pearsall, uma jovem de quinze anos, está no bom caminho para ser a primeira da família a frequentar uma universidade, ainda que tenha uma mãe que preferia, apenas, vê-la bem casada.
Um amor proibido, porém, ameaça arrastar Ruby de volta à pobreza e ao desespero que lhe foram transmitidos à nascença como uma inevitável herança.

UMA OUTRA MULHER, PRESA AO QUE QUER SER NO FUTURO.
Eleanor Quarles chega à cidade de Washington, D. C. cheia de ambições e segredos. Quando conhece o muito atraente William Pride na universidade, apaixona-se perdidamente. William, porém, é de uma família negra muito rica, da elite da cidade, e os seus pais não facilitam qualquer entrada no círculo íntimo. Eleanor não será exceção, mas acha que ter um filho com William poderá dar-lhe, por fim, a vida com que sempre sonhou.
As histórias destas mulheres irão colidir de forma absolutamente inesperada.

VIVER APENAS O PRESENTE NÃO É ALGO A QUE TENHAM DIREITO.
Um mergulho profundo no que significava ser-se mulher negra nas grandes cidades americanas dos anos 1950. A autora Sadeqa Johnson leva-nos numa viagem pelo racismo, pelo classismo, pelo sexismo e por quase tudo o que, dramaticamente, acaba em ismo.
Um livro triunfal."

 

 

De seguida, a 11 de setembro, muitos livros foram publicados pelo grupo Penguin, como Yerba Buena, de Nina Lacour, pela chancela Topseller. "Quando Sara conhece Emilie no restaurante Yerba Buena, a ligação entre as duas é imediata. Mas a bagagem emocional que ambas carregam, bem como o peso das escolhas feitas no passado acabarão por afastá-las. Ao serem confrontadas com tudo aquilo que tentaram deixar para trás, terão de decidir se o amor que as une é ou não mais forte do que os seus passados.

Um livro poderoso e extremamente comovente sobre duas mulheres com um passado traumático que tiveram de ultrapassar vários obstáculos e aprender a conhecer-se a si próprias para encontrarem o seu lugar no mundo."

 

 

 

Pela chancela Nuvem de Letras, foi lançado No Meu Bairro, escrito por Lúcia Vicente e ilustrado por Tiago M. "As diferenças que unem: um livro sobre inclusão e diversidade

Este livro representa uma forma inspiradora de vida em comunidade. É um livro sobre ti e sobre todos nós. Uma abordagem cheia de poesia à diversidade, ao respeito pela individualidade e à aceitação.

Esta obra tem a missão de mudar os estereótipos que existem na sociedade e assume, com orgulho, a diversidade, tornando-a visível para que se possa, finalmente, normalizar.

Através de uma viagem pelas interrogações e vidas de doze crianças, fala-se de diversidade de género, familiar, racial ou de credo religioso, dando ferramentas a quem educa para abordar estes temas, cada vez mais presentes na vida das nossas crianças.

Os livros são a ferramenta ideal para a normalização de uma linguagem que represente de igual forma todas as pessoas.

Assim, pela primeira vez em Portugal, vamos assumir uma proposta do sistema gramatical neutro ELU."

 

 

Seis Beijos Perdidos (E uma história de amor), de Tess Sharpe, foi publicado pela Topseller. "Quando a mãe da Tate precisa de um transplante e a mãe de Penny decide ser a dadora, as duas famílias vão morar juntas e as raparigas declaram tréguas.

Só que Penny e Tate estão sempre quase a beijar-se... Além de ser estranho, confuso e embaraçoso, é algo sobre o qual nunca falaram e que se torna ainda mais perturbador agora que estão na mesma casa.

E no momento em que o «quase» se transforma em «isto está mesmo a acontecer», Penny e Tate vão perceber que há coisas das quais não podemos fugir. E os quase-beijos são uma delas!"

