Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Biblioteca da Daniela

A Biblioteca da Daniela

 

 

Maio está a acabar, mas não podemos dizer adeus a este mês sem passar pelos vários livros fascinantes que foram publicados estas semanas em Portugal!

 

Primeiro, temos o segundo livro das aventuras de Skandar. Em Skandar e o Cavaleiro Fantasma, de A. F. Steadman, "Skandar realizou o seu sonho: treinar como um cavaleiro de unicórnios. Mas, quando ele e os seus amigos entram no segundo ano no Ninho da Águia, surgem novas ameaças. Unicórnios selvagens — supostamente imortais — estão a ser mortos de alguma forma, enquanto uma antiga profecia alerta para um perigo iminente e terríveis catástrofes elementais começam a devastar a Ilha.

Entretanto, a irmã de Skandar, Kenna, deseja juntar-se a ele, e Skandar está determinado a ajudá-la, aconteça o que acontecer. à medida que a tempestade se aproxima, conseguirá Skandar descobrir uma forma de impedir que a Ilha acabe destruída... antes que seja tarde demais?

Prepara-te para sentires o teu coração disparar com mais uma história cheia de heróis improváveis, magia surpreendente, batalhas nos céus e segredos antigos!"

Foi lançado pela Nuvem de Tinta a 1 de maio.

 

 

Depois, temos Desta Vez É Mesmo Verdade, de Ann Liang. Nesta comédia romântica YA, "quando o trabalho da tímida Eliza Lin, de 17 anos, sobre como encontrou o amor da sua vida durante as férias de verão, se torna inesperadamente viral, a sua vida muda da noite para o dia. Acabada de se mudar de Los Angeles para Pequim, ela finalmente tem a aprovação dos colegas da nova escola, a oportunidade de um estágio na sua revista favorita...
E um enorme problema para resolver! Eliza inventou o famoso texto e o namorado.

Toda a boa escrita é mentira, certo?
Desesperada por esconder a verdade, Eliza faz um acordo com o famoso ator de K-Drama da sua turma, o encantador, mas distante, Caz Song. Ela ajuda-o a escrever e preparar as suas candidaturas à faculdade, em troca ele «só» precisa de se fazer passar por seu namorado.

Caz é um namorado de sonho, passa-lhe papéis escondidos nas aulas, faz rir a irmã mais nova de Eliza, leva-a a passear de moto para descobrir as melhores barracas de comida da cidade. Mas quando a sua relação com Caz começa a tornar-se um pouco real demais, todos os planos cuidadosamente elaborados por Eliza são ameaçados."

A Planeta publicou este livro a 2 de maio.

 

 

Também neste dia, pela Edições Gailivro, foi lançado Gémeas para uma só Coroa, de Catherine Doyle e Katherine Webber. "Wren Greenrock sempre soube que um dia ficaria com o trono, no lugar da irmã. Treinada desde a nascença para regressar ao palácio e vingar o assassinato dos seus pais, fará tudo para se tornar rainha e proteger a comunidade de bruxas que a criou. Ou este era o plano, antes de um atraente guarda se atravessar no seu caminho e a sua magia imprudente lhe causar problemas…

Rose Valhart é princesa e sabe que com o poder chegam as responsabilidades, e não vai deixar que um pequeno percalço - como acordar no deserto com um extremamente importuno (e muito charmoso) sequestrador - a distraia do seu objetivo. No entanto, a vida fora do palácio é melhor do que alguma vez imaginou e as bruxas que sempre temeu podem acabar por ser a família que nunca teve.

Com o dia da coroação a aproximar-se e as gémeas a esforçarem-se para reivindicar os seus direitos, um velho inimigo está determinado a impedir que as duas consigam aquilo que querem.

Uma história sobre irmandade, magia, destino e amor."

 

 

Uma das grandes novidades de maio é Onde Crescem os Limoeiros, de Zoulfa Katouh. "Uma história de amor e perda.