 

 

Uma das novidades mais esperadas deste grupo é Ganandrya - A Maldição de Sangue, uma aposta nacional da Topseller. "Um bruxo e um vampiro, juntos, a combater forças do mal, numa nova obra Young Adult que deixará todos os leitores a chorar por mais.

Bruxos e vampiros não convivem. Bruxos e vampiros são a antítese uns dos outros. Uns são aristocratas, os outros são perigosos. Os bruxos são o espelho da sociedade: ricos, brilhantes, cultos; os vampiros estão no fim da cadeia, são vergonhosos, animalescos. Mas será que é mesmo assim?

Quando Andreas ruma a Ganandrya, uma vila vampírica, para iniciar uma investigação científica relacionada com maldições, conhece Bernart, e ele parece tudo menos perigoso. Na verdade, é o oposto: parece vulnerável, triste e misterioso. Além disso, as cicatrizes nos braços, que tenta esconder, contam uma história que Andreas está determinado a conhecer.

Sem o esperar, Andreas dá por si envolvido num mistério maior do que poderia imaginar - e num amor que o deixará completamente rendido."

 

 

Let's Play - Volume 2, de Leeanne M. Krecic, foi lançado pela chancela Iguana. "Uma história divertida, sexy e realista sobre videojogos, ser mulher a trabalhar em STEM, saúde mental e o complicado mundo dos encontros (amorosos).

Sam continua a tentar alcançar o sonho de ser criadora de videojogos independentes, enquanto lida com o facto de ter Marshall Law como vizinho do lado. Enquanto se esforça por combater a ansiedade e ganhar coragem para dizer a Marshall exatamente o que pensa, Sam apercebe-se de que o seu amigo Link está a tentar convidá-la para sair. Mais estranho ainda, Charles, o seu chefe, começa a comportar-se de maneira inesperada.

Sam vê-se obrigada a confrontar as suas inseguranças, tanto no trabalho como na vida pessoal, enquanto procura o seu caminho no confuso mundo dos encontros românticos."

 

 

Em A Voz das Mulheres, de Miriam Toews, aposta da Alfaguara Portugal, "Inspirado em factos reais, o livro que deu origem ao filme homónimo, vencedor do Óscar de Melhor Argumento.

Certa noite, oito mulheres menonitas reúnem-se num celeiro para um encontro secreto. Nos últimos anos, mais de uma centena de mulheres pertencentes à mesma comunidade foram repetidamente violadas durante a noite por demónios que as castigavam pelos seus pecados. A terrível verdade, contudo, é que os abusos eram perpetrados a partir de dentro, da sua própria colónia. Depois desta descoberta, decidem proteger-se, e às suas filhas, e pôr fim aos abusos.

Quando os homens se ausentam da colónia, estas mulheres, todas iletradas e incapazes sequer de falar a língua do país onde vivem, terão de fazer a escolha mais difícil: permanecer no único mundo que conhecem ou arriscar a fuga para o desconhecido e a liberdade.

Miriam Toews, baseando-se num episódio verídico, conta-nos uma história plena de aspereza e comoção: uma fortíssima experiência de superação e fraternidade, de combate pelo poder de decidir o próprio destino e de afirmação do lugar próprio das mulheres."

 

 

Por fim, deste grupo editorial, temos Sempre Vivemos no Castelo, de Shirley Jackson, que foi lançado pela chancela Cavalo de Ferro. "Último romance publicado pela autora, Sempre Vivemos no Castelo é considerado uma obra fundamental da literatura norte-americana.

Considerado pela crítica uma das obras-primas da literatura norte-americana, Sempre Vivemos no Castelo narra a história da extravagante família Blackwood — ou do que dela restou, após a morte por envenenamento de quase todos os seus elementos à mesa de jantar.