Um país em plena revolução. Quanto estamos dispostos a pagar por aquilo em que acreditamos?

Quando os gritos pela liberdade se começam a ouvir na Síria, Salama está a estudar Farmácia. Por esses dias, ainda tem consigo os pais e o irmão mais velho, e há até um rapaz com quem se irá encontrar para falar de casamento.

Porém, de repente, a guerra civil instala-se no país e Salama vê-se no meio de um hospital onde cada vez mais pessoas chegam a precisar de ajuda. Agora voluntária, a jovem de 18 anos sente que o seu coração está como Homs, a cidade onde nasceu: destruído. Os pais e o irmão morreram. Só lhe resta Layla, a sua cunhada grávida, que quer tanto proteger.

Sair do país parece ser a solução, mas Salama está tão ligada àquelas pessoas, à sua terra, onde, mais do que uma guerra, acontece uma revolução pela qual é preciso - e vale a pena - lutar. E Kenan, o rapaz de 19 anos que acaba de ali chegar, com os sonhos desfeitos e disposto a mostrar ao mundo o que se passa, pode ser mais uma grande razão para ­ficar. Porque a esperança é como os limoeiros em Homs: há-os em cada casa, em flor, e por mais que os tentem destruir, continuarão sempre a crescer."

A Editorial Presença lançou este livro a 3 de maio.

 

 

A seguir, temos Delilah Green Não Quer Saber, de Ashley Herring Blake. Nesta comédia romântica adulta, "Delilah Green jurou nunca mais voltar a Bright Falls - de onde apenas tem memórias de uma infância solitária e de uma distante família de acolhimento. A sua vida agora é em Nova Iorque, com uma carreira de fotógrafa a descolar, e onde a sua cama nunca está vazia… com uma mulher diferente a cada noite.

Quando Astrid, a sua distante meia-irmã, lhe acena com um cheque chorudo para ela lhe fotografar o casamento, Delilah decide regressar à cidadezinha a que outrora chamou lar. Planeia uma visita relâmpago, mas então vê Claire, uma amiga de Astrid, e percebe que afinal poderá haver alguma diversão em Bright Falls.

Tendo criado uma filha sozinha enquanto geria uma livraria, Claire odeia surpresas. E Delilah é uma agradável… surpresa! Apesar de se cruzarem há anos, não se conheciam verdadeiramente - por isso, Claire fica inquieta ao perceber que Delilah sabe exatamente que botões lhe deve pressionar. Quando são forçadas a trabalhar juntas nos preparativos do casamento - incluindo numa artimanha para salvar Astrid daquele noivo horrível -, Claire já não sabe se consegue resistir aos encantos de Delilah. Pior, receia não o querer fazer…"

Foi publicado pela Edições Chá das Cinco a 4 de maio.

 

 

Ainda neste dia, a Cultura Editora lançou Com Uma Pitada de Canela, de Elizabeth Acevedo. "Desde que engravidou aos 14 anos, a vida de Emoni Santiago tem sido baseada em tomar decisões difíceis — uma delas foi pôr de lado o seu sonho — e fazer o que tem que ser feito para melhorar as vidas da sua filha e da sua abuela. O único lugar onde se permite ser livre é na cozinha. Lá, desliga o cérebro, ouvindo a sua intuição e acrescentando algo mágico a cada prato. Nas suas mãos, os sabores e as especiarias transformam-se em iguarias incomparáveis.

Emoni sempre sonhou em tornar-se uma grande chef de cozinha, mas sabe que não vale a pena perder tempo a perseguir o impossível. No entanto, apesar das regras que fez para a sua vida — e as regras de todos os outros, que se recusa a seguir —, quando a sua escola começa a oferecer aulas de Arte Culinária, Emoni vê uma oportunidade de pôr em prática o talento que possui e, quem sabe, encontrar a força de que precisa para realizar o seu sonho.

Da vencedora do National Book Award, chega uma história emocionante de uma rapariga com talento, orgulho e com uma voz que não se deixará ficar silenciada."

 

 

A mesma editora, a 11 de maio, publicou A Mecânica do Romance, de Alexene Farol Follmuth, mais conhecida como Olivie Blake, a autora d'Os Seis de Atlas. Nesta sua estreia na categoria YA, "Os nerds são do mais sexy que há. Especialmente nerds que constroem robôs.

Bel prefere não pensar sobre o futuro. Aplicações partilhadas com alunos da faculdade? Deve ser, deve… Atividades extracurriculares? Nem pensar… Integrar um clube de robótica cheio de rapazes que a ignoram e que — pior ainda — passam a vida a perguntar-lhe se ela precisa de ajuda? A sério, tudo menos isso… Mas Bel deixa de ter escolha quando, acidentalmente, revela numa aula um especial talento para a engenharia. E é aí que entra em cena Mateo Luna, o capitão do clube de robótica…

Teo reconhece imediatamente o talento de Bel e quere-a na sua equipa. E não apenas porque não consegue deixar de pensar nas sardas que ela tem ao redor dos olhos, ou em como lhe deu a conhecer Taylor Swift… é apenas porque Bel o vê de uma forma que mais ninguém vê. Ninguém o desafia como ela. E com o Campeonato Nacional à porta, é importante rodear-se de quem o ajuda a ser melhor.

Mas, quando os dois começam a chocar de frente, em ternurentos e hesitantes primeiros passos, Bel dá por si a pensar: haverá realmente espaço para uma rapariga como ela nas STEM?"

 

 

Também foi neste dia que a Quetzal Editores lançou À Espera da Subida das Águas, de Maryse Condé. "Babakar Traoré estudou no Canadá, é médico e vive sozinho em Guadalupe, onde estão as origens da sua família materna - mas também a sua solidão, os seus fantasmas, bem como a recordação de uma infância africana, de uma mãe de olhos azuis que vem visitá-lo em sonhos, de um antigo amor, Azélia, também desaparecida, e de outras ilusões juvenis antes do seu exílio e da idade adulta.

Quando, a meio de uma noite de temporal, é chamado para assistir um parto, Babakar não sabe que a sua vida está prestes a mudar por causa dessa criança que vai nascer; a mãe, Reinette, uma refugiada haitiana, morre ao dar à luz - e a pequena Anaïs fica a seu cargo.

O desejo de Reinette era que a filha fosse criada no Haiti, e Babakar muda-se para a ilha, à procura de quem pudesse ensinar a Anaïs de onde ela vem. Através da história dessa dupla improvável, Babakar e Anaïs, dos amigos Movar e Fouad, que os acompanham, e dos que foram encontrando naquela ilha martirizada por violência, governos corruptos e gangues rebeldes, mas tão bela e fascinante, irá reconstruir-se um novo mapa ligado pelos danos do colonialismo, bem como as raízes do amor, da amizade, da comunhão com os outros - e o lugar de cada um no Mundo."

 

 

E como foi tão bom ver um livro que já li em inglês (e que adorei ler) ser publicado em Portugal! Estou a falar de Tokyo Ever After - Princesa à Prova, de Emiko Jean. "Não é fácil ser nipo-americana numa cidade predominantemente branca da Califórnia. Talvez por isso, Izumi Tanaka, Izzy para os amigos, sempre tenha sentido dificuldade em adaptar-se à vida nos Estados Unidos. Criada pela mãe solteira, Izzy descobre a certa altura uma pista sobre a identidade do seu pai, que não é senão o príncipe herdeiro do Japão. O que significa que ela é nem mais nem menos do que uma princesa.

Num turbilhão de emoções, Izzy viaja para o Japão para conhecer o pai e descobrir o país com que sempre sonhou. Mas ser uma princesa não se resume a vestidos de baile e tiaras. Há primos interesseiros, uma imprensa faminta, um guarda-costas sisudo — mas muito atraente... — e milhares de anos de tradição e costumes para aprender da noite para o dia.