Constance, uma das filhas, é ilibada do crime, passando a viver isolada na grande casa da família, longe da hostilidade dos habitantes da cidade. Com ela vivem o seu tio inválido, o gato Jonas e a sua irmã, Merricat, uma adolescente ingénua e invulgar que acredita em lobisomens, no poder dos objectos e em palavras mágicas, e que tudo fará para preservar este pequeno e estranho mundo. Essa frágil harmonia, contudo, é subitamente rompida com a chegada do primo Charles. Na sua presença, os terríveis acontecimentos do passado voltarão para assombrar os Blackwood, revelando a sua verdadeira face."

 

 

A última novidade a ser mencionada nesta publicação é da Dom Quixote e será publicada hoje, a 12 de setembro. Glória, de NoViolet Bulawayo, "é uma história contada por um coro de vozes animais, através do qual, nós, humanos, nos vemos com mais clareza.
É a história do mundo e da sua frágil e esmagadora beleza.

Há muito tempo, numa terra abundante, os animais viviam felizes... E então chegaram os colonizadores e, com eles, uma sangrenta guerra. Do caos, porém, surgiu uma nova esperança. Um cavalo carismático tomou as rédeas do poder. Governou durante quarenta anos com a ajuda do seu grupo de Eleitos. Até que um dia, enquanto se sentava para tomar um chá Earl Grey e ouvir o seu programa de rádio favorito, chegou um novo líder, um novo regime. E mais uma vez os animais se encheram de esperança.

Glória conta a história de um país fictício, preso num ciclo tão antigo quanto o tempo. No centro do tumulto está Destino, uma jovem cabra que regressa à sua terra natal para testemunhar a revolução. A chegada de Destino desencadeia uma sucessão de acontecimentos que lembra aos habitantes - e a nós - que a glória da tirania só dura enquanto as suas vítimas o permitem. E que essa história pode ser interrompida a qualquer momento.

Finalista do Booker Prize e do Rathbone Folio Prize, e nomeado para o Women’s Prize for Fiction, Glória é o romance da consagração definitiva de NoViolet Bulawyao como pensadora e contadora de histórias."

 

 

O que acharam desta primeira parte da lista de novidades de setembro? A segunda parte está quase aí!

 

Daniela S..png

Wishlist Agosto de 2023 (Portugal).png

 

Que livros já saíram e ainda sairão no oitavo mês do ano?

 

Primeiro, temos O Rapaz e o Cão, de Seishu Hase. "Um cão vai tocar a vida de todas as pessoas que encontra, enquanto faz um longo caminho para reencontrar alguém muito especial.

Um romance inspirador sobre o poder dos afetos e dos laços.

Um terramoto, seguido de um tsunami, atinge o Japão. Pouco tempo depois, com a paisagem ainda devastada pela força da natureza, em frente de uma loja, Kazumasa, um rapaz que tenta refazer a vida para ajudar a mãe, encontra um cão perdido. Ao pescoço, na coleira, o animal traz uma pequena placa com o nome Tamon e parece estar esfomeado. nos seus olhos, o rapaz vê uma doçura imensa, e rapidamente acha que Tamon é o seu anjo da guarda. Mas, naqueles olhos, há também, sempre, laivos de expectativa, e o cão teima em procurar qualquer coisa, sempre virado para sul. Que quer Tamon? Para onde caminha?

Kazumasa é a primeira de muitas pessoas que Tamon vai encontrar - e cujas vidas vai encher de esperança - no longo caminho para reencontrar alguém muito especial. Quantos corações pode Tamon cativar? E quem o espera no fim da viagem?

Vencedor do prémio Naoki, este é um romance em que pequenos pontos de luz se vão, lentamente, unindo para afastar as sombras da tristeza e formar o tão delicado como forte reflexo do amor."

Foi lançado pela Editorial Presença a 2 de agosto.

 

 

No mesmo dia, a Marcador publicou Eros e Psique - Olimpo 2, de Katee Robert. "Na ultramoderna cidade de Olimpo, há sempre um preço a pagar. Psique Dimitriou sabe que, um dia, terá de enfrentar a ira de Afrodite, mas não esperava que o seu coração estivesse literalmente em jogo... nem que Eros Ambrósia, o magnífico filho de Afrodite, recebesse ordem para desferir o golpe fatal.

Eros não tem dificuldade em derramar sangue. no entanto, quando chega o momento de eliminar o seu último alvo, não consegue. Confuso com a sua reação a Psique, faz a única coisa que pode para a proteger - casa com ela.

Psique jura tornar a vida de Eros um inferno até encontrarem forma de se separarem. Mas à medida que as linhas se confundem e as lealdades mudam, ela percebe que, afinal, ele pode roubar-lhe o coração. E não sabe se conseguirá sobreviver a essa perda."

 

 

A seguir, temos A Natureza da Mordida, de Carla Madeira. "Biá, uma psicanalista já reformada e apaixonada por livros, aborda a jovem jornalista Olívia, que está devastada por uma perda recente, com uma pergunta agitadora: «O que perdeu que a entristeça tanto?» Olívia, sentada à mesa, aceita a inesperada provocação, bem como o carinho e o interesse daquela mulher, afinal apenas uma estranha, desencadeando-se uma sucessão de encontros marcados por uma galopante intimidade entre as duas mulheres, que aos poucos vão revelando as suas histórias. «A nossa amizade começou assim, enquanto nos afogávamos», relata Olívia.

Com uma sensível alternância de vozes, à força narrativa, objetiva e linear de Olívia contrapõem-se as anotações esparsas e sarcásticas de Biá, cujos fragmentos de uma memória já gasta e pouco confiável conduzem a um ponto de viragem na história, para revelar ao leitor eventos que marcaram o passado dilacerante de cada uma, sublinhando a subtil ligação entre as diferentes formas de abandono sofridas, e perpetradas, pelas duas amigas.

Depois do estrondoso sucesso de Tudo É Rio — em adaptação para cinema —, que fez de Carla Madeira a autora mais lida no Brasil, A Natureza da Mordida sublinha o estatuto cimeiro da escritora e a sua capacidade admirável para fazer com que as personagens saltem do papel."

Foi publicado a 3 de agosto pela Particular Editora.

 

 

A mesma editora, também nesse dia, lançou Véspera, também de Carla Madeira. "Vedina, uma mulher traumatizada por um casamento destroçado, decide, num momento de descontrolo, abandonar o filho, largá-lo. Assim que o faz, contudo, arrepende-se de pronto, regressando ao local onde deixara o pequeno. Mas já nada encontra no local, nem a criança nem quaisquer vestígios da sua presença.

A partir de então, a história prossegue, contada em dois tempos, levando o leitor a um mundo de medos e sombras, de vícios desgraçados e comportamentos controladores, remexendo as entranhas de uma família violenta e perdida, enquanto procura responder a uma dúvida essencial e sempre presente: como se chega ao limite?

Depois dos sucessos de Tudo É Rio e A Natureza da Mordida, que fizeram de Carla Madeira a autora a mais lida no Brasil, Véspera vem confirmar-lhe o talento definidor da atual literatura brasileira. Uma obra com personagens de tremenda força emocional, dramáticas, misteriosas. Um labirinto de emoções do qual o leitor, preso na trama, só sairá no fim. Ou talvez nem isso."

 

 

Hoje, a Edições Chá das Cinco irá lançar edições novas de A Fórmula do Amor e Noiva à Experiência, de Helen Hoang.

Em A Fórmula do Amor, "Para Stella, a lógica é a única constante do universo. Inteligente e bem-sucedida, a jovem cria algoritmos para prever as compras dos consumidores - um emprego muito bem pago, mas que não a ajuda a perceber os homens. Para piorar, Stella tem síndrome de Asperger e é-lhe mais fácil analisar números complexos do que iniciar um simples relacionamento amoroso. Perante a pressão da mãe para começar uma família, a jovem elabora um plano pouco convencional: contratar um acompanhante para a ensinar a ser a namorada perfeita.