Izzy vê-se presa entre dois mundos e duas versões de si mesma. Em casa, nunca foi americana o suficiente e, no Japão, tem de provar que é japonesa o suficiente. Irá Izumi cair sob o peso da coroa, ou viverá ela o seu desejado conto de fadas?"

A Nuvem de Tinta lançou este romance contemporâneo YA a 15 de maio.

 

 

Ainda neste dia, foi publicado, pela Iguana, Let's Play - Volume 1, de Leeanne M. Krecic, uma história que eu já acompanhava no Webtoon. Novamente, fico muito contente em ver esta obra a ser publicada cá! "Sam Young é uma jovem programadora que está prestes a alcançar o sonho de se tornar criadora de videojogos. Mas a vida lança-lhe um golpe inesperado: Marshall Law, um popular ViewTuber, faz uma crítica destrutiva do seu jogo, o que leva milhares dos seus seguidores a fazerem o mesmo, arrasando a credibilidade de Sam no site de videojogos. Pior do que isso, Sam descobre que Marshall é o seu novo vizinho do lado. Uma história divertida, sexy e realista sobre videojogos, ser mulher a trabalhar em STEM, as celebridades da Internet e a saúde mental."

 

 

Também neste dia, a Penguin Clássicos publicou Noli me Tangere, de José Rizal. "Noli me Tangere foi o grande catalisador da revolução filipina pela independência. Um romance apaixonante sobre a luta pela liberdade de um povo.

«O povo não se queixa porque não tem voz, não se mexe porque caiu na letargia, e o senhor diz que não sofre porque não viu como lhe sangra o coração.»

Considerado uma das primeiras manifestações artísticas da resistência asiática ao colonialismo europeu, Noli Me Tangere, o romance revolucionário fundador da identidade filipina, conta-nos a história de amor apaixonante entre Crisóstomo Ibarra, um jovem estudante acabado de regressar da metrópole, filho de um comerciante assassinado por razões políticas, e María Clara, filha de um amigo de família, cujo destino será interrompido por um terrível segredo.

Frequentemente apontado como o grande catalisador da insurreição popular filipina contra o seu ocupante ibérico, o polímato e ativista José Rizal denuncia com minúcia e realismo a corrupção e os abusos de poder do governo espanhol e da Igreja católica na sociedade colonial filipina do século XIX, através de um enredo intemporal que inspirou um povo a clamar por liberdade."

 

 

A 17 de maio, a Editorial Presença lançou o mais recente livro de Casey McQuiston. Em Beijei a Shara Wheeler, "quando procuramos o que queremos, acabamos por descobrir do que realmente precisamos.

Chloe Green está tão perto de conseguir tudo o que queria. Depois de mudar de cidade e entrar na nova escola, onde está a terminar o secundário, o objetivo é ser a melhor aluna do seu ano. Tudo está muito bem encaminhado, mas há um obstáculo: Shara Wheeler, a miúda mais popular, por quem se ouvem suspiros em todo o lado.

Porém, pouco mais de um mês antes da cerimónia de formatura, Shara beija Chloe e… desaparece. Chloe começa a procurar respostas e cedo descobre que Shara não a beijou apenas a si. Pois, há Smith, a crush de longa data, e há Rory, o vizinho bad boy que se apaixonou por ela. Nada, mas mesmo nada une estas três pessoas, a não ser Shara e os cartões com notas que ela deixou espalhados pela cidade, antes de se eclipsar, e que têm pistas sobre o seu desaparecimento. Numa busca frenética, embrenhada num puzzle difícil de resolver, Chloe rapidamente percebe que, se calhar, aquela cidade não é bem o que parece e Shara… bem, Shara, provavelmente, também não.