Michael Phan usa o charme e a aparência para conseguir algum dinheiro extra que lhe permita pagar as contas que se acumulam. E é com profissionalismo que o acompanhante de luxo aceita ajudar Stella em todos os pontos do seu detalhado plano de trabalho, dos preliminares às situações mais íntimas.

Mas quanto mais tempo passam juntos, mais Michael fica encantado com a mente brilhante de Stella. E ela, pela primeira vez, sente-se impelida a sair da sua zona de conforto e a descobrir uma nova constante do universo: o amor."

 

 

Em Noiva à Experiência, "Khai Diep está convencido de que tem algo de «errado». Ele não consegue experienciar sentimentos como a dor ou o amor. Contudo, a sua família sabe o que se passa - o autismo do jovem leva-o a processar as emoções de maneira diferente. Como Khai rejeita sistematicamente os relacionamentos, a sua mãe decide resolver o problema e voltar ao Vietname para lhe encontrar a esposa perfeita.

Esme Tran sente-se deslocada em Ho Chi Minh. Por isso, quando surge uma proposta de viajar para os Estados Unidos para conhecer um potencial marido, ela aproveita a oportunidade. No entanto, seduzir Khai tem os seus desafios. A jovem está perdidamente apaixonada por um homem que acredita que nunca será capaz de retribuir qualquer tipo de afeto.

Será Khai capaz de superar os limites do seu coração e compreender que existe mais do que uma forma de amar?"

 

 

Também hoje, a Cultura Editora publica A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista, de Jennifer E. Smith. "Hoje deveria ser um dos piores dias da vida de Hadley Sullivan. Tendo acabado de perder um voo, ela está presa no aeroporto em Nova Iorque, evidentemente atrasada para o casamento do pai, em Londres, que envolve uma iminente madrasta que ela nunca conheceu. E é então que, por mero acaso, encontra o rapaz perfeito, também ele preso na sobrelotada sala do aeroporto. Ele chama-se Oliver, é britânico, e vai sentar-se na mesma fila que ela...

Aquela que seria uma longa noite passada a bordo do avião passa, afinal, num piscar de olhos, mas depois Hadley e Oliver acabam, à chegada, por perder-se um do outro no caos do aeroporto.

Poderá o destino voltar a juntá-los?"

 

 

Amanhã, dia 11 de agosto, a editora A Seita irá publicar O Mangusto, de Mosi. "Júlia encontra-se encurralada num enorme problema: um mangusto destruiu a sua pequena e estimada horta, e ninguém a consegue ajudar. Como se já não bastasse ter de lidar com esta catástrofe, Júlia ainda tem de aguentar a teimosia da mãe, que não lhe dá espaço, ou a infantilidade do irmão mais novo, que passa os dias absorvido em videojogos. Só lhe resta uma solução: livrar-se do bicho antes que cause mais danos. Mas como? Até que ponto somos responsáveis pelos nossos problemas e de que forma dependerá de nós encontrar a sua solução?"

 

 

Depois, temos Uma Magia Imersa em Veneno, o primeiro livro de uma duologia de Fantasia de Judy I. Lin. "Um país ameaçado. Uma via em risco. Um concurso que vai mudar tudo.
Bem-vindos à série mais mágica do ano.

Para Ning, só há uma coisa pior do que a perda da mãe: saber que a culpa foi sua. Foi Ning quem fez o chá envenenado que a matou. E é esse mesmo chá que pode, agora, matar também Shu, a sua irmã. Filhas de um médico e de uma shénnóng-shi, Shu foi escolhida para seguir os passos da mãe, e Ning, os do pai.

Mas quando Ning ouve falar do concurso para encontrar o melhor mestre do reino na mágica arte do chá - o melhor shénnóng-shi -, decide viajar até à cidade imperial para participar. A razão? Quem ganhar receberá um favor da princesa. E Ning está decidida a fazer-se passar por Shu para salvar a irmã. O que ela não imagina é que as intrigas da corte, os inimigos na competição e os segredos palacianos podem ser mais perigosos do que o chá envenenado que está a inundar o império de Dàxi. Agora, pode já não conseguir salvar a vida da irmã. E pior: toda a família corre perigo."

A Editorial Presença irá publicar este livro a 16 de agosto.

 

 

A mesma editora, no mesmo dia, irá lançar A Menina que Veio do Outro Lado, de Nagabe. "Era Uma Vez… uma terra muito longínqua, na qual havia dois países: o país de fora, onde viviam criaturas que, rezava a história, amaldiçoavam pelo toque; e o país de dentro, onde habitavam os humanos. A menina e o Doutor, que nunca se deviam ter cruzado, conheceram-se, e assim começa esta história…

Este é um livro sobre dois seres - um, humano; o outro, não humano - e sobre as manhãs, as noites, a luz e as sombras em que se encontraram."

 

 

A 22 de agosto, a Casa das Letras publicará Seios e Óvulos, de Mieko Kawakami. "Seios e Óvulos traça um retrato da feminilidade e maternidade contemporâneas no Japão, contando as viagens íntimas de mulheres que enfrentam os costumes opressivos e as suas próprias incertezas no percurso para encontrar a paz e um futuro a que possam chamar verdadeiramente seu.

Seguimos a história de três mulheres: Natsu, de trinta anos, a sua irmã mais velha, Makiko, e a filha desta, Midoriko. Makiko viaja para Tóquio em busca de uma operação de preço acessível para aumentar os seios. É acompanhada por Midoriko, uma adolescente cada vez mais calada por se sentir incapaz de expressar as pressões vagas, mas esmagadoras, associadas ao crescimento.

O seu silêncio revela-se um catalisador para que cada mulher enfrente os seus medos e frustrações. Num dia quente de verão, dez anos mais tarde, Natsu, numa viagem de regresso à sua cidade natal, debate-se com a sua própria identidade indeterminada, enquanto enfrenta ansiedades sobre envelhecer sozinha e sem filhos.

Desafiando todos os preconceitos sobre narrativa e estilo de prosa, misturando humor irónico com uma profundidade emocional fascinante, Kawakami é hoje uma das mais importantes e mais lidas escritoras do Japão. Começou por se destacar na esfera cultural como música, depois como poeta e blogger de sucesso, sendo agora uma romancista premiada."

 

 

No mesmo dia, a Quinta Essência irá lançar mais um livro de Emily Henry. Em Pessoas que Conhecemos nas Férias, "Poppy e Alex. Alex e Poppy. Não têm nada em comum. Ela adora viajar, ele prefere ficar em casa com um livro. Ela tem um lado selvagem, ele gosta de calças caqui. Quando se conheceram na faculdade, ele achou-a excêntrica e ela achou-o aborrecido. Mas uma longa viagem de carro deu origem a uma profunda amizade e à tradição de fazerem férias de verão todos os anos. Amores e amigos vêm e vão, mas Alex e Poppy mantiveram o seu ritual por mais de uma década... até ao dia em que estragaram tudo.

Aconteceu há dois anos e, desde então, nunca mais falaram um com o outro. Aparentemente, Poppy tem tudo o que deseja mas a verdade é que a última vez que se sentiu feliz foi naquela malfadada e última viagem com Alex. Por isso, decide convencê-lo a fazerem mais umas férias juntos. Milagrosamente, ele concorda. Agora ela tem uma semana para resolver tudo... se, claro, conseguir evitar a incómoda verdade que paira sobre a relação de ambos desde o início..."

 

 

A seguir, temos Aconteceu em Roma, de Sarah Adams. "Os opostos vão-se atrair nesta encantadora fatia de romance sobre uma estrela da pop e um pasteleiro de uma pequena cidade.

Amelia Rose, uma estrela da pop conhecida por Rae Rose, está cansada de tanta exposição pública. Inspirada pela princesa Ann, interpretada por Audrey Hepburn no filme Férias em Roma, Amelia parte, também ela, para Roma... mas para uma cidade chamada Roma que fica no Kentucky, nos EUA.