Casey McQuiston está de volta com uma história sobre quebrar as regras, deixar-se levar pelo que não podemos controlar e encontrar o amor onde menos esperamos."

 

 

A próxima novidade da lista é O Despertar, de Kate Chopin. "Ambientado na Nova Orleães do final do século XIX, O Despertar conta a história de Edna Pontellier, uma jovem mulher privilegiada que desafia a sociedade tacanha do Sul dos Estados Unidos e rejeita a vida doméstica e subalterna a que o casamento e a maternidade a condenavam.

O trágico, mas heroico, inconformismo de Edna, que se permite explorar os seus desejos e construir uma identidade radicada numa absoluta liberdade moral e erótica, foi considerado, na altura, um texto sórdido e imoral e condenou a sua autora, Kate Chopin, à proscrição.

A crítica social acutilante a que se entrega e a sua inegável natureza revolucionária ditaram que este romance fosse considerado, décadas após a sua publicação original em 1899, precursor do modernismo americano e um marco da literatura feminista."

Será publicado pela Penguin Clássicos a 29 de maio.

 

 

Ainda neste dia, Alfaguara Portugal irá lançar mais um livro de Brit Bennett, a autora d'A Outra Metade. Em As Mães, "sobre o pano de fundo de uma comunidade afro-americana marcada pela religião, no Sul da Califórnia, As Mães conta uma história comovente e perspicaz sobre amor e ambição. Tudo começa com um segredo: «Todos os bons segredos têm um determinado sabor antes de os contarmos, e, se tivéssemos demorado mais algum tempo a degustá-lo, teríamos porventura reparado na acidez típica de um segredo ainda por amadurar, colhido cedo demais, rapinado e propagado antes do tempo certo.»

Nadia Turner está no fim do liceu e é uma adolescente rebelde, angustiada, muito bonita. Imersa no luto após o suicídio da mãe, envolve-se com Luke, um rapaz um pouco mais velho, filho do pastor da comunidade. São miúdos, não é nada sério. Mas desse romance resultará um segredo com um impacto duradouro. Pouco depois, Nadia abandona a terra natal, para forjar uma vida só sua.

Os anos passam. Já adultos, Nadia, Luke e Aubrey, a melhor amiga, ainda vivem no rescaldo da escolha que fizeram naquele Verão à beira-mar, enredados num estranho triângulo amoroso e perseguidos pela dúvida: como seria agora, se tivessem, então, feito uma escolha diferente?

Numa prosa encantatória e desafiante, As Mães revela que as escolhas que seguimos deixam marca até ao fim."

 

 

Por fim, também no dia 29 de maio, será lançado Eu, o Meu Pai e o Fim do Arco-Íris, de Benjamin Dean. Neste infantojuvenil contemporâneo, "os pais do Archie vão separar-se. Apesar disso, o que mais o aborrece é a sensação de que eles lhe estão a esconder alguma coisa. E isso confirma-se quando ouve uma discussão e descobre que o pai é gay.

Passada a confusão inicial, o Archie mostra-se determinado a mostrar ao pai que o apoia incondicionalmente! Por isso, ao apanhar um folheto colorido que cai do bolso dele, decide levar avante um plano secreto: surpreender o pai em Londres na Marcha do Orgulho e mostrar-lhe que o ama acima de tudo, sem reservas nem preconceitos.

Nesta viagem emocionante, acompanhamos o Archie, e alguns amigos inesperados que ele encontra pelo caminho, num tributo ao amor, à bondade e à amizade. Habilmente, o autor leva-nos a refletir sobre relações familiares, tolerância, inclusão e identidade.

The Diverse Book Awards: Vencedor na categoria de Melhor Livro Infantil
Waterstones: Nomeado para Melhor Livro Infantil".

 

 

E, assim, chegamos ao fim de um dos meses mais marcantes em termos de grandes novidades editoriais em Portugal. O que acharam destes novos livros?

 

Daniela S..png