Quando Noah Walker a vê, de carro avariado, parada em frente à casa dele e a precisar de ajuda, deixa desde logo claro que não tem tempo nem paciência para problemas de celebridades, atarefado que anda a gerir a loja de tartes que a avó lhe deixou. Porém, acaba por deixar que Amelia lhe ocupe o quarto de hóspedes, com a condição de que o deixe assim que tenha o carro arranjado.

Mas Noah começa a ver um lado diferente de Rae Rose, a forma como ela, afinal, é apenas... Amelia: carinhosa, brincalhona, vítima de uma soli- dão imposta ao longo dos anos de estrelato. E, mesmo sabendo que Amelia vai ter de voltar para a sua vida de fama e glamour, não consegue evitar aproximar-se dela, mostrando-lhe as pequenas experiências e prazeres da acolhedora cidade.

Amelia, por sua vez, não consegue deixar de se apaixonar por aquele local e pelo seu mal-humorado anfitrião. Ainda que saiba que até Audrey teve, mais cedo ou mais tarde, de deixar Roma..."

Será lançado pela Cultura Editora a 24 de agosto.

 

 

Depois, no mesmo dia, temos um dos grandes lançamentos deste mês, sendo este a continuação de Lendários, publicado pela Desrotina Editora. Portanto, a próxima sinopse poderá conter spoilers do primeiro livro.

Em Marca de Sangue, de Tracy Deonn, "Linhagens fragmentadas. Acordos inquebráveis. Um legado de violência. As sombras ergueram-se e a linhagem é lei.

Tudo o que Bree queria era descobrir a verdade sobre a morte da mãe. Por isso, infiltrou-se na Ordem dos Lendários, uma sociedade secreta descendente dos cavaleiros do Rei Artur — apenas para descobrir o seu próprio poder ancestral.

Quando a guerra milenar entre os demónios e a Ordem atinge um ponto decisivo, Nick, o rapaz Lendário por quem Bree se apaixonou, é raptado. Determinada a salvá-lo, Bree enfrenta a oposição dos Regentes que governam a Ordem, mas estes pretendem controlá-la para benefício próprio e farão o que for preciso para ocultar a guerra.

Agora, Bree e os seus amigos veem-se obrigados a fugir e a embarcar numa missão tão perigosa e imprevisível como os seus poderes. Mas os inimigos estão por todo o lado, e por mais que tente resistir, Bree não consegue evitar a sua crescente atração por Selwyn, o mago que jurou proteger Nick até à morte.

Para se salvar a si própria e àqueles que ama, Bree terá de aprender a controlar os poderes que herdou dos seus ancestrais — sem se deixar perder no processo.

Em Marca de Sangue, uma sequela envolvente do aclamado Lendários,Tracy Deonn mergulha ainda mais nas raízes do seu universo fantástico, oferecendo aos leitores uma narrativa visceral e surpreendente, na qual o luto, o amor e o legado daqueles que vieram antes de nós se entrelaçam de forma brilhante."

 

 

Ainda neste dia, Kalandraka irá lançar Os anjos não morrem e tu morreste duas vezes, de Marta Duque Vaz. "Mulheres que sonham ser avós e outras que nem tanto. Um amor refém de um início. Uma menina-mulher de luto à espera de um sinal. Duas vidas cristalizadas numa famosa ópera de Wagner. Um vestido em suspenso para uma estreia...

O quotidiano serve de inspiração a esta antologia de contos em que nada acontece por acaso. Entre a denúncia do trabalho precário, a defesa do envelhecimento digno e da saúde mental, celebram-se as amizades cúmplices, a arte e a natureza; ao mesmo tempo que se desvelam sonhos interrompidos, encontros fortuitos ou as singelas peripécias do destino e da devoção.

A prosa visual e sensorial de Marta Duque Vaz dá corpo, ora com humor ora com melancolia, a toda uma mundividência de diferentes gerações de mulheres, cujas histórias, plenas de humanidade, prometem resgatar o leitor da indiferença e deixá-lo no limbo da inquietação."

 

 

Ainda neste dia, a Bertrand Editora irá publicar Falar pela Noite Dentro, de Claire Daverley. "Por vezes, as conversas mais importantes da nossa vida só terminam de manhã…
O que fazer quando a única pessoa que devíamos esquecer é aquela que não conseguimos largar?
Esta é uma história de amor belíssima e convincente entre duas personagens inesquecíveis, que nos vão deixar acordados pela noite dentro…

Quando Will e Rosie se cruzam no final da adolescência, reconhecem-se imediatamente como almas gémeas. Rosie é muito focada e tem o futuro cheio de planos, uma rapariga perfeita aos olhos de todos, apesar da mãe controladora. Já Will tem o seu quê de rebelde e preocupa a sua avó, mas não deixa de mostrar uma maturidade muito própria. Apesar de todas as suas diferenças, um e outro são dois opostos que se atraem irresistivelmente.

Apaixonam-se por entre olhares cúmplices, longas caminhadas até casa e telefonemas intensos no coração da noite, até ao momento em que uma tragédia que marcará as suas vidas para sempre apaga a possibilidade de ficarem juntos. Mas não consegue apagar a química inegável ou quebrar o sentimento de amor verdadeiro que os une, e Will e Rosie, incapazes de esquecer a história do que podia ter sido, continuam, com o passar dos anos e a partir das vidas que escolheram para si próprios, unidos como que por um fio invisível e infinito. William e Rosie. Rosie e William. Por mais que o tempo passe, esta é uma paixão impossível de conter.

Às vezes estamos no sítio certo à hora errada. Esta é uma história sobre os caminhos imperfeitos e complicados pelos quais o amor nos conduz. Uma história de segundas oportunidades, e outras perdidas, das palavras que dizemos e das que ficam por dizer, da vida que se mete no caminho e talvez, quem sabe, da hipótese de corrigir o amor. Aquele amor, o único, que nos faz sempre voltar."

 

 

A próxima novidade é Mil Grous, de Yasunari Kawabata. "Um dos mais belos e delicados romances de Kawabata, autor de A Casa das Belas Adormecidas. Com uma contenção que mal disfarça a ferocidade das paixões das suas personagens, um dos grandes romancistas japoneses do pós-guerra criou uma luminosa história de desejo e arrependimento, e da saudade quase sensual que liga os vivos aos mortos.

Quando Kikuji é convidado para uma cerimónia do chá organizada por uma antiga amante do falecido pai, não está à espera de se ver envolvido com a rival e sucessora desta, a senhora Ota. Nem suspeita do sofrimento profundo que nascerá dessa relação. Mas, na cerimónia do chá, cada gesto tem um significado. E, em Mil Grous, até o toque mais fugaz ou o comentário mais casual têm o poder de iluminar vidas inteiras... por vezes no mesmo instante em que as destroem."

A Dom Quixote irá lançar este livro a 29 de agosto.

 

 

Por fim, temos uma reedição de Noite, de Elie Wiesel, que será publicada também pela Dom Quixote. "Nascido no seio de uma família judia na Roménia, Elie Wiesel era adolescente quando, juntamente com a família, foi empurrado para um vagão de carga e transportado primeiro para Auschwitz e, depois, para Buchenwald.

Este é o aterrador e íntimo relato do autor sobre os horrores que passou, a morte dos pais e da irmã de apenas oito anos, e da perda da inocência a mãos bárbaras.

Descrevendo com grande eloquência o assassínio de um povo, do ponto de vista de um sobrevivente, Noite faz parte dos mais pessoais e comovedores relatos sobre o Holocausto, e oferece uma perspetiva rara do lado mais negro da natureza humana."

 

E termino, desta forma, a lista de agosto. Quais destas novidades de agosto estão nas vossas listas de compras?

 

Daniela S..png